Category

Design

Category

apps-01-01-02

Foi-se o tempo que celular bom era aquele praticamente indestrutível. Hoje em dia a marca, o design, a câmera, a velocidade do processador, a cor, o tamanho, a memória, o sistema operacional e outros atributos são importantes na escolha de um aparelho novo e atual, mas quem desequilibrou a balança entre algumas empresas de celulares e tablets com certeza foram os aplicativos.

Havia quem comprava o iPhone só por causa do Instagram, quando ainda estava liberado apenas para os aparelhos da maçã. O aplicativo virou objeto de status, poder e diferenciação. Este poder dos apps cresceu tanto que parece não ter mais limites, virou uma mina de ouro para desenvolvedores de softwares de celular e atraiu uma legião de empresas com seus aplicativos próprios disponibilizados para uso dos clientes, como aqueles de banco, que facilita o acesso do usuário à sua conta. Jovens desenvolvedores fizeram sua fortuna apenas criando aplicativos, como é o caso de Mike Krieger, 24 anos, criador do Instagram que vendeu o aplicativo ao Facebook por US$ 1 bilhão.

Assim como as empresas, os aplicativos possuem uma marca, público, posicionamento e concorrentes, mas apenas aqueles que possuem estratégias relacionadas ao branding saem na frente, pois não são diferentes de outras marcas, os aplicativos precisam passar pelos mesmos processos e ter as mesmas estratégias que as empresas criam para lançar e posicionar seus produtos no mercado. Uma falha estratégica pode acarretar em um trabalho perdido que não vai pra frente e não tem retorno financeiro aos desenvolvedores. Pode acontecer também que essa falta ou erro de estratégia derrube grandes aplicativos, com os conflitos frequentes de apps concorrentes, o exemplo mais recente é a batalha travada entre o gigante WhatsApp com o novato WeChat, ambos aplicativos são como o falecido Messenger. O que fez o WeChat ganhar espaço entre os aplicativos favoritos foi a possibilidade de gravar uma mensagem de voz ao invés de digitar, o que antes era impossível no WhatsApp, tornou realidade rapidamente, quando viu seu concorrente ganhar o mercado, uma atualização foi disponibilizada e o mesmo sistema de mensagem por voz foi incluído no app antes que fosse tarde de mais.

As lojas de aplicativos para celulares estão como os supermercados, lotados de marcas, umas boas, outras piores, algumas caras, outras nem tanto. Tem os preferidos dos consumidores, aquele que nunca pode faltar na lista, os que se destacam, que são bem falados, que são fáceis de usar, enfim, há um mundo sendo explorado e a tendência é aumentar ainda mais, já que o número de smartphones vendidos no Brasil cresceu 86% no primeiro trimestre de 2013 ante o mesmo período do ano passado. De acordo com estudo realizado pela IDC, o mercado brasileiro comercializou 5,4 milhões de aparelhos nos primeiros três meses do ano. Ainda segundo a consultoria, no mundo, mais de 950 milhões de smartphones devem ser vendidos este ano, o que representaria um crescimento de 33% frente ao ano passado.

Fonte: G1   /   Imagem: Adobe

 

O artigo “O design na prática dos negócios” inicia a abordagem do design visto como um processo e seu direcionamento a uma atuação mais estratégica no mercado, tornando-se um forte aliado à gestão das marcas independente do porte e do ramo de atuação das empresas.

Mas seria possível o extenso mundo corporativo que vai além da fração que envolve agências e escritórios de design enxergá-lo como uma ferramenta de gestão?

Ao pensar no design estratégico e seu processo dentro das empresas, a imagem ainda é facilmente associada apenas a designers atuando em corporações de segmentos diversos. Porém, tanto o processo quanto o pensamento orientado pelo design não se restringem somente a eles.

A International Council of Societies of Industrial Design (ICSID) enfatiza as noções de criatividade, coerência, qualidade industrial, forma e conhecimento multidisciplinar: “O design é uma atividade criativa cujo objetivo é estabelecer as qualidades multifacetadas dos objetos, processos, serviços e seus sistemas em ciclos de vida completos. Portanto, design é o fator central da humanização inovadora de tecnologias e o fator crucial do intercâmbio cultural e econômico”.

Independente da especialidade praticada – produto, gráfico, ambiente, web, entre outros – o design possui caráter multidisciplinar e envolve, segundo Mozota (2011):
• Um processo criativo interno;
• Um processo de produção externo;
• Um processo de planejamento;
Um processo de gestão.

A gestão do design originou-se na Grã-Bretanha na década de 60, referindo-se ao gerenciamento da interface entre agência de design e cliente. Ao longo do tempo, quando este conceito foi ampliado integrando o design ao ambiente organizacional, Patrick Hetzel (1993 apud MOZOTA, 2011, p.94) também amplia o escopo da gestão do design apresentando três definições:
• Gestão do design (gestão do processo criativo dentro da corporação);
• Gestão de uma empresa de design;
Gestão de uma empresa de acordo com os princípios de design.

O conservadorismo e a resistência a mudanças faz com que algumas empresas encontrem dificuldade em integrar os princípios do design no processo de gestão. Com o quadro comparativo a seguir é possível compreender a convergência das abordagens de gestão e design facilitando o entendimento dos conceitos-chave que promovem a conciliação das disciplinas.

Fonte: Adaptado de MOZOTA (2011, p. 98).

Ainda segundo a concepção de Mozota, a gestão do design relaciona-se diretamente ao processo de mudança do modelo gerencial de Taylor, convencional e hierárquico, para um modelo organizacional plano e flexível, mais informal, que encoraja a iniciativa individual, a independência e a tomada de riscos. Desta forma, a gestão por meio dos princípios do design possibilita aos profissionais a oportunidade de participar, cocriar e explorar novas possibilidades. E o modelo de pensamento orientado pelo design, com o qual são abordados os problemas e conduzidos os projetos, propõe soluções de forma iterativa (processos contínuos), estimula a criatividade e a inovação.

Segundo West e Coutinho (2012) para a Harvard Business Review, a gestão e o modo de pensar do design, ou design thinking, não substituem a gestão empresarial, mas “propõem um novo enfoque para a resolução de problemas e a busca de novas ideias para processos, produtos, serviços e marcas”.


REFERÊNCIAS

MOZOTA, Brigitte Borja de; KLÖPSCH, Cássia; COSTA, Felipe C. Xavier da. Gestão de Design: usando o design para construir valor de marca e inovação corporativa. Porto Alegre: Bookman, 2011.

WEST, Harry; COUTINHO, André. Business Design. Harvard Business Review. Disponível em: <http://www.hbrbr.com.br/materia/business-design>. Acesso em: 05 Jan. 2013.

cor do dinheiro

Laranja, amarelo, vermelho ou azul? Sim, o dinheiro tem várias cores, dependendo em qual banco ele está. E verde parece ser a cor menos provável.

comunicacao itau

Há alguns anos vemos um movimento forte das instituições financeiras para reforçar suas marcas. Para isso, além do logo, os bancos estão se apropriando de cores para identificar toda sua comunicação, especialmente as agências.

Quando passamos por uma fachada comercial laranja, é muito provável que seja uma agência do Itaú. Apesar das edificações não serem padronizadas quanto à construção, ou seja, cada agência tem uma fachada e arquitetura distintas, elas têm um ponto em comum: todas tem além do logo do Itaú, a cor laranja. Sejam placas de aço perfurado ou perfis ACM.

Com a lei paulistana da Cidade Limpa, esse recurso precisou ser mais explorado. Sem poder usar totens altos e backlights de logos enormes, as áreas de Marketing & Branding dos bancos foram obrigadas a modificar as fachadas das agências. Como não era mais possível avistar os grandes logos de longe, qual era a melhor saída? Pintar as fachadas com as cores institucionais do banco.

Assim temos o vermelho para o Santander, o azul escuro para a Caixa e o amarelo canário para o Banco do Brasil. No caso do Bradesco que tem o logo vermelho como o Santander, as fachadas receberam o vermelho e também um azul. Provavelmente para se diferenciar, apesar de rumores dizerem que o banco brasileiro foi obrigado a usar o azul porque o Santander entrou com uma ação garantindo a exclusividade do vermelho.

