Economia compartilhada: o comportamento do consumidor digital

A contemporaneidade é marcada por uma nova economia digital, transformada por convergências tecnológicas, conectividades e inovações disruptivas, que estão impactando, de maneira coletiva, o comportamento dos consumidores e seu relacionamento com as marcas.

A transição da Era Industrial e da produção de massa, impulsionada pela crise do sistema financeiro em 2008, faz nascer um novo modelo de negócio: a economia compartilhada, que busca responder aos novos anseios de uma sociedade altamente informada, conectada e questionadora.

Em meio a competitividade acirrada, o grande objetivo das marcas é se destacar diante da concorrência. Estudar a fundo o perfil do consumidor e entender suas necessidades tornou-se um fator primordial para obter sucesso nos negócios. Surge então, uma evolução na relação entre marca e usuário, na qual a marca passa a buscar humanização, através da relevância, transparência e autenticidade, criando valor e apelo emocional.

Os conceitos de marketing evoluem frequentemente. O marketing 1.0, focado no produto, precede o marketing 2.0, voltado ao consumidor, seguido pelo marketing 3.0, centrado no ser humano, e chega ao marketing 4.0, defendido por Kotler (2017, p. 71) como uma abordagem que combina interações on-line e off-line entre empresas e clientes. O marketing digital e o tradicional coexistem no Marketing 4.0 com o objetivo de conquistar a defesa dos seus clientes.

Na era da conectividade e convergência, o poder é das pessoas. É o empoderamento dos usuários, e redes de conexões, que torna-os permanentemente ativos. São consumidores e, ao mesmo tempo, produtores de conteúdo.

A confiança virtual é hipersocial e sustenta-se através do compartilhamento de opiniões e comentários dos usuários. A comunicação torna-se horizontal e gera engajamento entre usuários e marcas que partilham das mesmas ideias, crenças e valores. Por isso, é essencial que a marca cumpra as promessas e expectativas desses usuários, com o objetivo de evitar qualquer tipo de desapontamento.

A economia compartilhada pode ser vista como uma forma de conduzir os negócios com consciência acerca dos seus impactos na sociedade e no mundo. É a transformação da propriedade privada em acesso compartilhado, que permite ao usuário pagar apenas pelo que realmente for usar. Ou seja, a oferta certa, para cada cliente, no momento exato em que ele precisa.

Assim, é possível proporcionar uma variedade maior de serviços sob medida para cada usuário, reduzindo o desperdício de recursos, à medida em que estes são utilizados de forma mais eficiente. Essa é a essência da ativação comunitária: aumentar o valor dos bens para o indivíduo, a comunidade e o meio ambiente.

A onda do compartilhamento está ocorrendo em diversos setores da economia, promovendo ações disruptivas e transformando a visão de negócios. Transportes, bens, espaços, comida, dinheiro, serviços, estudos, bem-estar, saúde, beleza, moda, mobilidade, logística e corporações, são algumas das áreas nas quais novas empresas tem emergido. Em maioria, startups visionárias com sede por inovação e conhecimento em tecnologia, dedicadas a trazer soluções e facilidades para o cotidiano com ideias capazes de criar um novo mercado e desestabilizar os concorrentes que antes o dominavam.

A sociedade está em constante evolução. Os negócios, atualmente centrados não só no produto ou usuário, mas sim no conjunto das relações e seu entorno com o ecossistema, buscam relevância e conexão pautadas no consumo colaborativo.

O grande desafio é proporcionar serviços e produtos que facilitem a vida das pessoas, ofereçam autonomia e flexibilidade e sejam financeiramente vantajosos, sustentáveis e criem um vínculo com o usuário, transformando essa jornada em uma experiência positiva e confiável.


Flavia Sawaya Sacamoto Santinon: Graduada em Design Gráfico e especialista em Design Digital e Novas Mídias pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, possui experiência e segmento off-line, mas encantou-se pelo mundo digital, atuando como UX/UI Design. Acredita que o design tem o poder de transformar e por isso é apaixonada pelo que faz.