Category

Você Sabia?

Category

Sim, fundada no ano de 1950 pelo Dr. Renato da Costa Bomfim (com “m” mesmo), a instituição recebeu inicialmente o nome de Associação de Assistência à Criança Defeituosa, depois o termo Defeituoso foi substituído por Deficiente. O Dr. Bomfim adotou o lírio como símbolo da instituição, pois é uma planta que cresce mesmo na adversidade, até na lama.

Hoje a AACD está entre as marcas mais admiradas e valiosas do Brasil, seu logo atualmente é representado por uma menina deficiente física entre a escrita “AACD”, mas o lírio ainda é usado na organização para representar os seus voluntários.

Confira o lírio na sua utilização atual:

voluntariado

Compartilhe!
error0

A Mitsubishi Motors se viu obrigada a mudar o nome de sua Pickup Pajero em alguns países de língua espanhola, por exemplo no México, onde o veículo é chamado de Montero.

O nome precisou ser alterado, pois nesses países Pajero significa masturbação.

Com a globalização das marcas, as organizações devem se adaptar a cultura, dialeto e aos costumes da região onde irá atuar.

montero-ext

Compartilhe!
error0

O logotipo da marca paulistana Cavalera, empresa que atua no segmento de moda, é uma águia bicéfala negra. Ele foi inspirado na bandeira da República da Albânia, um país localizado no sudeste europeu.

A águia bicéfala é um símbolo iconográfico da cultura indo-europeia e mesoamericana, é usada em brasões de vários países e representa o poder e a nobreza de grandes impérios. Já a Cavalera, fundada em 1995, representa o poder do rock ‘n’ roll e a nobreza do humor na moda.

Confira o logo da Cavalera e a bandeira da Albânia:

cava

albania

Compartilhe!
error0

A Revista Época da Editora Globo tem seu layout, formato e até logotipo inspirados na revista alemã Focus?

A Focus, de circulação semanal, foi lançada em 1993 e é considerada conservadora e com opiniões que tendem para o liberalismo econômico. Já a Época foi lançada em 1998 e segundo a ANER (Associação Nacional de Editores de Revistas) tem uma circulação de média estimada em 420 mil exemplares.

Confira o logotipo das duas revistas e notem a semelhança:

logos_epocaefocus

Compartilhe!
error0

O que o chocolate belga Godiva, a fabricante sueca de automóveis Volvo e a rede americana de fast food Burger King têm em comum?

A resposta mais óbvia é que são marcas de bens de consumo consolidadas, tradicionais em seus países de origem e conhecidas mundialmente.

Mas a questão é mais complexa, pois com a globalização e o dinamismo econômico, estão sendo traçadas novas rotas no mapa mundi e já não é mais possível saber, por exemplo, se o tradicional chocolate Godiva tem sotaque belga.

A famosa marca de chocolates, fundada na Bruxelas de 1926, inaugurou a primeira loja no exterior em 1958, em Paris, depois se espalhou pela Europa, alcançando o mercado norte-americano em 1966 e na década seguinte chegou à Ásia pelo Japão. Sempre reconhecida por produtos de alta qualidade e luxo.

Mas não estamos discutindo a expansão internacional da marca e sim como a ela foi mudando globalmente de dono. Em 1967 a Godiva tornou-se norte-americana, a Campbell Soup Company a adquiriu para ampliar seu portfólio no ramo alimentício. Quatro décadas depois, a empresa decidiu focar em alimentos simples como sopas e snacks e vendeu a Godiva por 850 milhões de dólares para a holding turca Yildiz’s Ulker Group. Assim, em 40 anos, a empresa foi belga, norte-americana e agora é turca, traçando rotas transoceânicas.

Outro exemplo de reglobalização de marca é a Volvo, mais precisamente sua divisão de carros. Essa indústria automobilística, fundada em 1927, é muito conhecida pela segurança e sobriedade dos carros e por sua origem sueca.

Em 1999, foi comprada pela norte-americana Ford Motor Company por 6,5 bilhões de dólares. Quase uma década depois, com a competição acirrada entre outras montadoras e queda da participação no mercado, a Ford repassou o negócio para a chinesa Zhejiang Geely Automobile, a transação girou em torno de 1,8 bilhão. Então em 11 anos, a Volvo deixou de ser sueca, atravessou o Atlântico e chegou à América; e logo depois cruzou o pacífico e tornou-se chinesa.

Mas as companhias europeias não são as únicas a sofrerem emigração, a rede de fast food norte-americana Burger King, criada em 1953, entrou no portfolio de marcas da britânica Diageo em 1989. Mais tarde, a empresa mais conhecida pelas marcas de bebidas alcoólicas achou que o negócio de lanchonetes não era a sua expertise e vendeu a rede para investidores dos Estados Unidos em 2002.

A repatriação do Burger King não durou muito, em 2010, a rede foi vendida para investidores brasileiros da 3G Capital por quatro bilhões de dólares. Em quase 20 anos, o controle da companhia passou por três países diferentes, demonstrando o dinamismo das relações comerciais intercontinentais.

O que elas têm em comum? São companhias tradicionais de países desenvolvidos que cruzaram os oceanos várias vezes e “mudaram de nacionalidade” mais de uma vez parando nas mãos dos emergentes. Essa tendência não é nova, mas está cada vez mais forte, muitas marcas (e essas) ainda passarão por várias mãos em diferentes continentes, isso é a Reglobalização de Marcas.

Compartilhe!
error0