Essas cores institucionais ultrapassaram os limites físicos e estão presentes em outros pontos de contato. Além das agências e materiais impressos, as cores estão nas mídias sociais e comerciais. Para comprovar, é só acessar as fanpages. Os posts do Bradesco têm predomínio das cores vermelha e azul nas imagens.

E a marca do setor financeiro que é referência no uso desse recurso é o Itaú. No seu Facebook, a maioria das imagens usa o laranja. Até as fotos dos anúncios têm um filtro laranja ou objetos destacados nessa cor. O site e o Twitter têm o fundo cítrico, o que reforça ainda mais a marca em todos os pontos de contato e mídias.

Os bancos públicos seguiram a mesma tendência, passando por reformulação de conceito de imagem e reformando as fachadas das agências. Mudaram o aspecto de instituições governamentais atrasadas para empresas modernas e competitivas.

Todos esses exemplos comprovam que um Branding planejado e bem executado é tão importante quanto o preço das tarifas e o portfólio de serviços de um banco. O Branding é também uma peça fundamental para conquistar as contas e a lembrança dos consumidores.

O constante crescimento não só das grandes, mas também das médias, pequenas e microempresas resulta numa crescente competitividade e faz com que produtos e serviços tendam a se tornar semelhantes entre si. Em meio a players de mercado comoditizados, o design era considerado atributo de competitividade e fator de diferenciação para o consumidor. Hoje, porém, o design deve ser pensado não apenas como projetos isolados, mas como uma estratégia do branding dentro de um propósito maior.

Diego Rodriguez, sócio da empresa norte-americana de design IDEO e professor da Escola de Design da Universidade de Stanford, acrescenta que um bom design não implica necessariamente em bons resultados nos negócios, mas estes podem ser alcançados com mais frequência por meio de um processo de design bem estruturado, já que o processo em si é um fator mais holístico e abrangente do que simplesmente a noção de um bom design.

Muitas vezes o termo design pode ser entendido e limitado apenas a aspectos estéticos, e a profissão de designer relacionada mais ao aspecto operacional e menos ao estratégico, dificultando a incorporação de uma cultura ou pensamento de design nas organizações.

Diego alerta para que o design não seja tratado como um substantivo, mas como um verbo, um processo, pois infelizmente o design tem sido associado apenas ao estilo e a um julgamento semiótico e estético dependente de paradigmas que estão em constante movimento.

Neste contexto dinâmico e complexo, o design deve ser compreensível e aproximar designers e não designers na resolução de desafios, preocupando-se não só com a inovação de estilo, mas também com os processos que deverão atender às necessidades das pessoas.

O design como processo possui uma abordagem mais ampla. Em 1981, Barroso Neto (apud Niemeyer, 2007) já apresentava o design como “uma atividade contemporânea que nasceu da necessidade de estabelecer uma relação entre diferentes saberes e diferentes especializações. Design é o equacionamento simultâneo de fatores sociais, antropológicos, ecológicos, ergonômicos, tecnológicos e econômicos, na concepção de elementos e sistemas materiais necessários à vida, ao bem-estar e à cultura do homem”.

A impressão é que ao longo do tempo o design foi sendo limitado até que notou-se a necessidade de retomar ao que realmente ele significa e ainda inseri-lo em um contexto mais amplo e complexo de mercado. “Hoje uma ponte está sendo construída entre design e negócios”, como citado por Marco Santoro, fundador da EISE – Escola de Inovação em Serviços, em um encontro sobre Business Design em São Paulo[1].

O design focado mais ao nível estratégico e menos ao tático não exclui a necessidade do desenvolvimento de projetos táticos de design no mercado, mas amplia o entendimento das possibilidades do design até então existentes.

E entendido como um processo, o design passa a ser incorporado também ao ambiente de negócios em corporações independente do porte e do ramo de atuação, valorizando a multi e interdisciplinaridade na resolução de problemas complexos alinhado ao planejamento estratégico da empresa, tornando-se um forte aliado à gestão das marcas.


