Author

Amanda Higa

Browsing

A Transformação digital mudou o comportamento das pessoas e trouxe diversos benefícios e facilidades para as marcas e para o nosso dia a dia. No entanto, percebemos como a perda de privacidade e a disseminação de fake news também foram facilitadas em quantidade e velocidade. Mas não só isso! Cibercriminosos passam a explorar cada vez mais formas e meios de atuar através dos meios digitais.

A Check Point Research (CPR), braço de Inteligência em Ameaças da Check Point® Software Technologies Ltd. (NASDAQ: CHKP), fornecedora global de soluções em cibersegurança, acaba de publicar o relatório mais recente sobre Phishing de Marcas, o “Brand Phishing Report” referente ao primeiro trimestre de 2020.

Você sabe o que é Phishing de Marca?

Em um ataque de phishing, os cibercriminosos procuram imitar o site oficial de uma marca bem conhecida ao utilizar um nome de domínio similar ou uma URL e design de web parecido com o site legítimo. O link para o site falso pode ser enviado às pessoas por e-mail ou por SMS, a fim de redirecioná-las durante a sua navegação web ou mesmo ser ativado a partir de um aplicativo móvel fraudulento. O site falso, muitas vezes, contém um formulário com o intuito de roubar os dados pessoais do usuário, detalhes de pagamentos ou cartões de crédito ou outra informação confidencial.

O relatório destaca as marcas que foram mais imitadas pelos cibercriminosos em suas tentativas de roubo de informação pessoal dos usuários ou de suas senhas de pagamentos nos três primeiros meses deste ano.

Apple, Netflix e Yahoo! são as marcas mais imitadas para tentativas de phishing

A Apple foi a marca alvo dos cibercriminosos, adotada com maior frequência, passando da sétima posição (referente aos 2% de tentativas de phishing em nível global no 4º trimestre de 2019) para o topo do ranking com 10% de todas as tentativas de phishing relacionadas à gigante tecnológica.

A Netflix assumiu a segunda posição com 9% das tentativas de phishing a serem relacionadas com a empresa, provavelmente devido ao aumento de pessoas que passaram a acessar o serviço durante a pandemia de Coronavírus. Já o Chase Bank cresceu em 3% do 4º trimestre de 2019 para ocupar a sexta posição, nesta nova edição do relatório, com 5% das tentativas de phishing explorando esta marca.

O setor com a maior probabilidade de ser alvo de phishing de marca é o da Tecnologia, seguido pelos Bancos e por Mídia e Entretenimento. Isto ilustra bem a abrangência e as áreas mais consumidas pelos usuários, particularmente durante a pandemia do novo Coronavírus e a quarentena, quando as pessoas são levadas a adotar tecnologia de trabalho remoto ou home office, a ajustar a situação financeira e a aumentar a procura por serviços de entretenimento em casa com recurso ao streaming.

Ranking de marcas usadas para phishing no 1º trimestre de 2020

Este ranking de marcas baseia-se na aparição global de tentativas de phishing com base em cada marca:

  1. Apple (com cerca 10% de todas as tentativas de phishing via marcas em nível global)
  2. Netflix (9%)
  3. Yahoo! (6%)
  4. WhatsApp (6%)
  5. PayPal (5%)
  6. Chase (5%)
  7. Facebook (3%)
  8. Microsoft (3%)
  9. eBay (3%)
  10. Amazon (1%)

Ranking de marcas usadas para phishing por plataforma

Durante o 1º trimestre de 2020, marcas similares foram usadas como vetores de ataque de phishing para aplicativos móveis e para web, incluindo bancos e serviços de streaming como o Chase Bank e a Netflix.

O phishing de web foi o mais predominante com 59% dos ataques, seguido por mobile phishing como o segundo tipo de ataque mais comum comparado com o último trimestre de 2019, em que se encontrava na terceira posição. Isto se deve às pessoas ocuparem a maioria do tempo em seus smartphones durante a pandemia, de modo que os cibercriminosos se aproveitaram para obter vantagem dessa situação.

E-mail (18% de todos os ataques de phishing durante o 1º trimestre)

  1. Yahoo!
  2. Microsoft
  3. Outlook
  4. Amazon

Web (59% de todos os ataques de phishing durante o 1º trimestre)

  1. Apple
  2. Netflix
  3. PayPal
  4. eBay

Móvel (23% de todos os ataques de phishing durante o 1º trimestre)

  1. Netflix
  2. Apple
  3. WhatsApp
  4. Chase

“Os cibercriminosos continuam explorando os usuários por meio de tentativas de phishing via e-mail, web e aplicativos móveis adotando marcas reconhecidas sobre as quais sabem do grande interesse por elas, quer seja o lançamento de um produto topo de linha ou simplesmente algo que poderá mudar o comportamento das pessoas, como o que está acontecendo a partir da pandemia do Coronavírus”, afirma Maya Horowitz, diretora de Inteligência de Ameaças & Pesquisa e Produtos da Check Point. “O phishing continuará sendo uma ameaça crescente nos próximos meses, especialmente enquanto os cibercriminosos explorarem os medos e as necessidades das pessoas em utilizar serviços essenciais a partir de casa. Recomendamos sempre aos usuários que se mantenham atentos e cautelosos ao divulgar os seus dados pessoais.”

Os dados do relatório de phishing de marca estão suportados pela Check Point ThreatCloud Intelligence, a maior rede colaborativa contra o cibercrime, que disponibiliza informação e tendências sobre ciberataques por meio de uma rede global de sensores de ameaças. A base de dados da ThreatCloud inclui mais de 250 milhões de atividades de malware diariamente, mais de 11 milhões de assinaturas de malware e mais de 5,5 milhões de websites infectados, além de identificar milhões de tipos de malware diariamente.

A Páscoa 2020 já estava planejada e preparada para muitas marcas até a chegada da pandemia. Linhas, produtos, campanhas… E agora? Como as marcas estão lidando com o cenário causado pelo Coronavírus?

Numa situação inesperada (ou quase) como essa, com impacto na vida, nos negócios e no cotidiano das pessoas em nível mundial, muito do que estava planejado acabou sendo repensado, postergado e, em alguns casos, até descartado. 

A saúde deve ser colocada como prioridade, e para as marcas não é diferente. O olhar das empresas se voltou ao cuidado e à segurança de seus colaboradores, clientes e ao bem-estar da sociedade, ressignificando a sua colaboração e seus valores perante o mercado.

A semana da Páscoa chegou e o clima para divulgação, comemoração e grandes campanhas não é o mesmo, seja por coerência com o momento, seja pela dificuldade ou impossibilidade da entrega de seus produtos ou serviços.

Em contrapartida, a peteca não pode cair. Sem deixar de priorizar a saúde e as recomendações dos órgãos oficias, precisamos colaborar com as pequenas e microempresas para que estas permaneçam sustentáveis durante este período, e também avaliar as possibilidades da produção sazonal motivada pela Páscoa. Afinal, este é um momento que representa passagem, reflexão e renascimento.

Confira como algumas marcas estão lidando com o desafio da Páscoa em 2020

  • Shoppings centers têm promovido atividades de recreação para momentos de lazer em casa. Além de receitas, estimulam a brincadeira de Caça aos Ovos com as crianças. O Shopping Granja Vianna e Metrô Tucuruvi (São Paulo), oferecem as marcas Kopenhagen e Cacau Show com serviço delivery dos chocolates. Shopping Metropolitano Barra (Rio de Janeiro) promove o Mundinho Kids Online em seu Instagram @shoppingmetropolitanobarra, com diversas oficinas.
  • Pão de Açúcar investe em campanha para valorizar as relações virtuais pela união nesta Páscoa.
  • Lindt promove a campanha digital #LindtemCasa com influenciadores motivando o usa do aplicativo Rappi para a compra de produtos de páscoa. Além disso, os itens estão todos com 30% de desconto.
  • Kopenhagen também oferece 30% off em todos os itens de páscoa pelo site da marca, além do delivery via WhatsApp.
  • Turismo reinventado: um dos segmentos mais impactados precisa encontrar alternativas para continuar em contato com as pessoas. O meio digital é a principal alternativa, mas não precisa cair no clichê. Bariloche utilizou o Place Branding para transmitir a experiência e valores locais sem deixar de incentivar as pessoas a ficarem em casa.

Confira mais detalhes!


COVID-19 E COLABORAÇÃO DAS MARCAS
Diante da pandemia do coronavírus (COVID-19), muitas marcas têm colaborado com serviços, informações e suporte para que os brasileiros possam enfrentar essa situação. O InfoBranding colabora com o compartilhamento destas ações e apoio das marcas AQUI.

MARCAS EM TEMPOS DE QUARENTENA
E para saber mais sobre as campanhas, ações e alternativas criativas que as marcas têm praticado para oferecer seus produtos e serviços, acesse AQUI. Afinal, ideias geram novas ideias para que as empresas busquem soluções criativas em tempos de crise sem deixar de priorizar a saúde de seus colaboradores. Compartilhe!

Bariloche, um dos destinos turísticos mais importantes da Argentina, está alinhado na mobilização para a conscientização dos cidadãos sobre a importância de ficar em casa para conter o avanço do Covid-19. Por isso, a cidade patagônica criou uma landing page especial que promove a experiência da Páscoa sem que a pessoa precise sair de casa.

A página, que faz parte da campanha #EuFicoEmCasa, leva a experiência da Páscoa nas montanhas da Patagônia Argentina enquanto estamos em quarentena e exibe uma mensagem de motivação para visitar a cidade quando a pandemia passar: “A gente volta a se ver em breve”.

Olha que legal o conteúdo compartilhado pela página com o intuito de fazer com que os brasileiros possam curtir a cidade de forma diferente, relembrar (pra quem já conhece) ou até planejar seu próximo destino de férias:

    • Para compartilhar o amor pelo chocolate, o site oferece a oportunidade de se preparar algumas das deliciosas receitas de chefes chocolateiros que fazem história. Transmitidas de geração a geração, as receitas foram fornecidas virtualmente, inclusive a do tradicional chocolate em rama.
    • Diversos vídeos mostram como fica o espírito de Bariloche durante a Semana Santa.
    • O som único da Camerata de Bariloche também está disponível para relaxar e aproveitar a essência da Semana Santa na cidade.
    • Para relembrar, tem os vídeos da Festa do Chocolate do ano passado.
    • Para os pequenos, é possível baixar atividades e desenhos temáticos para pintar.
    • Viva Bariloche com vídeos para explorar cada canto da natureza e encontrar as atividades que a cidade possibilita.
    • E a página ainda conta com um TEDx Bariloche de Javier Javoo Fabris com o tema Saber mais nos permite “desconstruir” as formas modernas de engano, como as pós-verdades.

A Festa do Chocolate na Páscoa de Bariloche

“Apesar de sabermos da importância de ficar em casa, a quarentena trouxe muita frustração para quem planejava passar a Páscoa em Bariloche e em família. Por isso, decidimos ajudar no entretenimento de todos levando para suas casas o melhor da nossa cidade, cercando-as com nossas paisagens, cultura e gastronomia. Esperamos que essa seja uma experiência valiosa e divertida no período de isolamento social”, diz Diego Piquín, diretor executivo da Emprotur Bariloche.

“Bariloche tem uma aproximação especial com os brasileiros, mas nesse momento queremos que eles fiquem em casa pois é a melhor maneira de combater essa pandemia. Tenho certeza de que, se tomarmos as medidas responsáveis, nos veremos novamente em breve”, acrescenta Gastón Burlon, secretário de Turismo de Bariloche.

Vale a pena conferir esse case de PLACE BRANDING que respeita o momento de crise mundial devido à pandemia, incentiva as pessoas a ficarem em casa, compartilha conteúdo para todas as idades (incluindo as crianças), transmite a cultura e a experiência local através da música, gastronomia e dicas de lazer para quando esse momento passar.

https://barilocheturismo.gob.ar/br/volvemos-pronto


COVID-19 E COLABORAÇÃO DAS MARCAS
Diante da pandemia do coronavírus (COVID-19), muitas marcas têm colaborado com serviços, informações e suporte para que os brasileiros possam enfrentar essa situação. O InfoBranding colabora com o compartilhamento destas ações e apoio das marcas AQUI.

MARCAS EM TEMPOS DE QUARENTENA
E para saber mais sobre as campanhas, ações e alternativas criativas que as marcas têm praticado para oferecer seus produtos e serviços, acesse AQUI. Afinal, ideias geram novas ideias para que as empresas busquem soluções criativas em tempos de crise sem deixar de priorizar a saúde de seus colaboradores. Compartilhe!

Pesquisa recente da Kantar, consultoria e líder global em dados e insights, revela que duas atitudes são importantes para os brasileiros com relação às marcas diante da pandemia do coronavírus: serem exemplos e liderarem a mudança; e serem práticas e realistas.


O complexo cenário atual, marcado pela pandemia do COVID-19, impacta o mundo nos aspectos econômico, social e até ambiental, fazendo com que muitas pessoas passem a refletir sobre seu comportamento de consumo, suas relações com a tecnologia e, inclusive, sua forma de contribuir e se relacionar com a comunidade.

Neste contexto, as marcas também passam (e devem) refletir sobre que tipo de comunicação utilizar e como devem agir. Afinal, não apenas seus consumidores, mas também colaboradores e demais stakeholders esperam um posicionamento das marcas, empatia e uma real preocupação com o ser humano num momento marcado pela insegurança e pelo medo.

Uma pesquisa da Kantar, realizada com 500 entrevistados de forma online entre os dias 13 e 16 de março, revelou que o coronavírus já preocupava 80% dos brasileiros. E quando questionados com relação ao tipo de publicidade em que as marcas brasileiras deveriam continuar investindo, mais de 80% dos entrevistados concordaram completamente que elas devem comunicar seus esforços para enfrentar a situação e sobre como podem ser úteis nesse novo dia a dia, assim como evitar explorar a situação do coronavírus para promover suas marcas.

O que os entrevistados esperam com relação ao posicionamento das marcas no Brasil?

  • Que sirvam de exemplo e guiem a mudança (25%)
  • Sejam práticas, realistas e ajudem consumidores no dia a dia (21%)
  • Ataquem a crise e demonstrem que ela pode ser derrotada (20%)
  • Usem seu conteúdo para explicar e informar (18%)
  • Reduzam a ansiedade e entendam as necessidades dos consumidores (11%)
  • Sejam otimistas e pensem de formas não convencionais (3%)

Segundo Valkiria Garre, CEO de insights na Kantar Brasil, “Por ser um momento sensível, mensagens podem ser mal interpretadas, conteúdos podem gerar desserviços e peças criativas podem estimular o sentimento errado. Ainda assim, as marcas devem continuar investindo de forma estratégica para conseguir crescimento a longo prazo.”

Quais atitudes os consumidores esperam das empresas como organizações?

Ainda segundo a Kantar, na opinião dos brasileiros o mais fundamental nesse momento é se preocupar com a saúde de seus colaboradores, higienizando os locais de trabalho (67%) e possibilitando os horários flexíveis (18%). Em contrapartida, a minoria dos entrevistados espera que as empresas ofereçam descontos e promoções aos consumidores (1%) e doações para apoiar compra de materiais para hospitais (2%).

“Estamos vivendo um momento delicado da nossa história e devemos prezar primeiramente pela saúde da população. Toda e qualquer outra decisão deve ser pautada no uso de dados e informações para que os resultados sejam os mais benéficos possíveis”, diz Valkiria.


Imagem: Fusion Medical Animation, 2020.

Sabemos que estamos passando por um momento difícil e preocupante. É preciso refletir e tomar os devidos cuidados com relação às comemorações, sermos empáticos e atentar para que a sua marca não se encontre numa bolha.

Em meio à pandemia do coronavírus, como trabalhar o endobranding e transmitir uma mensagem calorosa aos colaboradores que têm trabalhado remotamente?

Favorecer o trabalho flexível e oferecer suporte à sua equipe para o home office, segundo a pesquisa da Kantar, são alguns dos fatores mais esperados pelos brasileiros com relação às marcas – que elas realmente se preocupem com a saúde de seus funcionários.

Pensando nisso, numa situação em que as pessoas estão com o estresse e a preocupação à flor da pele num home office que não é comum, algumas empresas usam a criatividade para manter algumas tradições internas.

A BTO+, agência que oferece soluções em Live Marketing, Branding e RP, por exemplo, promoveu um Happy Hour à distância com a entrega de kits com petiscos e cerveja para funcionários em home office pensando na tradição da agência: sempre na última sexta-feira de cada mês se fazia um happy hour com o time para celebrar os aniversariantes do período. E durante a quarentena não seria diferente, afirmou a BTO+.

A agência enviou aos integrantes da equipe, que estão 100% em regime de home office, um kit do restaurante Riviera contendo petiscos (croquete de ossobuco) e uma cerveja artesanal. A entrega do kit “Happy Office Hour Happy Juntos” aconteceu por volta das 16h desta sexta-feira (27), para que, às 18h, todos possam manter esta tradição, mesmo à distância.

“A forma que a BTO+ atua com o seu time é sempre com um olhar positivo, trazendo proximidade e se preocupando com a união da equipe. Mesmo de uma forma diferente, estaremos todos juntos em nosso tradicional happy hour”, disse Natalia Reia, sócia-diretora da BTO+.

Desde o dia 16 o prédio de três andares da agência, localizado em Perdizes, está vazio. Todos os colaboradores da agência estão trabalhando 100% home office, inclusive no atendimento aos clientes.

Algumas atitudes, mesmo que simples, podem demonstrar carinho e empatia. Compartilhe com a gente as boas práticas das marcas para também inspirar profissionais e gestores!


COVID-19 E COLABORAÇÃO DAS MARCAS
Diante da pandemia do coronavírus (COVID-19), muitas marcas têm colaborado com serviços, informações e suporte para que os brasileiros possam enfrentar essa situação. O InfoBranding colabora com o compartilhamento destas ações e apoio das marcas AQUI.

MARCAS EM TEMPOS DE QUARENTENA
E para saber mais sobre as campanhas, ações e alternativas criativas que as marcas têm praticado para oferecer seus produtos e serviços, acesse AQUI. Afinal, ideias geram novas ideias para que as empresas busquem soluções criativas em tempos de crise sem deixar de priorizar a saúde de seus colaboradores. Compartilhe!

Campanha da Hershey’s, batizada de HerShe, faz uma brincadeira com os pronomes em inglês (Her e She) que significam ‘dela’ e ‘ela’, aproveitando a semelhança ao nome da marca.

Lançada em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, a campanha transforma a embalagem da barra de chocolate ao leite, a mais tradicional de Hershey’s, em uma galeria de divulgação do trabalho de musicistas, cantoras, ilustradoras, poetisas e escritoras e várias outras mulheres talentosas. Cada área de atuação recebeu um layout especial, totalizando 6 embalagens especiais, distribuídas em 30 mil barras do chocolate.

O trabalho, feito em parceria com a agência BETC/Havas, teve como objetivo promover e valorizar o talento feminino. E para potencializar a divulgação dos talentos, a marca vai publicar os trabalhos das artistas em suas redes sociais e canais digitais. A proposta de compartilhar a audiência de Hershey’s com as mulheres se estende também ao público final: outros talentos femininos poderão postar seus trabalhos com a hashtag #HerShe, podendo também serem replicadas nos perfis da marca.

“A mulher tem conquistado cada vez mais o seu espaço no mundo. Mas esse é um tema que jamais pode sair da pauta. E é muito bom trabalhar para uma marca que entende a importância de gerar conversa sobre isso, colocando na rua uma campanha que valoriza o talento feminino”, comenta Andrea Siqueira, diretora executiva de criação da agência.

Bruna Mendez e Yzalú, musicista e cantora, respectivamente, têm seus rostos estampados na embalagem ao lado de um dos pronomes acompanhados por um QR Code que possibilita que o consumidor acesse suas músicas pelo celular. Com os outros segmentos de artistas, os produtos apresentam diretamente as criações, como as ilustrações de Lole (Alessandra Lemos) e Ana Flávia, e os textos e poesias de Camila Lordelo e Luiza Mussnich, sempre com a assinatura de cada uma delas.

A valorização do trabalho de mulheres já faz parte da cultura da Hershey’s, que conta com 651 funcionários, sendo 52% do quadro formado por mulheres. “O Dia da Mulher é marcado pela luta das mulheres por seus direitos. É importante ter isso em mente no momento de compartilhar experiências com as nossas funcionárias para garantir que elas saibam que estão trabalhando em uma empresa que sabe o seu valor e acredita no seu potencial”, comenta Ana Costa, Diretora de RH da marca.


Quer saber mais sobre as artistas?

Ana Flávia: é ilustradora e tem como marca registrada as bochechas marcadas em seus desenhos.

Bruna Mendez: de Goiânia, Bruna divide seu tempo entre a música e os trabalhos com Publicidade e Propaganda. Participou da ocupação Pulso, numa equipe de 30 músicos e produtores em São Paulo. Antes disso, produziu o EP “pra ela”, com seis faixas que mesclam as influências que a artista buscou na MPB, bossa nova, samba, baião e rock. Em outubro de 2019, Bruna lançou o álbum Corpo Possível.

Camila Lordelo: Redatora, poetisa e sentidora. Trabalhou por 12 anos em agências de publicidade, até atender o chamado da alma: viver para sentir. Mora em São Paulo, vive na Bahia, e se derrama por onde passa. Desde muito pequena escreve poesia e desejava imensamente deixar a poesia mais próxima das pessoas, impressa nas suas rotinas, nas suas retinas, em seus corações. De uma peça criada para ela foram surgindo os primeiros pedidos. Amigos e amigos de amigos começaram a dar asas e casas as suas criações. Com o tempo, elas foram se aumentando, se espalhando, e se tornaram uma família de objetos que contam, mundo afora, tudo o que ela traz dentro de si.

LOLE (Alessandra Lemos): na vida real, Lole já foi diretora de arte em publicidade. Largou tudo para ser artista/ilustradora e morar de mala e cuia em Loleland. Hoje, vive sonhando.

Luiza Mussnich: Em 2016 lançou ‘Um dia o amor vai encontrar você’ pela editora ID Cultural e, em 2017, Microscópio, pelo selo Megamíni da editora 7Letras. Lágrimas não caem no espaço, também pela 7Letras, foi publicado em 2018. O conto Pêndulo, da Coleção Identidade, da Amazon Brasil, saiu em 2018. A série Para quando faltarem palavras, outro Megamíni, foi lançada em comemoração aos 25 anos da editora.

Yzalú: Cantora, compositora, violinista e intérprete brasileira. Foi pioneira ao utilizar o violão no rap no Brasil, por meio de releituras de clássicos do rap nacional. É a primeira artista no Brasil e a terceira no mundo a utilizar a sua deficiência física como ferramenta artística. Ela chamou a atenção ao interpretar a música Mulheres Negras (2012), composição do rapper Eduardo Taddeo, evidenciando a realidade das mulheres negras no Brasil. A música se tornou um símbolo do feminismo negro no país.

Apesar do novo logotipo ter sido apresentado em julho de 2016, ainda vejo algumas pessoas percebendo esta mudança. Mas, afinal, o que justifica essa atualização? Será que foi apenas um redesign para adaptar o logo ao contexto digital?

Não. Não foi apenas uma “simples” atualização da identidade visual.


FOCO NO DIGITAL

O novo projeto de identidade visual foi desenvolvido pelo estúdio de design Pentagram, trazendo simplicidade e clareza para a marca, além da otimização para o digital:

“O objetivo era transmitir simplicidade e modernidade, preservando a herança da empresa e o enorme valor da marca. A tecnologia digital é um segmento crescente dos negócios da Mastercard, e precisava de uma identidade que ajudasse a posicionar a marca como uma empresa de tecnologia voltada para as pessoas e voltada para o futuro. A nova marca foi projetada para funcionar perfeitamente em todas as plataformas digitais, canais de varejo e dispositivos conectados.” (Pentagram)

Imagem: Pentagram.
Imagem: Pentagram.

Segundo Raja Rajamannar, diretor de marketing e comunicações da Mastercard, “hoje, tudo envolve consumidores conectados, e o digital está no coração de possibilitar a eles praticamente tudo o que precisam fazer em todas as esferas de suas vidas”.


NO MORE CARDS!

Crédito, débito, transporte, convênio médico, refeição, carteirinhas e afins…  que sonho seria não precisar carregar uma variedade de cartões, não é? (Há quem goste… inclusive de moedas).

Pois bem. Soluções digitais já fazem as pessoas, principalmente em países mais desenvolvidos, necessitarem cada vez menos dos cartões físicos: as transações podem ser feitas simplesmente inserindo informações de pagamento ou pelo celular com a tecnologia NFC (como Samsung Pay, Apple Pay e Google Pay), além das soluções vestíveis (como pulseiras), que também permitem realizar pagamentos aproximando-as de uma máquina leitora.

E…?

É claro que a Mastercard, umas das marcas mais reconhecidas mundialmente, já estava atenta a todas as mudanças promovidas pela transformação digital há um bom tempo.

Segundo a companhia, a mudança do logo foi mais um passo na preparação da empresa para o momento em que os cartões não serão mais utilizados – a palavra “cartão” tende a cair cada vez mais em desuso (UOL, 2019).


POSICIONAMENTO DE MARCA

A Mastercard planeja ser vista como uma FINTECH (empresa financeira de tecnologia) e não simplesmente como rede de cartões de crédito. Já foram feitas mudanças na comunicação nos últimos anos – a Master agora se proclama uma “companhia de pagamentos digitais”.

Imagem: Mastercard, 2020.

E para iniciar a mudança da marca, uma pesquisa global levou 20 meses para garantir que as pessoas reconheceriam a empresa só pelo logo dos círculos – o número de pessoas que reconhecem espontaneamente passa dos 80%.

Lembre-se: o símbolo da marca vai além da representação visual para diferenciá-la no mercado. Quando o branding é trabalhado, utilizando-se do design de maneira estratégica, o logotipo, o símbolo e as cores transmitem uma série de associações intencionais construídas para a experiência do consumidor com cada ponto de contato da marca.

Desta forma, o design associado às estratégias de marketing e comunicação caminham para fixar o novo posicionamento de uma marca que já tinha nome e imagem consolidados no mercado.


FOCO NO USER EXPERIENCE

Muitos cargos dentro da empresa passaram a ser redirecionados pensando na experiência do consumidor.

Segundo Consumidor Moderno, Francine Cruz, Gerente de Produtos Digitais, afirmou que sua função na empresa vem mudando junto com o reposicionamento da marca: “Deixei de ser uma especialista em meio de pagamentos para ser especialista em UX (User Experience), com conhecimento do todo”. (CONSUMIDOR MODERNO, 2018)

A marca tem trabalhado junto de organizações privadas e do setor público para facilitar entrega de serviços variados que vão desde o pagamento de benefícios até o pagamento do ônibus.

Para se ter uma ideia da evolução deste serviço, o volume de pagamentos por aproximação da Mastercard cresceu 10 vezes em um ano, o uso em pagamentos de transporte público na cidade de São Paulo tem expandido e a empresa ainda prevê o lançamento de uma nova plataforma customizada para o cliente com inteligência artificial para 2020. (GAZETA DO POVO, 2020)


E a sua marca, tem pensado estrategicamente cada ação com foco na transformação digital e na experiência do consumidor ? Lembre-se: tudo isso não é sobre o futuro ou apenas para grandes marcas.


Referências:

Agência Pentagram.

Consumidor Moderno (2018).

Exame (2016).

Gazeta do Povo (2020).

UOL (2019).

No dia a dia acabamos utilizando sem questionar ou simplesmente acaba “passando batido” diversos termos que trazemos desde a nossa infância. Porém, alguns deles podem ter um significado jamais imaginado ou, pior, carregarem uma triste história.

Este é o caso do “criado-mudo”, um dos produtos da marca ETNA – referência no mercado de móveis, decoração, cama, mesa, banho, iluminação e utilidades domésticas – que, no Dia da Consciência Negra (20 de novembro), inicia um movimento que visa abolir o termo do vocabulário dos brasileiros e das varejistas do segmento devido ao seu significado.

A iniciativa, em parceria com a TRACYLOCKE BRASIL, agência global de shopper experience dos Grupos Omnicom/DDB e ABC, propõe uma reflexão sobre a data:

Historicamente batizado como “criado-mudo”, desde o tempo da escravidão, o móvel – um dos mais vendidos na maior rede varejista de decoração do Brasil – passará a ser chamado de “mesa de cabeceira”.

A mudança na ETNA já está acontecendo de forma gradual, até que todas as lojas físicas e site da marca se adequem a comunicação. Paralelo a isso, a ETNA convida outras empresas do segmento para colocarem em desuso o termo. Os fornecedores da varejista também serão convidados a excluírem a nomenclatura racista das embalagens, manuais e notas fiscais.

A proposta é extinguir o nome e criar um impacto no mercado varejista. Para isso, a TRACYLOCKE BRASIL criou uma campanha 360 e a hashtag #CriadoMudoNuncaMais para firmar esse compromisso.

“Pequenos gestos ajudam a transformar o mundo. Queremos mostrar com essa iniciativa que podemos, mesmo com fatos históricos, inspirar um pensamento e uma atitude diferente”, explica o CCO da agência, Rodolfo Barreto.

Para que o movimento alcance ainda mais pessoas, um filme será veiculado no ambiente digital mostrando pessoas reais contando a origem do nome do móvel. Elas foram convidadas a abrir a gaveta de uma mesa de cabeceira e ler uma carta. Ao terminarem, descobrem como algo que parece tão simples, mostra a realidade histórica sobre pessoas que foram escravizadas. A ideia é que as pessoas repassem o conteúdo a diante para que a ação tenha ainda mais impacto e o termo racista seja, de fato, excluído do vocabulário dos brasileiros.

“Acreditamos que essa campanha pode contribuir para uma reflexão e motivar outros movimentos de mudança como esse”, finaliza Karina Alfano, Gerente Executiva da ETNA.

Para que os clientes tenham acesso a esse contexto histórico e origem do tema, a marca criou uma página com informações completas: www.etna.com.br/criadomudonuncamais.

Estamos na era do trabalho colaborativo. Cocriação e compartilhamento são recursos-chave para alcançar resultados mais criativos e, claro, efetivos.

Seguindo este modelo de trabalho, a produtora boutique brasileira, Beautik, focada nos segmentos de beleza, moda e bem-estar, propõe um novo modelo de negócios no mercado audiovisual, empregando diversas disciplinas em um formato colaborativo e sem exclusividade, que já é tendência em outros países.

Sob o comando da produtora executiva Renata Tripoli e da diretora de cena Camila Simon, a produtora Girl Power conta ainda com a consultora de estilo Alexandra Von Bismarck.

O mercado exige cada vez mais agilidade e flexibilidade nos formatos tradicionais de trabalho. De que forma a Beautik propõe essa dinâmica no mercado audiovisual?
Conceito ‘Plug&Play’

A Beautik trabalha com um corpo de talentos que se adapta às diferentes demandas para atender com a excelência que os mercados de beleza, moda e bem-estar exigem. São profissionais como criativos, diretores de arte, diretores de cena e fotografia, fotógrafos, designers, stylists, beauty artists e outros parceiros que, juntos, oferecem soluções criativas e dinamismo necessário nesta época de transformação digital.

Modelo multidisciplinar

Produzir uma conversa com a velocidade da era digital requer um número maior de produções e demandam processos mais ágeis e com menores custos. Isso porque os anunciantes estão mais focados no potencial infinito de suas marcas na web e cada vez mais envolvidos com as produções, elegendo a transparência como o principal ativo de um novo modelo de mercado.

Colaboração

A partir deste conceito colaborativo nasceu a parceria com a produtora Casta Diva Beauty Buenos Aires. A Beautik passou a contar com seus diretores e com a capacidade de produção internacional da empresa e seus 14 escritórios presentes em 11 países. Além disto, a Beautik consolida seu formato multidisciplinar participando da produção da 9ª Mostra SP de Fotografia, evento que acontece durante o mês de julho na Vila Madalena, em São Paulo, e que gera reflexão sobre o uso do plástico, tema deste ano, através da fotografia e das mesas de conversas. A Beautik contribuindo para um mundo mais humano e sustentável.

“Acredito que vivemos em um momento de quebra de padrões, no qual saímos de um modelo de exclusividade que nos limita. Agora vamos rumo à era do compartilhamento e da união de esforços e expertises. Deixamos de ser individuais para nos tornarmos coletivos e colaborativos. A Beautik vem para consolidar um momento pautado pela liberdade de atuação e também pela confiança e transparência, pilares de um novo futuro”, resume a sócia e produtora executiva Renata Tripoli.

Foto: Camila Simon e a Renata Tripoli

No dia 10 de novembro, a Belas Artes recebeu a segunda edição do evento Brand & Design Management (BDM). O encontro de 2018, que teve como tema central a Transformação Digital, foi organizado pelo InfoBranding, marca que nasceu para descomplicar o branding e tornar acessível a inteligência na gestão de marcas.

No BDM 2018, renomados palestrantes mostraram como a marca, o design e a gestão podem, juntos, criar valor para as pessoas e para os negócios na cultura digital.

O evento foi apresentado por Márcia Auriani (executiva de Branding, coordenadora de cursos de pós-graduação da Belas Artes e cofundadora do InfoBranding), que abriu o evento contando um pouco sobre a história do InfoBranding, o portfólio de cursos e o novo layout do portal.

A primeira palestra foi apresentada por Luciano André Ribeiro (superintendente middle market do Itaú Unibanco), que compartilhou suas experiências e mostrou como manter o propósito da marca no cenário digital, em meio à diversidade, inovação e humanização.Em seguida, a palestra “Criatividade no contexto da Transformação Digital” foi apresentada por Charles Caan (CEO do Caan Creative Studio que inclui em seu portfólio clientes como Disney, Marvel, Warner e DC Comics).

Falando sobre o case da Caan, Charles mostrou como a tecnologia facilitou a comunicação, ampliou o alcance da divulgação de portfólio e possibilitou o acesso a grandes marcas de maneira efetiva.Após a contextualização das marcas e do design no mercado atual, passando pela importância do propósito e da necessidade de facilitar o acesso dos potenciais clientes aos produtos/serviços oferecidos num cenário marcado por constantes transformações, Vanessa Carvalho (jornalista, produtora audiovisual e editora de conteúdo para redes sociais) falou sobre a “Gestão Estratégica da Presença Digital”.

Ao falar sobre presença, Vanessa reforçou a ideia de que é preciso “estar bem” onde você se propôs a estar, com maturidade, estratégia e coerência na comunicação.Depois, os palestrantes debateram os principais assuntos em uma mesa redonda mediada por Gabriel Meneses (gestor de Branding, Design e cofundador do InfoBranding).“O mundo é digital, e você?” foi o tema de Eduardo Endo (diretor dos MBAs da FIAP e Gestor de Tecnologia e Inovação), sobre a relação do mundo digital e as pessoas.

Endo compartilhou sua trajetória acompanhando a evolução da tecnologia, discorreu sobre as mudanças do mundo, do comportamento e a importância das marcas se atentarem à geração Z.Na sequência, Carlos Piazza (Darwinista Digital, professor, autor e escritor que ajuda empresas, pessoas e alunos a compreenderem em essência o mundo digital) trouxe sua perspectiva sobre “User Experience e Transformação Digital”, abordando sua visão e insights sobre a 4ª Revolução Industrial.Por fim, o BDM 2018 contou com a palestra “Branding, Design e Transformação Digital: O desafio de gerar valor para os negócios” por Marcelo Trevisani (CMO e líder do Marketing Studio na CI&T).

Trevisani fez uma comparação entre as marcas mais valiosas de 2007 e 2017, onde vimos a ascensão de empresas de tecnologia, confirmando a influência digital na vida das pessoas. E ainda mostrou como o mercado evoluiu da velha economia para a nova, substituindo conceitos como firma, plano de negócios, missão; por startup, MVP e propósito.Brand & Design Management – Transformação Digital teve a curadoria da equipe InfoBranding – Marcia Auriani, consultora em branding, palestrante e coordenadora de pós-graduação; Gabriel Meneses, designer, especialista em branding e gestão empresarial; Amanda Higa, designer especialista em branding, gestão do design e design thinking; e Leticia Ikeda, arquiteta especialista em branding, inovação e tendências.

O InfoBranding agradece a todos os palestrantes, colaboradores e também aos parceiros: Chris Colino e Thays Lins pela facilitação gráfica das palestras; aos patrocinadores: Gráfica Cartex, responsável pela confecção dos materiais do evento, Panificadora Cepam, pelo fornecimento do coffee break que permitiu o networking entre os participantes, CAAN e G Produtos Promocionais; e também aos apoiadores: Belas Artes, ADG Brasil, ABRADI-SP, EBS, Rocket e Ideafixa!

Facilitação gráfica das palestras por Chris Colino e Thays Lins