Category

Dicas de Leitura

Category

Executivos da Troiano Branding lançam novo livro com teoria, metodologia e cases sobre Propósito e seu impacto para pessoas, marcas e organizações no século 21.

Qual é o seu propósito? Esta é a pergunta que dá título ao novo livro de Cecília Russo Troiano e Jaime Troiano, cujo lançamento aconteceu na última segunda-feira, 14 de outubro, em São Paulo, reunindo profissionais de branding e empresários para um coquetel com palestra e sessão de autógrafos.

Nossa equipe ao receber o autógrafo dos autores Cecília Russo Troiano e Jaime Troiano.

Cecília e Jaime são sócios da Troiano Branding, uma das empresas pioneiras em gestão de marcas no Brasil, com mais de 26 anos de história e expertise no acompanhamento de negócios de diversos segmentos.

Foi deste know-how que nasceu a proposta do livro. Segundo Jaime Troiano, que abriu as falas da noite, havia a necessidade de “colocar a bola no chão” e discutir sobre o impacto do propósito na existência das marcas uma vez que, nos últimos tempos, muitos conceitos surgiram para abordar o assunto, por vezes banalizado.

Para Jaime, o propósito é a mãe de todas as ferramentas de branding e, sendo assim, é a partir dele que se desdobram e se sustentam todas as iniciativas e definições estratégicas.

Contextualizando este momento que enfatiza a importância do propósito, abordaram o conceito de Realidade Líquida de Zygmunt Bauman, sociólogo e psicólogo polonês, segundo o qual as transformações e relações acontecem de maneira rápida e imprevisível.

Sendo assim, a busca pelo sentido se torna central e o propósito mostra-se como a chave para aproximar a todos do que é permanente, duradouro e consistente.

Ao assumir a fala, Cecília completou dizendo que o envolvimento com o propósito surgiu gradualmente, na medida em que desenvolviam os projetos da Troiano Branding, especialmente depois da parceria com o Bright House, consultoria de Atlanta/EUA, para a construção da marca Havaianas.

Segundo ela, foram percebendo a necessidade de guiar a abordagem por um conceito central, capaz de sustentar todas as ações e, assim, dissemina-las de forma legítima.

Afinal, “uma marca sem propósito é uma marca sem alma”, referência que Cecília fez a uma fala constante de Jaime Troiano.

Quer saber mais sobre propósito de marca? Acesse aqui!

Nesta jornada, inquietação e um viés de psicologia os guiaram ao entendimento de que, na verdade, o propósito deve ser escavado, identificado e trabalhado a partir de uma soma de fatores como a motivação empreendedora da marca, a relação entre as pessoas e o impacto da marca na sociedade.

Como resultado, nasce a metodologia “Rota do Soul”, que ajuda organizações a identificar, lapidar e potencializar seu propósito por meio de uma analogia que reúne, de forma poderosa, conceitos de ALMA e SOL, valorizando o SER que confere a autenticidade necessária para se conquistar e sustentar a relevância e a IRRADIAÇÃO que, por sua vez, permite que as ideias cheguem mais longe e causem um impacto maior e mais profundo nas relações que envolvam a marca.

Cecília Russo Troiano apresentando a metodologia “A Rota do Soul”

Desta forma, o livro “Qual é o seu Propósito: A energia que movimenta pessoas, marcas e organizações no século 21” se sustenta sobre dois pilares: o teórico, reflexo de tudo o que foi apresentado nos últimos parágrafos e o vivencial, retratado por meio de cases de marcas que passaram pela transformação do propósito com o acompanhamento da Troiano Branding.

Durante o bate papo de lançamento foram convidados para o debate Fernanda Abdo Saad, da Aegea – marca de saneamento; Leninha Palma, da Caedu – marca do segmento de moda e confecções e Rafael Navarro, da Sintel – marca de Suport Chain Automotivo.

Moderados por Robson Viturino, editor do livro, os convidados compartilharam o impacto do branding e do propósito em seus negócios, reforçando a importância da iniciativa de Cecília e Jaime Troiano de lançar um livro sobre o conceito.

O livro traz uma linguagem leve para apresentar conceitos importantes, relacionando-os sempre à sua implementação prática, destacando o processo necessário para a consolidação do propósito na estratégia de uma marca. Seu projeto gráfico, repleto de ilustrações, confere graça e leveza ao livro, tornando a experiência de leitura ainda mais prazerosa.

Garanta seu exemplar!

Além de todos os motivos acima elencados para incentivar sua leitura, o valor arrecadado com os direitos do livro serão doados para a Junior Achievement Brasil, organização social que incentiva e estimula jovens para o mercado de trabalho através do método “Aprender-fazendo”. Saiba mais aqui.

Confira 5 passos para praticar o propósito da sua marca clicando aqui!

Compartilhe!
error0

O mundo digital evolui de maneira inexorável e os avanços das novas tecnologias digitais de informação e comunicação vão se incorporando e modificando a partir de outras já existentes e que não há como ignorarmos toda essa transformação. A hiperconexão e a explosão de conteúdos decorrentes dessa disseminação tecnológica trazem impactos relevantes na construção e gestão de marcas.

Neste contexto, o desenvolvimento de pesquisas, estudos e reflexões sobre marketing digital e branding tornaram-se fundamentais para que possamos compreender as mudanças que se sucedem de forma a desenvolver novas metodologias e estratégias adequadas para atuar e obter resultados positivos.

O livro Marketing Digital e Branding é fruto da coletânea das pesquisas, estudos e experiências do corpo docente e discente dos cursos de MBA em Marketing Digital e MBA em Branding da UNIALFA, desenvolvidas com foco na realidade do mercado corporativo, buscando solucionar questões emergentes no novo contexto de mundo permeado pelo digital.

No capítulo 1, Carlos Piazza, aborda um tema curioso, Mindset Digital, em que apresenta a visão necessária para se transitar nesse universo. E chama a atenção para os movimentos da inovação em escala acelerada e os impactos que eles causam na sociedade, as mudanças que provocam nos comportamentos, nos hábitos, nas atitudes e, principalmente, na expectativa das pessoas, das corporações e dos relacionamentos, bem como a maneira que tudo isso afeta a visão de mundo em rede.

Já no capítulo 2, Cultura Corporativa, Martha Gabriel aponta que um dos maiores desafios para as marcas na era digital passa a ser a construção de uma cultura corporativa que favoreça o desenvolvimento e implementação de estratégias digitais. Para tanto, ela propõe a metodologia dos 3Es para o engajamento dos públicos no processo de transformação de cultura.

Daniela Lemke, Gabriela Prado e Pollyanna Lopes, no capítulo 3, apresentam uma análise do cooperativismo diante de todo o avanço tecnológico dos últimos anos, a partir do qual novas filosofias, práticas e projetos estão surgindo com uma abordagem colaborativa, de maneira muito alinhada ao que também propõe o movimento cooperativista, visando à construção de um mundo mais justo e equilibrado. O estudo apresenta o cooperativismo como um caminho mais crível para um futuro melhor, em um mundo mais conectado, coletivo, consciente e compartilhado.

O branding como ferramenta para microempresas foi o tema abordado no capítulo 4. Fabio Santos e Jackeline Santos fizeram um amplo estudo para entender qual é a relevância dada pelos consumidores dos restaurantes do bairro de Campinas, em Goiânia, aos pontos de contato presentes dentro do estabelecimento. Por meio de pesquisas quantitativas no ponto de venda, bem como utilizando-se de pesquisa exploratória, foi verificado se os clientes dos restaurantes daquele bairro primam mais pela ambientação, atendimento ou preço na hora de fazerem a escolha do local onde realizarão suas refeições. O desenvolvimento teórico se faz importante pois traça um amplo panorama sobre a atual situação dos restaurantes desse setor de Goiânia, bem como traz soluções estratégicas para aumentar o valor de marca do restaurante Sabor & Arte.

No capítulo 5, Carolina Carvalho e Iron Mascarenhas apresentam o Inbound Marketing como ferramenta de venda, relatando o caso de uma campanha de inbound marketing realizada em 2016 para a PC Sistemas.

Letícia Gratão de Oliveira Resende, no capítulo 6, trazem um estudo sobre o cenário do mercado de cervejas artesanais no Brasil, focando nos hábitos de consumo desse produto em Goiás, a Cerveja Colombina.

No contexto das rápidas mudanças na sociedade do consumo, o marketing e a forma como os produtos e serviços são apresentados a clientes e prospects têm sido contestados. Renata Guimarães e Robledo Ferreira apresentam no capítulo 7 os rumos do marketing de conteúdo e do marketing de permissão, bem como a aplicabilidade dos mesmos no contexto business-to-business (B2B) de uma empresa de tecnologia para gestão de pessoas de Goiânia: a LG lugar de gente.

Frank Michael Wanderley, no capítulo 8, aborda o uso dos arquétipos junguianos na construção e gestão de marcas esportivas para o público feminino, fazendo um recorte específico para o futebol. A questão principal foi verificar até que ponto os consumidores conseguem identificar certas figuras arquetípicas representadas por meio da construção simbólica de marcas atreladas ao segmento, sejam elas produtos, times ou atletas, e até que ponto estes mesmos consumidores se sentem identificados por tais figuras.

Na capítulo 9, André de Aguiar Barbosa, aborda a Construção de Marcas por meio da Identidade, com foco na metodologia do design de identidade da marca como ferramenta dessa construção.

E para finalizar, Marcia Auriani, no capítulo 10, apresenta a importância do Branding Pessoal para a gestão da carreira. Aponta que quem aspira por uma carreira de sucesso precisa pensar na gestão da marca pessoal e assim definir um plano estratégico para posicionar uma marca diferenciada e de valor no mercado corporativo.

O grande objetivo deste livro é reunir teoria e prática.

Desejo a você uma excelente leitura!

Marcia Auriani & Martha Gabriel, organizadoras e autoras


Interessados pelo livro, podem adquirir direto pela Editora Reflexão: O link direto: http://www.editorareflexao.com.br/branding-e-marketing-digital/p/679

Compartilhe!
error0

Aprenda a contar histórias com Steve Jobs, Papa Francisco, Churchill e outras lendas da liderança

Carmine Gallo nos ensina como desenvolver uma apresentação diferenciada e inspiradora, apresentando histórias de líderes mundiais, enfatizando as emoções humanas. Bruno Scartozzoni, especialista em storytelling no Brasil, foi tradutor, prefaciador e comentarista do livro. Um livro que nos envolve a cada história contada pela paixão dos storytellers.

Somos todos storytellers

O Storytelling é parte fundamental da comunicação. Em um mundo em que as pessoas são bombardeadas por escolhas, as histórias constantemente são o fator decisivo pelo qual decidimos fazer negócios com alguém. Somos todos storytellers. Contamos histórias para vender nossas ideias. Contamos histórias para convencer os investidores a apoiar um produto. Contamos histórias para educar estudantes. Contamos histórias para motivar equipes. Contamos histórias para convencer os doadores a fazer um cheque. Contamos histórias para encorajar nossas crianças a alcançar todo o seu potencial. Aprenda contar uma história, e sua vida daqueles que você toca serão radicalmente transformadas.

Este livro contém mais de 50 storytellers que mudaram o mundo ou impactaram negócios graças, em grande parte, ao domínio da arte e ciência de contar histórias. Cada um deles está incluído em uma das cinco categorias planejadas para inspirar você a pensar de maneira diferente em sua narrativa e em como construir histórias em sua comunicação diária.

  • Storytellers que acendem nossa chama interior
  • Storytellers que educam
  • Storytellers que simplificam
  • Storytellers que motivam
  • Storytellers que criaram movimentos

Cada capítulo é dividido em três seções. Primeiro, você vai conhecer a própria história do storyteller. Os homens e as mulheres perfilados neste livro são, na maioria, pessoas comuns que usaram o storytelling para conseguir resultados incomuns. A segunda seção examina as ferramentas desses storytellers mais detalhadamente – por que funcionam e como são aplicadas. Por fim, cada capítulo se encerra com um pequeno resumo da lição aprendida – o segredo dos storytellers.

Depois que você aprender os segredos dos storytellers e por que eles funcionam, poderá aplicar as técnicas a praticamente qualquer tipo de comunicação: falar em público, elaborar apresentações em PowerPoint, escrever blogs, redigir e-mails, criar peças em uma reunião no Starbucks. Você vai aprender a enquadrar uma ideia para informar, esclarecer e inspirar.

Com certeza ao término deste livro, você irá rever a forma como expressar uma ideia de forma a envolver todos ao seu redor!

Compartilhe!
error0

Neste post, quero dividir com vocês um livro que tem vários ingredientes para ser um Best Seller em Gestão, complementando o Business Model Canvas! Vou tentar resumir a abordagem e as principais ferramentas que são mencionadas no livro! Vamos lá?!

É um livro poderoso para aqueles que trabalham com gestão, estratégia e inovação. De leitura fácil, com uma diagramação muito agradável e ousaria dizer que ele deveria constar na lista de leitura para estudantes de Administração e para todos aqueles que trabalham com consultoria organizacional, tecnologia, gestão, marketing e afins!

Encontrei este livro no começo de março, enquanto passeava pela área de Management de uma Barnes & Noble, em Manhattan. Eu tenho o estranho hábito de visitar bibliotecas e livrarias desde criança, por mais piegas que possa parecer, minha mãe desde pequeno me levava a bibliotecas e livrarias, desde então eu peguei o gosto pela leitura.

Eu fico entretido por horas no meio dos livros… Curiosamente, na semana passada cheguei a passar mais de 6 horas dentro da biblioteca publica central de Los Angeles! E pelo menos mais umas 4 horas passeando nas bibliotecas da UCLA.

Mas vamos ao que interessa! O livro!

Ele tem muitos exemplos e cases, que não citarei neste post, pois, ele ficaria enorme. Por isso optei, como principal takeaway focar na abordagem e ferramentas apresentadas.

Essas ferramentas, estão distribuídas em diversas partes do framework chamado: The Double Loop.

Este framework suporta a jornada de Design, que consiste, nas seguintes fases:

1  – PREPARAÇÃO

Se você está prestes a fazer uma jornada de exploração para entender seu cliente ou projetar novos modelos de negócios para seu futuro, a preparação é a chave. Você não entraria em batalha sem se preparar primeiro. Da mesma forma, você precisará se preparar antes de lançar uma iniciativa de design (ou redesenho).

Este primeiro tópico, aborda a preparação do time, do ambiente e de como trabalharemos. Alguns dos principais pontos são a definição de embaixadores/facilitadores, elaboração do workshop de energização e preparação do time para a jornada de design, nesta fase são apresentadas duas ferramentas: o team charter e o screenplays.

Team Charter

O Team Charter irá ajudá-lo a criar um plano essencial por trás de qualquer projeto: uma equipe bem equilibrada. Como documento é co-criado, a equipe ajudará a esclarecer a direção e definir fronteiras.

[#opinião] Quase todas as ferramentas também são apresentadas em modo de canvas! Na minha opinião, estou cansado da canvização de tudo, esse excesso de “visual”, em alguns casos gera superficialidade nas analises.

É canvas em projetos (até aonde sei tem pelo menos uns 3 canvas, quase todos mais do mesmo), é canvas pessoal, é canvas em supply, é canvas do canvas… Nem tudo precisa ou deve ser visual! Fica a Dica!

Desenhos são poderosos! Mas nem todo mundo precisa de desenhos para entender! rs

😉

2  – PONTO DE VISTA

Toda viagem de design começa em algum lugar. Talvez, em algum lugar, seja uma nova empresa em busca de seu modelo de negócios sustentável (criação de dinheiro). Ou talvez a jornada esteja sendo tomada por um negócio existente à procura de novas direções para que ele possa permanecer competitivo e crescer. Em todos os casos, a viagem que você leva começará com um ponto de vista.

O ponto de vista fala que o design é algo humano, e é necessário a compreensão sobre as perspectivas e valores. Ou seja, nesta fase devemos olhar para dentro da perspectivas da equipe. São abordadas as ferramentas:

Definição da Visão

O livro Start with Why, é um bom exemplo de como um propósito transcendental pode motivar as pessoas! O mesmo também é mencionado em parte no livro Drive! do Daniel Pink! Esta ferramenta auxilia na criação compartilhada de visões de longo prazo, auxiliando no alinhamento da equipe!

Cobertura Jornalistica da Visão

Esta ferramenta auxiliará você e a equipe a visualizarem o futuro: como o mercado responderá ao projeto? Lembre-se que esta ferramenta (provavelmente) não lhe proporcionará uma visão reveladora. Mas irá desafiá-los a pensar além da área conhecida e segura.

Critérios de Design

Esta ferramenta ajuda o time a definir o que ele quer, o que ele deve e principalmente o que ele não deve fazer. É interessante para definir os limites, valores e visões em comum sobre o projeto.

Apesar de simples, não deixa de ser uma ferramenta interessante!

Storytelling

Como seres humanos, contamos histórias todos os dias. Usamos histórias para explicar, explorar, engajar e persuadir os outros. Durante a viagem de design, você terá muitos momentos em que você precisa contar uma boa história. E, assim como os outros fundamentos da sua estratégia, boas histórias podem ser projetadas.

E ao final também é abordado de maneira sucinta a jornada do herói (que já foi inclusive tema de uma tese em estratégia na EAESP, que falava sobre a trajetória dos empreendedores).

Mas isso é só a sua opinião… É melhor ver o que outros públicos pensam!

3  – ENTENDIMENTO

O Entendimento, aborda o consumidor, o contexto e a visão de negócios. Estas variáveis são a chave para o desenho de negócios melhores. Dentre as Principais Ferramentas apresentadas:

Jornada de Consumo

Mapear esta jornada irá fornecer-lhe informações sobre como os clientes experimentam um produto ou serviço, bem como como eles podem ser melhor atendidos ou até mesmo encantados. É uma poderosa ferramenta, que auxilia a co-criar a jornada junto com seus clientes ou validar seus pressupostos com eles.

Uma atividade que pode agregar muito é customer safari, no qual você acompanha o consumidor durante todo o trajeto e experiencia dele. Por exemplo, no caso de compras em um supermercado, você começaria pelo momento em que o consumidor percebe aonde quer que esteja “Casa, trabalho… whatever” a necessidade da compra e o acompanha durante toda a experiência até o final que seria a chegada em “casa, trabalho… whatever”.

Ela pode proporcionar muitos insights, principalmente sobre os pontos de satisfação e dor.

Proposição de Valor

Essa ferramenta, já foi apresentada no Business Model Canvas, ela começa com uma persona definida. Ou seja, um exercicio que seria um pré-requisito para utilização deste seria a utilização da ferramenta Mapa de Empatia.

Claro, você pode ter muitos segmentos de clientes diferentes que você atende (ou deseja atender). Então, o time discutirá sobre quem são realmente os clientes. Talvez seja necessário preencher várias telas, uma para cada cliente/nicho/segmento.

Contexto

É essencial entender o contexto, tendencias, concorrentes e o cenário no qual você, o seu time e o seu projeto estão inseridos. Esta ferramenta, proporciona insights poderosos, sobre isto!

O Business Model Canvas também é apresentado no livro, mas a ferramenta é tão batida e já foi tão falada, que eu optei por não tratá-la no post. Mesmo assim, acho que é uma boa ferramenta, apesar que na minha opinião pessoal a grande maioria dos profissionais sub-utilizam ou utilizam superficialmente a ferramenta.

4 – IDEAÇÃO

Todos nós temos idéias. Às vezes, as idéias que aparecem na nossa cabeça nos mantêm acordados à noite e algumas até anos. Mas a verdade é: até as melhores idéias são limitadas. O impacto só é criado quando as ideias se tornam aditivas e expansivas, nesta visão mais é melhor. Não existe uma única solução para um problema, a ideação permite que você e o time liberem o pensamento e construam novas idéias.

Vamos ver as principais ferramentas:

Matriz Criativa

Quando você está descobrindo que as idéias de todos estão caindo e em torno das mesmas áreas de exploração, é hora de expandir os limites do seu pensamento. Este é um momento perfeito para usar uma matriz criativa.

Mural de Idéias

Perguntar “E se ?” É uma maneira poderosa de preencher uma parede com ótimas idéias. Sinta-se livre para usar essas questões de gatilho, ou crie suas próprias! Pergunte a sua equipe em um ritmo acelerado, desafiando cada pessoa a criar muitas outras idéias.

Depois de geradas as idéias do What If…, você deverá agrupar as idéias em principais grupos de possíveis afinidades.

Matriz de Inovação

Sua parede de idéias é preenchida com centenas de idéias, e chegou a hora de fazer uma seleção. Quais são as idéias realmente promissoras? Use a Matriz de Inovação e o sistema de classificação para filtrar as melhores idéias

5 – PROTOTIPAÇÃO

A Prototipação, é literalmente o “Bota pra fazer” das ideias, nesta fase o time deve estar aberto para o aprendizado durante o “making”. São mencionados também como exemplos de prototipação: Pop-Up Stores, Impressoras/Protótipos em 3D, Páginas de Internet de Teste, entre outros. Esse capitulo, é um dos capítulos um pouco mais rasos do livro, pois, não existem receitas de bolo do tipo “one-size-its-all” quando o assunto é prototipação.

Dentre as principais ferramentas, são apresentadas Esboço e o Protótipo de papel.

Nesta seção eles recomendam complementarmente a leitura do livro: Draw to Win: A Crash Course on How to Lead, Sell, and Innovate With Your Visual Mind, do Dan Roam. Aqui no Brasil, este autor tem o livro traduzido de nome Desenhando Negócios.

Em resumo, a ideia dessa fase é tangibilizar os conceitos de produtos, serviços e processos concebidos.

6 – VALIDAÇÃO

Na Validação, os valores e pressupostos são colocados a prova! Pois o nosso entendimento, pode não ter sido o correto. Ou seja, testamos as ideias e medimos os resultados.

Se a prototipagem é sobre trazer vida às suas idéias para vê-las, senti-las e identificar rapidamente seus pressupostos, então, o foco da validação é adicionar rigor ao processo de design. A validação exige a experimentação para testar seus requisitos e medir os resultados.

As melhores ideias são nada se não forem testadas!

Ferramentas:

Pressuposto mais arriscado

Encontrar o pressuposto mais arriscado nem sempre é fácil. Discutir os pressupostos com sua equipe ajudará a identificar aqueles a seguir. É composta pelas dimensões: Já Validadas, Pressupostos mais arriscados, Alto Impacto e Baixo Impacto. Abaixo podemos ver uma representação visual:

Experimento

Uma vez que você encontrou seus pressupostos mais arriscados, você precisará descobrir a melhor maneira de testá-los e medi-los de forma quantitativa. Isso me lembra da aulas de Metodologia, de Karl Popper e os principios da Falseabilidade, algo que é parte central da pesquisa cientifica.

A ferramenta está estruturada através das seguintes informações: pressuposto mais arriscado, hipóteses falseáveis, ajuste do experimento, resultados e conclusões(Validado, Invalidado e Inconclusivo). O Experimento é a ferramenta adequada, abaixo podemos ver como o livro representa a ferramenta graficamente:

A ideia por detrás desta ferramenta é projetar a experiência certa no momento certo, facilitando a analise da equipe.

Validação

Com seus experimentos prontos, é hora de começar a testá-los e verificar a evolução ao longo do tempo. Às vezes, seus testes retornarão positivos, às vezes negativos. Ao longo do caminho, você irá mudar seu mvp/protótipo – adicionando e mudando à medida que que os insights e resultados forem surgindo. Esta ferramenta ajudará a acompanhar o seu progresso ao longo do tempo.

Funciona quase como um diario de bordo de um projeto, no qual você registrará todos os principais pontos levantados durante os pilotos.

Mas ainda não chegamos ao final, uma das mais desafiadoras fases… Ganho de Escala!

7 – ESCALA

A escala, tem como perspectiva que o design é algo interativo, cíclico e concebido para ganhar escala, ou seja, sair de projetos pequenos para normas culturais.

Prontidão para Investimentos

O nível de prontidão para investimentos, auxilia na quantificação do progresso de um produto, projeto ou empresa, ajudando você a tomar decisões de investimento, seja você líder de equipe, gerente ou investidor.

Quase todas as ferramentas estão disponíveis para download no site: www.designabetterbusiness.com

[#Spoiler] Ou seja, resumindo neste post abordamos estas ferramentas:

Espero que tenha gostado do resumo!

Até a próxima,

Um abração!

Yuri Lazaro de Oliveira Cunha

Compartilhe!
error0

Em seu novo livro intitulado “Marketing 4.0“, o guru do marketing moderno Philip Kotler dá continuidade a abordagem centrada no ser humano iniciada na obra Marketing 3.0 mas, dessa vez, focando nas relações entre o tradicional e o digital; o off-line e o on-line, como complementares e interdependentes.

O livro é dividido em três partes e onze capítulos, que vão se complementando de forma didática, contribuindo para que o leitor questione sua realidade e estabeleça relações diretas entre o conteúdo, repleto de exemplos práticos, e o dia a dia da marca que gerencia.

A primeira parte do livro é dedicada a apresentar tendências que estão moldando o marketing, de forma a contextualizar sua aplicação e promover uma reflexão interessante sobre os dias de hoje e a maneira como nossa forma de se relacionar com o mundo evolui junto com a tecnologia.

Dentre as tendências, destacam-se a da inclusão, a da horizontalização e a do processo de compra cada vez mais pessoal.

Inclusão no sentido de a conectividade diminuir distâncias e eliminar barreiras, de forma a permitir que as pessoas se comuniquem, criem comunidades e troquem experiências de forma abrangente.

Horizontalização da dinâmica de mercado, no que diz respeito a forma como as marcas inovam e se relacionam com as pessoas, cenário no qual os consumidores passam a fornecer insights, cocriar e relacionar-se de maneira mais próxima das marcas que, em contrapartida, precisam agir como seus pares e amigas;

Processo de compra mais pessoal na medida em que cada vez mais as pessoas estabelecem relações de confiança entre seus pares, buscando neles referências no momento da aquisição de um bem ou serviço.

Essa primeira parte segue adiante apresentando paradoxos que a conectividade trouxe ao marketing, com destaque especial a interação on-line x interação off-line que, por coexistirem e serem complementares, dão o tom para a continuidade dos conceitos abordados no livro.

Aprofundando no cenário digital e no impacto que ele traz para as empresas, Kotler aborda segmentos-chave que desfrutam de grande influência, os jovens, as mulheres e os nascidos na realidade da internet, denominados pela sigla em inglês YWN – Youth, Women and Netzens.

Para concluir a contextualização a qual se dedica a primeira parte do livro, são abordados conceitos que definem o papel do Marketing 4.0 na economia digital, de forma a completar a leitura de que a realidade mudou e com a mudança vieram novas estruturas com as quais profissionais precisam se adaptar. Dentre estes conceitos, há o aprofundamento do encontro do on-line com o off-line, abordado anteriormente, e que, agora, enfatiza os impactos que traz para a construção de significado para as marcas e como as relações máquina-para-máquina não se sustentam sem que coexistam com relações que integrem humanos com humanos, deixando clara a valorização das pessoas no centro das estratégias e reforçando a continuidade em relação à obra anterior, Marketing 3.0.

Após se contextualizar, o leitor encontra na segunda parte do livro um aprofundamento teórico acerca de das estruturas do marketing na economia digital.

O primeiro ponto abordado é a maneira como o consumidor se comporta diante de multicanais e da grande quantidade de ofertas e informações com as quais são bombardeados diariamente o que, acaba por confundir o consumidor, levando-o cada vez mais a dar preferência às informações que colhe de sua rede de amigos e familiares.

Nesse sentido, cabe às marcas entender tal dinâmica e perceber que múltiplos canais e múltiplas mensagens não necessariamente significam que sua comunicação aconteça de maneira eficiente e que, para melhor atingir seus objetivos, devem se concentrar no caminho de compra percorrido pelos consumidores, identificar os potenciais pontos de contato e reforçar, de maneira estratégica, os canais e as mensagens de modo pontual.

Com esse entendimento, o autor apresenta então um novo caminho do consumidor nesse cenário digital e multicanal, que vai do conhecimento à advocacia, isto é, a defesa voluntária da marca. Trata-se dos 5As, do inglês aware (consciência/conhecimento), appeal (apelo), ask (pergunta/questionamento), act (ação) e advocate (advocacia). Uma a uma cada fase vai sendo esmiuçada e explicada por meio de exemplos e análises específicas, proporcionando não apenas seu entendimento, mas também a reflexão do leitor ao aplicar tal conceito à sua realidade.

Foi nesse ponto do livro que a leitura revelou novos subsídios para o estudo e aprimoramento da gestão prática de marcas, pelo fato de apresentar aspectos que influenciam diretamente o desenho da estratégia de gestão. Por exemplo, ao apresentar cada fase do caminho do consumidor, o autor deixa claro que ele não necessariamente é linear, podendo inclusive ser espiral ou ter fases que são puladas pelo consumidor, dependendo das características do mercado no qual a marca atua.

Adiante com os conceitos, são apresentadas e explicadas métricas para o acompanhamento do conhecimento e advocacia de marca, permitindo medir os resultados obtidos com o consumidor ao percorrer o caminho de compra apresentado anteriormente. Essas métricas são o PAR (Purchase Awareness Ratio) e o BAR (Brand Advocacy Ratio) e seu entendimento e acompanhamento permitem medir a produtividade das ações da marca, além de indicarem melhores formas de analisar os resultados do processo.

Também são apresentados arquétipos da indústria em relação ao caminho de compra do consumidor e, em seguida, são sugeridas as melhores práticas para cada caso, em que são identificados qual fase, quais canais e que tipo de ação devem ser tomados para conduzir o consumidor do conhecimento para a advocacia de marca da forma mais eficiente possível.

A terceira e última parte do livro apresenta aplicações táticas de marketing na economia digital.

Primeiro é apresentado como marcas centradas no ser humano podem aumentar sua atratividade ao entender o comportamento das pessoas e adotar atributos que promovam sua aproximação como aspectos físicos atrativos, aspectos intelectuais que promovam a inovação e a solução dos problemas das pessoas, aspectos sociais que alavanquem engajamento, aspectos emocionais que impulsionem sua conexão com as pessoas, personalidade para defender seu propósito e posicionamento, e moralidade, de forma a serem guiadas por seus valores e buscarem sempre as melhores práticas para o seu sucesso sem ignorar os impactos causados na sociedade.

O storytelling e o marketing de conteúdo são abordados como formas de aguçar a curiosidade acerca das marcas, mostrando que aquilo que antes era vigente, como a veiculação de anúncios e peças publicitárias, deu lugar a conteúdos relevantes e dignos de serem compartilhados que, além de agregar valor ao público, ajuda a contar estórias envolventes sobre as marcas. A abordagem do conceito de marketing digital conta ainda com um passo a passo composto por oito etapas, ajudando o leitor a organizar suas ideias e planejar suas ações.

Esse ponto é especialmente relevante pois toca numa questão importante para o branding, uma vez que representa a necessidade de mudança do mindset das marcas, para se manterem em constante relacionamento com os consumidores, colocando em prática todos os conceitos apresentados anteriormente de forma simultânea e constante, em um caminho sem volta rumo à realidade conectada, transparência e queda de barreiras entre as marcas e seu público.

Essa mudança de mindset também se mostra necessária para o assunto que o livro aborda na sequência, o Omnichannel Marketing, ou marketing multicanal, como forma de impulsionar o comprometimento de marcas. A integração do tradicional com o on-line, tema que guia o conteúdo por todo o livro, ganha destaque como fator determinante para a construção de experiências completas para os consumidores e valorização das marcas.

A multiplicidade de canais implica ainda em comportamentos que geram a demanda constante por análise de dados (big data) e leitura comportamental, coroando as pessoas e as informações que geram como centrais em qualquer estratégia de marca.

Para finalizar o livro, são abordadas, com direito a apresentação de passo a passo, estratégias de marketing de engajamento para gerar afinidade com as marcas, destacando o uso de aplicativos mobile, gamification e social CRM para alavancar experiências e estimular conversas entre marcas e seu público.

Como bônus, o autor aborda o Momento do WOW, no qual o consumidor se surpreende com a experiência vivenciada e leva consigo a lembrança da marca que proporcionou tal momento, com grande propensão a se tornar seu defensor. O interessante nesse momento é o fato do livro deixar claro que o WOW pode ser projetado por meio do entendimento do caminho percorrido pelo consumidor, mostrando que marcas que buscam exceder os limites do bom serviço e atendimento podem se aproveitar da leitura de dados, das ferramentas digitais e da integração do tradicional e do digital para se tornarem inesquecíveis.

Tentando apresentar cada detalhe importante presente em Marketing 4.0, acabei por escrever muito, isso porque esta leitura me trouxe muitos insights e incentivos para considerar diversos aspectos do meu dia a dia como gestor de marca, percebendo que o cenário complexo no qual estamos inseridos –  marcado pela constante interação com múltiplos canais de comunicação que coexistem e, às vezes, se sobrepõe, e pela enorme quantidade de informações e exposição a demandas cada vez mais aceleradas – traz grandes desafios, mas também grandes possibilidades.

Espero que o conteúdo que apresentei tenha despertado seu interesse pela leitura de Marketing 4.0, a qual contribuiu muito com o meu conhecimento e vontade de sempre aprender mais! Me senti na obrigação de compartilhar com vocês.

Dados do livro:

KOTLER, Philip, KARTAJAYA, Hermawan e SETIAWAN, Iwan. Marketing 4.0: Moving from Traditional to Digital. New Jersey: Wiley, 2017.

PPhilip_Kotlerhilp Kotler é uma das maiores autoridades mundiais do Marketing. É mestre e doutor em economia pela Universidade de Chicago e pelo MIT respectivamente, além de possuir um pós-doutorado em matemática pela Universidade e Harvard e em Ciência Comportamental pela Universidade de Chicago. Autor do best-seller Administração de Marketing, Kotler contribui constantemente com o estudo e aplicação do Marketing, tendo escrito mais de cinquenta livros e contribuído com a trajetória de grandes empresas como General Eletric, IBM, Ford, Motorola, Merck, Disney, Intel, At&T e Nike.

 

Compartilhe!
error0

CAPAVocê já parou para se perguntar por que gosta tanto de alguns lugares e não de outros? O que torna um lugar especial? Qual a relação entre as pessoas e os lugares? Foi justamente a inquietação de responder essas perguntas que motivou o autor Caio Esteves escrever o primeiro livro do Brasil sobre place branding ou construção de marca- lugar. O place branding identifica vocações, potencializa identidades e fortalece os lugares com o objetivo de torna-los únicos. Neste livro pioneiro, que mistura urbanismo e comunicação como poucas vezes vimos, Caio Esteves conduz renomados especialistas por reflexões contemporâneas e candentes acerca daquilo que nos rodeia: os bairros, as cidades, as nações e os espaços públicos em geral. Por que temos nossos lugares favoritos? Por que alguns parecem ter mais personalidade do que outros? Como podemos melhorar os espaços físicos ao nosso redor? E através de exemplos desenvolvidos em trabalhos pela sua agência a Places for us nos explica didaticamente como se constrói uma marca-lugar. Cabe a você, leitor, juntar-se a esse time, analisar os conceitos e experiências apresentados – sempre repletos de exemplos práticos nacionais e internacionais – e aplicá-los ao mundo real, concreto, ao alcance de todos. Toda mudança começa com o indivíduo. Sejamos todos agentes de um lugar melhor.


AAEAAQAAAAAAAAiEAAAAJDlhYjM1NDM3LTQxNTItNGNjYi05ZTA3LTZhMzZmYmNmNTk5OACaio Esteves é fundador da Places for Us, 1º consultoria especializada em Place Branding do Brasil, e também a 1º startup certificada com o selo B corp de impacto social. Autor do livro “Place Branding”, 1º livro sobre place branding do país. Colaborador, membro do conselho consultivo e jurado do City Nation Place, congresso internacional de Place Branding em Londres, Membro do Institute of Place Management de Manchester-UK e associado a IPBA- International Place Branding Associaton. Coordenador da Pós-graduação em Branding do IED-SP. Idealizador e coordenador do MBA Place Branding das Faculdades Integradas Rio Branco. Professor de branding no IED-SP, Rio Branco-SP e Alfa- GO.

 

Compartilhe!
error0

22438_detalheO livro Branding + Design: a estratégia na criação de identidades de marca está organizado em duas partes:

A primeira é composta pela exposição de definições e contextos inerentes aos universos do design, das marcas e do branding. Ainda na primeira parte, os profissionais entrevistados discorrem sobre a inclusão do branding na criação dos sistemas de identidade visual. Esse “olhar do mercado” não apenas embasa o livro como também amplia a percepção de estudantes e profissionais de design gráfico a respeito do campo em que atuam no mercado.

A segunda parte consiste na apresentação dos quatros casos citados e na comparação destes. Um grande quadro-resumo sintetiza os resultados, facilitando a consulta e o entendimento do leitor.

As considerações conclusivas, ao refletir sobre as principais mudanças ocorridas nos escritórios de design com a introdução do branding no escopo do projeto de construção de marca, abordam as competências profissionais que os designers devem possuir para atender às novas demandas.

Como afirma Gilberto Strunk “Este livro registra a evolução dos processos de identidade visual das marcas até os de branding, vivenciados por alguns dos principais escritórios de design brasileiros. É uma leitura indispensável para todos que trabalham com marcas ou se interessam pelo assunto”.

 


 

AAEAAQAAAAAAAAfqAAAAJGRiYzdiMDg1LTk2MGEtNDYzMy05MWRjLTgwNzBjMTkzNzM0OASandra Ribeiro Cameira é mestre em design e arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU_USP) e bacharel em comunicação visual pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Desde 2002, leciona em cursos de graduação em design e publicidade e, mais recentemente, de pós-graduação em branding. Trabalhou como designer e diretora de arte em diversas agências no Rio de Janeiro e em São Paulo. Desde de 2001, é sócia do escritório Id Design Planejamento e Projeto Gráfico, onde atua, principalmente, com projetos de construção de marca e comunicação institucional.

Compartilhe!
error0

o-estrategista-1Na obra “O Estrategista-Seja o líder de que sua empresa precisa” Cynthia A. Montgomery convida líderes de organizações a refletirem sobre o propósito de suas empresas e sua importância na construção de valor.

Utilizando-se de cases e exemplos reais relatados e discutidos em suas aulas na seção de estratégia do curso OPM (Owner/President Management) também da Harvard Business School, a autora defende que a estratégia não deve ser encarada como algo fixo, ou um problema a ser resolvido e depois abandonado, mas sim como um sistema de criação de valor e singularidade a ser tratado como algo dinâmico e que, portanto, evolui com a organização.

Uma obra rica, de fácil leitura e que traz insights valiosos para gestores de marcas e estudantes de branding, marketing, gestão e de outras áreas correlatas o mundo dos negócios.

Merece destaque a percepção de que o propósito é algo valioso e que gera o desempenho diferenciado e, portanto, valor e vantagem competitiva. Para a autora o propósito é a primeira grande questão que o estrategista deve saber responder, para que então, através da estratégia, seja transformado em realidade.

“O propósito é onde nasce um desempenho diferenciado. Nada é mais importante para a sobrevivência e o sucesso de uma empresa do que sua razão de existir e o conhecimento de quais necessidades ela pode suprir. Essa é a primeira e mais importante questão que um estrategista deve saber responder. Todos os conceitos de estratégia que fazem parte do jargão dos administradores – vantagem competitiva sustentável, posicionamento, diferenciação, valor agregado e até mesmo efeito empresa – derivam do propósito”. Montegomery (2012, p.60)

Cynthia A. Montgomery é professora de administração e ex-diretora da Unidade de Estratégia da Harvard Business School, onde lecionou por mais de 20 anos. Por seis anos lecionou estratégia no programa Owner/President Management da Harvard Business School, além de ter participado do conselho diretor de duas empresas listadas na Fortune 500, organizações não governamentais e de fundos geridos pela BlackRock.

Saiba mais: http://cynthiamontgomery.com/

A obra:

MONTGOMERY, Cynthia A. O Estrategista-Seja o líder de que sua empresa precisa. Rio de Janeiro: Sextante,  2012. 208 p.

Compartilhe!
error0

daviA história de Davi e Golias narra a vitória de um pequeno e simples pastor diante de um grande e forte guerreiro, onde o conhecimento das próprias habilidades e a ousadia fazem a diferença no momento de qualquer batalha, afinal: “Você nunca sabe a força que tem, até que a sua única alternativa é ser forte.” Johnny Depp

Malcolm Gladwell, autor dos livros “Fora de Série” e “Ponto da Virada” (recomendo ambos), busca refletir como as situações e decisões podem favorecer as pessoas, dentro de um ambiente desfavorável como pode surgir uma grande oportunidade.

Ele busca com exemplos de personagens que fizeram parte de fatos históricos como o Martin Luther King Jr. e seus companheiros de luta, dentre outras pessoas que tiveram destaques na história.

Ele também instiga o leitor com a pergunta que inicia um de seus capítulos: “Você não ia querer um filho disléxico. Ou ia?” Essa pergunta é interessante quando você entende o contexto em que ela é inserida.

Encontrar uma oportunidade em meio a crise é como encontrar um diamante no meio de uma tempestade. E, este livro permite algumas reflexões, buscar alternativas de se destacar no ambiente e nas situações, e quem sabe encontrar soluções para casos quase impossíveis?

Boa Leitura!!!

A obra: GLADWELL, Malcolm. Davi e Golias – A arte de enfrentar gigantes. Rio de Janeiro: Ed. Sextante. 2014.

Compartilhe!
error0

maizena

Unir  a universidade com estudos de mercado, cases, geram excelentes pesquisas.  Ainda mais, quando este estudo é exaustivo e contínuo.  Pois é,  o autor desta obra,  pesquisou sobre a marca “Maizena” desde  a sua graduação em Design Gráfico,  continuando no mestrado  na área de comunicação e resultando na publicação nesta obra.
Um perfeito  estudo sobre uma marca que está com quase 150 anos e que desafia o mundo contemporâneo, preservando fidelidade e tradição  de como se comunicar com seus consumidores. O estudo demonstra que a marca se modernizou, para “não ficar velha”,  mas  não realizou  mudanças radicais em sua tradicional embalagem amarela.

Esta é uma obra interessante para qualquer leitor,  pois quem não conhece a “Maizena” ?

Um case que fará os profissionais das áreas de Design, Marcas/Branding , Marketing e  de Comunicação em geral  se encantarem com   história,  as estratégias  do  produto e de sua embalagem clássica.

Tadeu Costa é  designer gráfico,  mestre em Comunicação ,  professor universitário e  com diversos prêmios:  premiado no Salão “Nello Nuno” (FUNARTE – Belo Horizonte),  no Museu da Casa Brasileira  de São Paulo e no Festival do Minuto.

A obra:
COSTA, Tadeu.  Do maíz à maizena: um layout de 140 anos.  São Paulo :  Rosari,  2005.  128 p. (Coleção Textos de Design).

 

Compartilhe!
error0