REFERÊNCIAS

NIEMEYER, Lucy. Design no Brasil: Origens e instalação. Rio de Janeiro: 2AB, 2007. p.23-28.

RODRIGUEZ, Diego. Why Design Matters. Bloomberg Businessweek – Innovation & Design. Fev. 2010. Disponível em: <http://www.businessweek.com/stories/2010-02-01/why-design-mattersbusinessweek-business-news-stock-market-and-financial-advice> Acesso em: 19 Jan. 2013.

[1] Evento da Symnetics sobre Business+Design com apoio da Business School São Paulo (BSP). 2013, São Paulo.

propositoO logotipo e o sinal gráfico, e muitas vezes a combinação dos dois, são os elementos de marca mais facilmente reconhecíveis pelo grande público, uma vez que são tangíveis e encontram-se presentes nos diversos pontos de contato da marca com o consumidor.

De forma visual, e portanto rápida de ser interpretada, transmitem conceitos importantes acerca da marca e estabelecem aquele gatilho para lembranças e crenças na mente das pessoas.

No entanto é comum que empresários, principalmente os que administram empresas menores,  encarem a marca de suas empresas como logos e sinais gráficos, limitando sua gestão à aplicação constante destes elementos em diversos materiais de suas empresas.

O logo é apenas um dos elementos ou, como se costuma dizer, é apenas a ponta do iceberg. Sustentando a aplicação do logotipo existe toda uma estratégia de branding estabelecida com base na relação de empresa, consumidor e mercado, que alinha as diversas ações da empresa e visa, sobretudo, a identificação, a diferenciação, o reconhecimento, o estabelecimento de vínculos e, por conseqüência, as vantagens competitivas.

Por isso o logo não deve simplesmente ser criado as pressas e em com base no gosto pessoal dos gestores da empresa, o que é comum em empresas menores. Não. Ele deve ser concebido de forma estratégica. Primeiro de tudo é necessário que a empresa entenda sua essência, o seu propósito, ou seja, é preciso que ela olhe para dentro de si e perceba, entenda e assuma a razão pela qual ela existe e atua no mercado. Com o propósito reconhecido a empresa pode identificar melhor o seu público com base nos valores compartilhados e assim entender o que ele aprecia, definindo que tipo de imagem ela quer gravar em sua mente, o que, em poucas palavras, define o conceito de posicionamento. Em paralelo acontece o reconhecimento do mercado, das práticas dos concorrentes e a identificação de características da categoria na qual atuará, possibilitando a percepção dos pontos de paridade, ou seja, aqueles nos quais haverá semelhanças e os pontos de diferenciação, que possibilitam o reconhecimento da marca como única.

A partir dai começa o desenvolvimento do desenho da marca propriamente dito. Nesse processo são identificadas as necessidades da empresa no que diz respeito à aplicação de sua marca. Além das aplicações básicas como cartão de visitas, fachadas, papelaria institucional, brindes, website, elementos identificadores para redes sociais como “cover image” e “perfil image” são analisados aplicações específicas que a empresa possa demandar. No caso de uma loja de roupas, as tags e sacolas; no caso de uma padaria ou restaurantes, os guardanapos louças e embalagens; no caso de uma clínica médica, os receituários, aventais, pasta para exames e assim por diante. É importante que esse estudo prévio seja realizado para que a marca funcione de forma legível, pregnante e sem distorções nos mais diversos meios, mantendo uma unidade através da combinação de cores e elementos que acompanham o logo, como imagens e padrões gráficos. Isso sem falar no processo de criação do nome, conhecido como naming, e de registro da marca junto ao INPI; etapas importantes no processo de criação de uma marca.

Tudo isso alinhado cria e sustenta a identidade da marca, o que por sua vez garante seu reconhecimento como entidade. Com base na identidade as pessoas identificam a marca em meio a tantas outras e isso facilita sua escolha.

A marca de uma empresa não é algo pontual, não é resumida a uma elemento específico, não é dissociável da empresa. É um conjunto, uma soma de várias pequenas ações e elementos que juntos constituem o que a empresa tem de mais valioso, sua imagem e reputação na mente de seu público.