Arquitetura de marcas em tempos de Lava-jato

Mais que administrar portfólio. Mais quefazer gestão visual. A arquitetura de marcas exige a antevisão a riscos dos negócios, alguns deles improváveis a até pouco tempo atrás.

Quem leu o artigo anterior sobre as dificuldades na criação de naming, lembra que bati no conceito de riscos. Pontuei sobre a cultura da aversão aos riscos de empresas, a postura das áreas de marketing, das próprias consultorias de branding, e a visão antiquada do INPI e os escritórios de registros de marcas, o que também gerou artigo. Gosto de trazer a realidade para o leitor, e não como as coisas deveriam ser. Não quero ser repetitivo, ao contrário, nunca vou tratar de exceções. Pois, para os modelos perfeitos, há farta literatura. E por isso, insisto, de novo,sobre como tratar com os riscos – mas agora sob à luz da arquitetura de marcas.

Arquitetar é planejar algo detalhadamente. Só falta um detalhe…

Encontrar um modelo que favoreça a estratégia do negócio. Buscar sinergias e alinhamento para otimizar recursos e esforços na gestão de marcas. Estes são alguns dos mantras sobre a arquitetura de marcas. Em sua forma acadêmica, é uma disciplina que vê as marcas como elementos de identidade a serem organizados – conceitual e visualmente, tratando-as como ativos a serem geridos pelo marketing das organizações. Uma arquitetura é,antes de tudo, um plano – e como sabemos, não existe plano infalível fora das histórias em quadrinhos.

A arquitetura de marca precisa lidar com as imperfeições dos negócios.

Buscar a estratégia para gestão de suas marcas tem como centro a ordem e a hierarquia em favor de uma imagem pretendida. Essa imagem, de cada uma das partes dentro do todo, e o outro lado, do todo formado pela soma das partes, é um jogo complexo. Ou seja, é uma decisão sobre como e porquê explicitar ou ocultar as relações entre controladora, empresas e suas marcas de produtos / serviços.

Antes de tudo, vamos lembrar que percepção é realidade. E realidade é momento. Não é possível prever como a reputação das empresas no futuro pode afetar todo o negócio. É um risco real e incontrolável, mas que exige previdência. Por mais que seja sofrido para o cliente discutir aberta e honestamente cenários desfavoráveis, é necessário e dói agora para não doer mais depois.Ou até pior, não ter mais volta.

É impossível prever o futuro, mas é factível antever os riscos.

Tudo trata de implicações. Quando se opta, por exemplo, ao modelo monolítico (branded house). Uma marca principal rege e dita a identidade de submarcas de outros negócios ou produtos. Dá para dizer que, por muitos anos,esse foi o padrão dominante. Defendia-se que, quanto mais concentrada a identidade, menores os custos, os esforços, e maior o alinhamento – e esse era o lado benéfico. Mas e o maléfico? Cadê os riscos?

Pensando no momento atual, em tempos de Lava-jato, veja que,quanto maior o vínculo entre as empresas, maior é também o risco de um dos negócios trazer problemas para todos os demais. Quem não recebeu durante a semana da notícia da delação de Joesley, por Whatsapp ou e-mail, a lista de marcas da J&F “que deveriam ser boicotadas”? Das empresas de carnes às de margarina, passando pelas sandálias que não soltam as tiras, ninguém escapou ileso.

E vejam que, neste caso, o modelo de arquitetura era de independência. Aquele no qual as marcas não possuem nenhuma relação entre si. Como vários outros conglomerados, diversificados e atuantes em vários segmentos. Estes,geralmente optam por estruturas de maior liberdade entre as marcas, tratando a marca corporativa como uma entidade meramente formal ou até oculta. Volte 10 anos no tempo e pergunte quem conhecia a Unilever ou a Mondelēz (antiga Kraft Foods)?

Modismo ou orientação estratégica?

Sim, houve um movimento relativamente recente no qual as marcas corporativas, que por muitos anos eram ocultas ou no mínimo tímidas em suas comunicações, começaram a surgir com protagonismo. Um bom exemplo deste movimento foi o que fez a própria Unilever nos idos de 2000. Um case de branding. Um forte trabalho para migrar de uma arquitetura independente, onde cada marca do portfólio tinha sua vida própria, para um modelo de endosso, onde a Unilever passa a ser a entidade que une diferentes produtos e categorias. Para isso, a comunicação institucional passou a ser muito mais relevante para o negócio. No Brasil, o papel institucional da marca Natura está em análise e gerou um recente artigo aqui no portal.

O ponto final que deixo é que, quando se falava no futuro das marcas, a preocupação era sobre a sua extensão. Em crescendo e se desenvolvendo os negócios, como poderiam surgir novas submarcas e como estas se relacionariam com as marcas atuais. Mas ninguém imaginava que o futuro seria a Lava-jato, e que os riscos agora extrapolam o design e a estratégia de marca. Com muitas marcas antes notórias saindo do papel de anunciantes para personagens das páginas policiais e políticas. Quer um conselho? Quando pensar na arquitetura de marcas, considere todos os riscos, até os mais improváveis. Nunca se sabe.


 Rodrigo Conde é head de identidade verbal na Led Project e professor do MBA de Branding das Fac. Int. Rio Branco em São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *