Category

Comportamento e Consumo

Category

É tempo de mudanças, mas como mudar sem saber o que vem pela frente?  Começamos de dentro para fora

Tem que parar, tem que seguir, tem que mudar… O que, afinal de contas, temos que fazer em um período como esse que estamos vivendo? Naturalmente que cada caso é um caso e, mais do que isso, não existe uma fórmula mágica para um cenário tão imprevisível. Mas eu acredito que é tempo de fortalecimento das marcas.

Uma vez que tudo desacelerou para alguns setores, essa é a chance de dar aquela geral na casa que sempre é adiada. Investir tempo e dedicação ao cuidado da empresa para que ela não se perca nesse momento e nem perca o fôlego no retorno. Se preparar, de verdade.

Vamos imaginar que você foi convidado para dar uma palestra, por exemplo. Existem alguns preparativos para esse dia: entender qual será o público, definir a mensagem que pretende passar, ensaiar o discurso, escolher a roupa adequada, reservar a agenda… Um verdadeiro ritual que envolve entender e atender a intenção daquela ocasião. Pois o retorno pós-quarentena é esse evento para a sua marca. E o agora é a fase de preparação.

Então, nossa proposta é olhar para o que você construiu até hoje e detectar pontos fortes e fracos. Ouvir as pessoas envolvidas – de todas as áreas, inclusive – para captar insights, percepções e avaliações. Revisitar valores, questionar propósitos e ajustar posicionamento de acordo com a sua verdade.O mundo evolui, as pessoas evoluem também e mudam seus hábitos e desejos. É por isso que percebemos que a busca por marcas mais interessantes e com propósito bem definido é cada vez maior. Queremos empresas que entreguem valor e uma experiência positiva, com relevância em nossas vidas.

Valem perguntas como: de que maneira queremos ser lembrados? Nossas crenças e ações estão em sintonia? O que oferecemos gera valor na vida das pessoas? Mais do que isso: estou olhando para essas pessoas? A identidade visual transmite e conecta tudo isso?

Olhar para fora também é importante, claro. Estamos todos mudando a forma como vivemos, nos relacionamos, consumimos, e isso irá impactar diretamente no mercado. Estar atento a essas evoluções ajuda a marca a entender e responder da melhor forma a essas transformações. Mudar envolve mexer em estruturas previamente definidas e aparentemente sólidas. Isso significa tempo, dedicação, discussões, novas estratégias (de marca e comunicação). Mas significa, acima de tudo, coragem, principalmente em um cenário tão incerto como o que estamos vivendo.

Não sabemos o que nos espera, mas se estivermos em sintonia com a nossa verdade, papel e entrega, seguiremos fortalecidos, com a confiança necessária para as oportunidades que vierem pela frente. Quer mudança? Comece agora.


Daniel Faulin de Lima: Designer, Criativo e Observador. Iniciei minha jornada no design em 2009 pelo SENAC no curso de Interface Digital, após essa temporada fiz extensão em Gestão de Marcas pela ESPM e outros cursos na área de branding, identidade de marcas, design thinking, redação e comunicação. Atualmente sou sócio e diretor de projetos da Neurona Marcas Inteligentes, desde 2009, gerencio todos os projetos de branding, identidade de marca e comunicação das empresas B2B que buscam obter resultados eficientes e criativos em suas estratégias de marca.

Pesquisa – algo essencial para a construção e manutenção de uma marca. Seja no início do trabalho para a sua implementação, no desenvolvimento ou redirecionamento de campanhas,  ou até no caso de um reposicionamento de marca, a pesquisa é ferramenta imprescindível para uma entrega assertiva.

A Genomma Lab Brasil, multinacional farmacêutica responsável por marcas como Asepxia, Cicatricure e Pointts, realizou duas pesquisas nacionais, uma relacionada a crenças e hábitos frente à gripe e outra sobre como o clima afeta a incidência da gripe em diferentes regiões do país para o lançamento de um novo antigripal no mercado.

A campanha conta com exibições de uma versão nacional e 16 versões regionais para diferentes cidades: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Santos, São José dos Campos, Uberlândia, Salvador, Recife, João Pessoa, Teresina, Curitiba, Florianópolis, Porto Alegre, Belém, Manaus, Goiânia e Brasília. Cada um dos filmes de 30″ regionais contou com apresentadores dos telejornais locais, responsáveis por apontar as previsões do tempo e lembrar de algumas ações e cuidados combinados para o combate à gripe.

Pesquisas para campanha personalizada em 16 regiões do Brasil

A campanha de lançamento foi definida a partir de um estudo quantitativo de comportamento, crenças e hábitos, realizado pela IQVIA, para entender de que forma os consumidores lidam com a gripe em cada região do país. A maioria das pessoas entrevistadas, por exemplo, afirmou utilizar-se de outros métodos para o alívio dos sintomas, além da ingestão de um medicamento antigripal.

A empresa também encomendou uma pesquisa para o Climatempo, a fim de compreender o comportamento dos quadros virais em determinados meses do ano. Para isso, foram levantados elementos climatológicos como temperatura, precipitação, vento, umidade e pressão do ar, bem como suas variações rítmicas e sazonais, indicando como isso pode interferir no aumento da propagação do vírus de gripes, resfriados e de problemas respiratórios. Nesse estudo, entendeu-se que, em muitas regiões, a gripe está conectada a variação de temperatura mais do que com o inverno, as massas polares e o clima seco, em certas épocas, propiciam maior incidência de sintomas em cada região.

Já a pesquisa “U&A (Usage and Attitudes) Gripe e Resfriado”, conduzida pela IQVIA, utilizou uma amostra total de 783 pessoas que ingeriram medicamento para tratar os sintomas de gripe/resfriado nos últimos 12 meses, entre homens e mulheres de 18 a 64 anos, classes ABC, moradores das regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul.

Em um quadro geral, a pesquisa demonstrou que a ocorrência de gripe e resfriados é relatada, em média, 3 vezes por ano e que 75% desses entrevistados tomam muita água quando estão gripados; 60% relatam que costumam beber muito chá, 47% utilizam spray nasal e pastilhas para a garganta, 39% tomam mel, 33% ficam deitados e em repouso e 23% utilizam própolis. Importante reiterar que são hábitos sempre atrelados ao uso de algum medicamento. Em todas as regiões brasileiras, a maioria dos entrevistados se automedica, e caso o remédio não faça efeito, eles procuram por um médico.

Pesquisa recente da Kantar, consultoria e líder global em dados e insights, revela que duas atitudes são importantes para os brasileiros com relação às marcas diante da pandemia do coronavírus: serem exemplos e liderarem a mudança; e serem práticas e realistas.


O complexo cenário atual, marcado pela pandemia do COVID-19, impacta o mundo nos aspectos econômico, social e até ambiental, fazendo com que muitas pessoas passem a refletir sobre seu comportamento de consumo, suas relações com a tecnologia e, inclusive, sua forma de contribuir e se relacionar com a comunidade.

Neste contexto, as marcas também passam (e devem) refletir sobre que tipo de comunicação utilizar e como devem agir. Afinal, não apenas seus consumidores, mas também colaboradores e demais stakeholders esperam um posicionamento das marcas, empatia e uma real preocupação com o ser humano num momento marcado pela insegurança e pelo medo.

Uma pesquisa da Kantar, realizada com 500 entrevistados de forma online entre os dias 13 e 16 de março, revelou que o coronavírus já preocupava 80% dos brasileiros. E quando questionados com relação ao tipo de publicidade em que as marcas brasileiras deveriam continuar investindo, mais de 80% dos entrevistados concordaram completamente que elas devem comunicar seus esforços para enfrentar a situação e sobre como podem ser úteis nesse novo dia a dia, assim como evitar explorar a situação do coronavírus para promover suas marcas.

O que os entrevistados esperam com relação ao posicionamento das marcas no Brasil?

  • Que sirvam de exemplo e guiem a mudança (25%)
  • Sejam práticas, realistas e ajudem consumidores no dia a dia (21%)
  • Ataquem a crise e demonstrem que ela pode ser derrotada (20%)
  • Usem seu conteúdo para explicar e informar (18%)
  • Reduzam a ansiedade e entendam as necessidades dos consumidores (11%)
  • Sejam otimistas e pensem de formas não convencionais (3%)

Segundo Valkiria Garre, CEO de insights na Kantar Brasil, “Por ser um momento sensível, mensagens podem ser mal interpretadas, conteúdos podem gerar desserviços e peças criativas podem estimular o sentimento errado. Ainda assim, as marcas devem continuar investindo de forma estratégica para conseguir crescimento a longo prazo.”

Quais atitudes os consumidores esperam das empresas como organizações?

Ainda segundo a Kantar, na opinião dos brasileiros o mais fundamental nesse momento é se preocupar com a saúde de seus colaboradores, higienizando os locais de trabalho (67%) e possibilitando os horários flexíveis (18%). Em contrapartida, a minoria dos entrevistados espera que as empresas ofereçam descontos e promoções aos consumidores (1%) e doações para apoiar compra de materiais para hospitais (2%).

“Estamos vivendo um momento delicado da nossa história e devemos prezar primeiramente pela saúde da população. Toda e qualquer outra decisão deve ser pautada no uso de dados e informações para que os resultados sejam os mais benéficos possíveis”, diz Valkiria.


Imagem: Fusion Medical Animation, 2020.

Atualmente, quase tudo o que fazemos precisa ser em pouco tempo. Quando queremos falar com outras pessoas ou empresas queremos que seja tudo muito rápido, e vou além, queremos centralizar a maior parte das nossas tarefas em poucas plataformas. Pensando nisso, quando falamos em cliente/consumidor, o contato precisa, agora mais do que nunca, ser rápido e eficiente, além de, se possível, em um único canal.

Você deve estar se perguntando: mas com tantas opções, por que tentar centralizar? Pelo simples fato de ter a sensação de que é uma conversa contínua. Pode parecer que não, mas em uma época onde as pessoas não querem perder tempo, parar para explicar um histórico é considerado um desperdício do mesmo e incomoda o consumidor. Segundo o Relatório Zendesk de Tendências da Experiência do Cliente para 2020, 68% dos clientes ficam irritados quando suas chamadas são transferidas entre departamentos.

Além disso, segundo o mesmo relatório, mais de 70% dos clientes esperam que as equipes das empresas colaborem entre si. O que isso quer dizer? Que a colaboração entre equipes é um elemento essencial para o sucesso de das empresas. As equipes de vendas e suporte precisam trabalhar em parceria para trocar o maior número de informações sobre interações antigas dos clientes com as mais recentes. É natural que as empresas ofereçam cada vez mais canais de comunicação e isso não é um problema – o ponto crucial aqui é conectar dados para fornecer uma experiência cada vez melhor para quem está do outro lado.

Acredito que essa troca de informações e principalmente a maneira de interagir com o cliente seja o maior desafio no momento. Até porque, além dos canais que as empresas já disponibilizam, algumas pessoas esperam que o mercado se adapte e adicione às suas ferramentas de comunicação todos os canais novos. Aliás, acredito que lidar com essa expectativa seja o maior desafio. Por isso é tão importante conectar as equipes e mais uma vez: os detalhes estão nos dados. Com uma comunicação rápida, alinhada entre setores e de acordo com os canais de escolha dos clientes, as chances de ter um cliente satisfeito com o atendimento, que aprove a experiência oferecida e seja fidelizado pela empresa é certa.


Adriano Ribeiro: especialista em Inovação e Empreendedorismo pelo Stanford Center for Professional Development e sócio da Kiddo, consultoria de design de customer experience especializada em construir para empresas jornadas únicas para o contato do cliente com a marca. A Kiddo tem foco em tecnologia e design de usabilidade, construindo caminhos para o relacionamento do público com as empresas visando a fidelização, conversão e métricas de atendimento e retenção.

Com o aumento da expectativa de vida no Brasil, cresce de maneira rápida aos olhos do mercado publicitário o denominado ‘Silver Market’, que atende à faixa da população com mais de 60 anos.

Não é por menos. O número de adultos brasileiros com 65 anos de idade ou mais cresceu 26% entre 2012 e 2018, ao mesmo tempo em que a população de até 13 anos recuou  6%, mostram dados da pesquisa “Características Gerais dos Domicílios e dos Moradores 2018”, divulgada recentemente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo projeções do mesmo IBGE, no ano de 2050, a parcela de idosos será de 63 milhões de pessoas no país. Para termos de comparação, em 1980 havia 10 idosos para cada 100 jovens. Em 2050, serão 172 idosos para cada 100 jovens, já que a esperança de vida no Brasil cresce exponencialmente desde a década de 50.

Assim, ao ligarmos a TV, ao folhearmos revistas ou mesmo ao navegarmos pela internet, é comum vermos mais e mais propagandas com idosos como protagonistas. Um dos cases de marketing mais relevantes do setor nos últimos anos  é o crescimento assombroso da marca Prevent Senior, plano de saúde privado dirigido a mais velhos com preços menos exorbitantes do que os praticados por operadoras que há anos dominavam o mercado. A marca Prevent Senior, que em seus spots publicitários, batizou os idosos de ‘adultos +’, tem agora até quiosques nos shoppings mais badalados de São Paulo para atrair mais e mais consumidores.

Recentemente, também em São Paulo, aconteceu o ‘Fórum da Longevidade’, evento com palestrantes e expositores, permeado por ações estratégicas para que empresas dos mais variados setores apresentem diretamente ao público de idosos suas propostas em produtos e serviços para estimular e promover a longevidade saudável e ativa.

E para quem acha que ser ‘influencer’ é coisa de gente millenial, não é bem assim… O mercado de influenciadores sênior está começando, lentamente, a dominar as antes temidas ferramentas digitais para dar voz a canais de conteúdo. No exterior, celebrities como a fashion icon Iris Apfel, de 94 anos, e a acadêmica Lyn Slater, com 63, tornaram-se cases emblemáticos de instagrammers que quebram paradigmas de idade no mercado das redes sociais. No Brasil, a moda está começando a pegar e a consultoria de marketing de influência Squid, já identificou em sua base cerca de 65 micro-influenciadores com mais de 54 anos, enquanto a Hype 60+, especializada em longevidade, mapeou cerca de 50 influencers sênior no país.

Os empresários e startups também se aproximam do ‘silver market’ com sede de boas experiências e sucesso. De olho nas necessidades desta faixa etária mais velha, porém cheia de expectativa de vida, a publicitária Valéria Lazzarini, de 37 anos e seu irmão, o médico de família Dr. Mauricio Lazzarini, de 42, lançaram a plataforma CuidaSenior, que otimiza um contato inicial entre os cuidadores de idosos e seus contratantes.

O app, compatível com os sistemas operacionais IOS e Android, funciona intermediando a contratação de cuidadores, em plantões de 6h, 12h ou 24h para ambientes domiciliares ou hospitalares – sem a necessidade de um contrato longo mensal, como nas agências. Estes profissionais irão ajudar os idosos nas atividades básicas de um cotidiano de autocuidados como: alimentação, idas ao banheiro, vestir roupas, higiene pessoal, banho, apoio no andar e auxílios com cadeiras de rodas.

A Vitus Longevidade também chega ao mercado como uma novidade e tanto para os idosos brasileiros e suas famílias. Trata-se de um serviço pioneiro de concierge para a Terceira Idade com atendimento às necessidades básicas e especiais em domicílio. Através da Vitus, as famílias que não têm tempo e energia para cuidar de seus parentes mais velhos irão terceirizar este serviço por meio de um profissional que irá contratar desde enfermeiros, até cuidar das contas e lista de compras na residência desses idosos.

E não há dúvidas de que envelhecer será cada vez menos uma tarefa dura e cansativa, se depender da vontade dos cientistas. No exterior,  startups e pesquisadores acadêmicos vêm desenvolvendo parcerias arrojadas de olho na parcela da população mais idosa. A telemedicina caminha a passos adiantados e a tendência é que cada vez mais, pelo menos para assuntos menos graves, tudo seja resolvido por uma consulta à distância. Com um prontuário em mãos, o médico ajuda os pacientes a resolverem problemas de baixa complexidade.

Bengalas e andadores também podem, em breve, virar coisa do passado. Empresas estão trabalhando em trajes robóticos que podem aposentar de vez acessórios convencionais de locomoção dos idosos. Eles consistem em uma espécie de exoesqueleto que possibilita que os mais velhos, a partir de um pequeno impulso elétrico, possam se movimentar com facilidade.

Doenças debilitantes como o Mal de Parkinson, por exemplo, também vêm contando com uma mãozinha do mercado silver para que seus impactos sejam atenuados. Já existem lá fora soluções tech para lidar com os tremores que causam diversos incômodos aos acometidos pela doença, inclusive na hora de comer. Um dos talheres é o norte americano Lyftware e o outro é o chinês Gyenno, que custam cerca de US$ 200.

Até o gigante Google também quer dar uma força para toda uma população idosa que sofre com a diabetes. Por isso, trabalha com uma patente que promete medir a glicose através de lentes de contato. Em vez do sangue, estas lentes analisariam a lágrima do doente e enviariam o resultado do nível de glicose para um smartphone.


Por Vanessa Kopersz Ming, 45 anos, jornalista e publicitária, CEO da assessoria de imprensa TYPE.

Imagem de destaque: Daniele Levis Pelusi

Imagem: Ben Sweet/Unsplash

Todo empresário e gestor empresarial sonha e almeja saber exatamente o que os consumidores esperam de sua marca. Com as facilidades geradas pela tecnologia e o aumento do acesso à informação, o consumidor passou a ser mais exigente e bem informados sobre as ofertas, produtos e organizações. Este consumidor do século XXI também é conhecido como consumidor 4.0.

O consumidor 4.0 quer proximidade. Ele quer fazer parte da marca e ser compreendido. Não apenas consumir um produto, mas sim, vivenciar e se sentir abraçado por ele. Os consumidores não querem mais apenas ter relações comerciais, mas, também, encontrar uma espécie de “braço amigo” nas marcas.

Para que as marcas consigam atender as expectativas dos consumidores, o caminho é árduo e merece atenção dos empresários. Quanto mais a empresa divulgar o seu real DNA e o propósito, mais os consumidores vão se conectar naturalmente. Assim, é possível alcançar o seu real público, aquele que tem a mesma essência da marca, que busca o mesmo sentido. Quando a empresa consegue se conectar deste maneira com seus consumidores, as expectativas tornam-se realidade, e passamos a ter advogados de marca. Ou seja, mais do que consumidores, eles compram e defendem aquilo em que acreditam em todos os lugares. Por exemplo, muitos consumidores dizem preferir marcas que lutam por causas sociais relevantes na sociedade atual. Este fato foi comprovada pela pesquisa realizada pelo Ipsos Global Reputation Center, que apontou que cerca de 82% dos consumidores preferem marcas que invistam e contribuam para um mundo melhor.

Hoje em dia, é comum ver marcas querendo agradar os consumidores, com produtos e serviços totalmente inovadores. Mas, muitas vezes, a inovação está ligada a valores simples, como pensar no bem-estar e conforto dos seus consumidores e em maneiras de facilitar a vida dos clientes. Não necessariamente deve abranger só a tecnologia avançada para compra. Isso também é importante, mas deve-se pensar como cliente e se colocar no lugar dele, isso é o que fará a diferença daqui pra frente.

Para finalizar, acredito que a empatia é a peça chave para um relacionamento de sucesso, porém, não é do dia para a noite, isso se constrói com o tempo.


Maka Werner: empresário e consultor de gestão de marcas e gerenciamento de projetos de marketing e design, e facilitador na metodologia Lego® Serious Play® no Brasil.

De acordo com a Criteo S.A. (NASDAQ: CRTO), plataforma de anúncios para a Internet aberta, o Dia das Mães de 2019 deve seguir tendências parecidas com o registrado em 2018. Na ocasião, as categorias mais impactadas foram Moda, Artigos para Casa e Grandes Varejistas que registraram, respectivamente, alta de 27%, 17% e 11% nas taxas de conversão, cerca de 14 dias antes do evento.

“Estamos próximos de uma das datas mais importantes para o varejo no primeiro semestre e uma boa estratégia será fundamental para aproveitar todo o seu potencial. Para essas duas semanas que antecedem é importante investir na otimização dos canais mobile, em ferramentas de produtos patrocinados, retargeting e anúncios paid display para impactar o cliente no momento certo, gerando conversão. Lembrando que o ideal é traçar estratégias omnichannel que acompanhem o consumidor por toda a jornada de compra. Outra dica importante é pensar naquele consumidor que vai acabar deixando para comprar o presente na última hora”, explica Alessander Firmino, diretor geral da Criteo para o Brasil e América Latina.

Tendências para as principais categorias

Este ano, a categoria Moda deve atingir o pico de vendas online na semana que antecede o Dia das Mães. Em 2018, as vendas aumentaram 23% nos quatro dias antes da data, em comparação com a média registrada em Abril. No fim de semana da comemoração, o tráfego e as vendas tiveram queda de mais de 25%.

Artigos para Casa deve registrar um grande impacto nesta edição, já que produtos desta categoria tendem a ficar entre os mais populares para presentear. No ano passado, as vendas online tiveram seu ápice nos quatro dias anteriores à celebração, com aumento de mais de 50% em comparação com a média de abril. Cinco dias antes do evento, o tráfego cresceu 21%.

Grandes Varejistas devem se preparar para picos de vendas antes e depois da data. Na última edição, houve aumento expressivo de vendas quatro dias antes, com crescimento de 22% se comparado à média de abril. Mas logo após o evento, as vendas aumentaram 46%, alcançando seu ápice.

Metodologia 

As tendências para o Dia das Mães foram identificadas pela Criteo por meio da análise das transações online de 82 dos principais anunciantes do Brasil. Foram analisadas mais de 8,3 milhões de vendas concluídas em desktops, smartphones e tablets.

A pesquisa Global Consumer Insight Survey 2018, que define tendências e características de consumo em 27 países, indica que 21% dos brasileiros realizam compras online semanalmente, maior índice registrado desde 2014 pela consultoria PricewaterhouseCoopers (PwC). Isso reforça que o consumo por meio da internet vem crescendo ano a ano. Em paralelo, há outras tendências no consumo, como o recente crescimento das lojas físicas.

Ao todo, a PwC entrevistou 22 mil pessoas entre agosto e outubro de 2017. No Brasil, o único da América Latina entre os analisados, foram 1.001 entrevistados. 41% dos respondentes fazem uso de celulares para suas compras, sejam elas diárias, semanais ou mensais. Nos tablets, são 30% e, nos computadores, 58%. Para Alexandre Horta, diretor da PwC Brasil, o aumento na demanda por produtos pela internet demonstra a melhora na oferta por parte dos varejistas. Além disso, há um amadurecimento na oferta e um aumento no número de players no mercado, o que ajuda no aumento da confiança nas compras online.

Em uma análise das quatro principais características do consumo no Brasil em 2018, segundo a PwC, observamos que:

Compras via mobile cresceram, mas lojas físicas também registram novo crescimento

A PwC dividiu a experiência de compras em quatro canais: lojas físicas, computadores, tablets e mobile (celulares). Destas, entre 2016 e 2017 apenas mobile teve aumento na frequência de compras dos usuários, de 30% a 31%; as demais apresentavam quedas crescentes desde 2015. Porém, isso mudou nos dados de 2018: todas as divisões tiveram aumento da frequência de compras pelo consumidor, com destaque para as lojas físicas, que são um canal de consumo para 61% dos respondentes. Um grande exemplo é o investimento em lojas físicas pela Amazon e a Alibaba mediante parcerias com outras redes.

Otimismo faz crescer intenção de compras

O brasileiro está mais confiante em relação à economia do país e isso é perceptível pela sua intenção de compra. 70% dos entrevistados dizem que esperavam manter ou aumentar seus gastos em 2018, ao passo que 77% esperavam que a economia brasileira se mantivesse estável ou melhore neste período. Horta acredita que estamos saindo de um processo de recessão de pouco mais de três anos e destacou que em escala global o mundo viveu em recessão entre 2008 e 2014, ou seja, faz quatro anos que o mercado tem evoluído. No Brasil, foi preciso apenas um ano após o período crítico para que as pessoas já se tornassem mais otimistas, enquanto norte-americanos, por exemplo, ainda estavam cautelosos.

Gastos com produtos e experiências são iguais

Considerando a renda disponível para os respondentes, eles afirmam investir o mesmo montante em produtos e experiências. No Brasil, esta taxa é de 50% para cada opção, sendo que, em escala global, as pessoas destinam 55% para os bens físicos. A prioridade dos brasileiros na hora de investir em experiências está em gastar seu dinheiro em ações individuais, o famoso “tempo para mim mesmo”. 37% dizem que este é o motivo pelo qual fizeram este tipo de investimento.

Em todas as categorias de produtos, o consumo do brasileiro aumentou

Se o brasileiro consome mais online, ele o faz em todas as categorias analisadas pelos pesquisadores. Comparando os dados de 2018 com os de 2014, o número de consumidores que fizeram todas ou a maior parte de suas compras via internet subiu 16% em vestuário e calçados, livros, músicas, filmes e videogames. A internet, aliás, é a principal fonte de compras para 34% dos que consomem livros, músicas, filmes e videogames e para 27% dos que compram equipamentos eletrônicos. Nas outras categorias, a preferência pela compra online é: saúde e beleza (24%), vestuário e calçados (22%), móveis e utensílios domésticos (18%), equipamentos esportivos (18%), brinquedos (16%), eletrodomésticos (19%), joias e relógios (15%) e alimentos (13%).

Considerando a oferta variada de serviços, vemos o desempenho do franchising nacional, que possibilita ao consumidor uma ampla carteira de lojas e tipos de serviços. Há diversos formatos de lojas, seja em pontos de rua, em quiosques, ou mais alternativos como postos de gasolina. Essa diversidade tem impulsionado a retomada econômica do setor, o que possibilitou um crescimento de cerca de 7% do faturamento em 2018, grande parte por inovação no setor e a melhora no índice de confiança que cresceu 94%.

Para 2019, a expectativa é de crescimento de até 10% no faturamento. Neste movimento de crescimento e diversidade de modelos de negócios físicos e digitais, temos como exemplo o Grupo Acerte, com a Quality Lavanderia e Laundry 4 You, redes de lavanderias com diferenciais alternados. A Quality Lavanderia é especialista na limpeza de roupas especiais, enxoval de bebê, peças finas, peças delicadas, itens da casa, com planos, serviço de delivery e outros serviços que atendem as necessidade da família. Já a Laundry 4 You é um modelo para condomínios, dedicado à limpeza express de roupas do dia a dia com gerenciamento 100% online via aplicativo, substituindo  o uso de fichas por cartões individuais RFID. Seja online ou física, há ótimas experiências de consumo de serviços, acompanhando os diferentes comportamentos dos consumidores brasileiros.


Danielle Denys: gerente de marketing do Grupo Acerte, detentor das marcas Quality Lavanderia, Prima Clean Lavanderia Express, Laundry 4 You Lavanderia em Condomínios, Inova Lavanderia Industrial e Linha e Bainha Costuras.

Os vídeos verticais invadiram a nossa vida. Se liga no meu raciocínio.

Reparem nas praças de alimentação

Essa semana eu fui comer com a minha esposa no Park Shopping São Caetano, no recém-inaugurado restaurante TACO BELL *. Enquanto estávamos na mesa, eu observei que todas as TVs dessa loja estavam na posição vertical. Isso não é normal? Não! Em todos os outros casos, as TVs são aplicadas aleatoriamente na posição horizontal e vertical, esse foi o único caso em toda praça de alimentação. Será uma tendência? Será que essa rede foi a primeira do País a utilizar apenas o formato vertical?

* Para quem não conhece, a TACO BELL é uma das maiores redes de fast-food dos Estados Unidos.

Uma pesquisa recente da We Are Social, líder mundial em mídias sociais, mostrou que o acesso à internet por meio de telefones celulares tornou-se a principal modalidade de navegação. Tá, o que essa informação tem a ver com a minha TV? Isso demonstra uma revolução na maneira que estamos consumindo informação. Se ligou?

Smartphone Concierto GIF - Find & Share on GIPHY

Já faz algum tempo que estamos vivendo essa mudança: As pessoas estão produzindo seus vídeos na posição vertical e esse pequeno gesto, mudou totalmente a maneira como elas também estão consumindo as informações. As marcas já se ligaram nessa tendência.

A Netflix já está produzindo vídeos verticais na versão mobile, isso é um fatooooo. 😉

20% das visualizações da Netflix vem dos dispositivos móveis, 50% de todos os membros utilizam o seu celular para acessar o serviço a cada mês, esses números só crescem.

Nas redes sociais este formato é “antigo” , e os dados provam que essa realidade chegou pra ficar:

  • As pessoas estão com seus celulares na posição vertical cerca de 94% do tempo. (Fonte: Relatório de Visão Geral do MOVR Mobile)
  • Os anúncios verticais são vistos 9 vezes mais que vídeos de horizontais no Snapchat. (Fonte: Snapchat)
  • São milhões de selfies, vídeos e fotos filmados na vertical todos os dias.

Na internet, existem vários cursos sobre “como editar vídeos verticais” ou como “produzir vídeos nesse formato.”

Já tem até cursos online que estão sendo apresentados nesse formato, exemplo do Murilo Gun, por sinal um cara que eu curto muito! 😉

Existem também várias produções de cinema e até festivais de filmes verticais, por exemplo na imagem abaixo o “Vertical Film Festival”

Clique aqui saber mais detalhes!

Se nos aprofundarmos, com certeza encontraremos mais detalhes sobre essa nova forma de consumirmos os conteúdos, precisamos observar esses pequenos detalhes e ampliar a nossa visão.

As marcas precisam entender as mudanças que chegaram para ficar, as pessoas já mudaram seus hábitos e esse gesto já faz parte da rotina de muita gente.

“O nosso desafio é nos mantermos cada vez mais atualizados sobre os novos hábitos desse consumidor moderno “.

Harrier Landing GIF - Find & Share on GIPHY

Aterrizando para concluir a minha reflexão:

Eu acredito que a minha próxima TV ainda não será vertical rs, assistir um filme com a TV na horizontal é muito mais agradável em vários sentidos. Mas, acredito que a minha e talvez a sua próxima televisão, em breve tenham algum suporte articulado que nos permita mudar a posição de acordo com a nossa utilização/necessidade. Com certeza não será só uma TV!

É isso, vamos compartilhar cada vez mais nossas observações e reflexões desse mundão que está mudando rapidamente.

Grande abraço 😉


André Luis Corrêa: Sócio/Fundador e diretor de branding da INSANE Estratégia e Comunicação, idealizador do projeto Marcaz. (@marcaz_oficial). Publicitário, estrategista de marca, pós-graduando em comunicação empresarial pela universidade metodista. Atual vice-presidente de Comunicação da AACP (Associação das Agências de Comunicação e Publicidade do ABC). Amante e estudioso pela construção/gestão de marcas, busca democratizar o branding para pequenas e médias empresas. A sua palestra atual: “Penso, logo não existo sem uma marca” já passou por alguns estados brasileiros e o seu último workshop: “Descoberta ao branding”, continua sendo aplicado para empreendedores, profissionais de comunicação, marketing e alunos das universidades.

Confira algumas ações importantes para que o varejo tenha efetividade no período natalino!

Ainda que a Black Friday venha ganhando bastante espaço nos últimos anos, o Natal continua sendo uma das melhores épocas para os negócios do varejo. E motivos é que não faltam para melhorar os índices de vendas: 13º salário, espírito natalino, tradição de presentear em família, amigos e colegas. Tudo contribui para o aumento do consumo. E são os dias que antecedem a data os mais agitados e movimentados do comércio. Muitos clientes, por diversas razões, preferem a reta final para comprar os presentes, e se não houver preparo, várias vendas podem ser colocadas em risco.

Para Ádila Ribeiro Berretella, diretora da TOP PEOPLE (empresa especializada em trade marketing e recrutamento e seleção), a tradição dessa data e a grande relevância que tem para a maioria dos brasileiros levam ao crescimento do comércio no período. Mas, para ter um bom desempenho, é fundamental adotar boas práticas: “Apesar de estarmos vivendo uma época de instabilidade econômica, os períodos comemorativos ainda são boas oportunidades para que varejistas melhorem suas vendas”.

Pensando nisso, Ádila selecionou 5 dicas que podem contribuir com o sucesso nas vendas:

1. Público

Em primeiro lugar é preciso saber exatamente quem são os potenciais consumidores, seus desejos e necessidades, onde se encontram, qual seu poder aquisitivo e em quais mídias procuram informações. É importante incluir esses dados no plano de vendas, pois, ainda que o estabelecimento tenha uma boa estratégia, se a marca estiver conversando com o público errado, dificilmente cumprirá as metas;

2. Decoração

Além de embelezar a loja, a decoração de Natal precisa gerar um clima marcante, que transpareça os bons sentimentos que essa época promove, como alegria, receptividade e bem-estar. Aposte também em enfeites criativos, afinal estimulam a curiosidade das pessoas e podem atraí-las para dentro do estabelecimento;

3. Atendimento

É fundamental capacitar atendentes e funcionários para oferecerem atendimento personalizado. Compreender os desejos do consumidor e se empenhar para atender às solicitações são os melhores caminhos para efetivar uma venda;

4. Estoque

Ter um estoque estruturado é crucial para quem quer vender mais no Natal. Então, para não deixar clientes insatisfeitos nem perder as possibilidades de negócio, é preciso priorizar os itens que têm mais saída e garantir mais unidades. É importante também ter um canal de comunicação direto com fornecedores e parceiros para que possam cumprir as demandas nos prazos adequados;

5. Horário

Oferecer horário alternativo para o público na época de Natal é uma estratégia a se considerar. Pesquise quais são os horários mais convenientes para o consumidor. Um bom dia para abrir a loja é no domingo anterior.

“Evite contratempos. Para tanto, é importante revisar o funcionamento de equipamentos eletrônicos, máquinas de cartões, sistemas de gestão, leitores de códigos de barras, entre outros. Não se esqueça, também, de melhorar o layout da loja para favorecer a abordagem dos vendedores e o direcionamento para o caixa”, finaliza Ádila.