Criatividade e a sintonia fina com a gestão de projetos

Ao mergulhar nas páginas do livro “Criatividade S.A.: superando as forças invisíveis que ficam no caminho da verdadeira inspiração”, escrito pelo cofundador da Pixar, Ed Catmull, com a jornalista estadunidense Amy Wallace, somos conduzidos a um universo em que a inovação não é somente valorizada, mas é o coração pulsante de uma cultura organizacional que transformou sonhos em realidade nas telonas do cinema. No entanto, ao transcender os limites do espaço cinematográfico, as lições e princípios delineados pelos autores revelam-se extraordinariamente aplicáveis no campo da gestão de projetos.

Inspiração para elevação

O livro é uma bússola indispensável para gestores que anseiam levar suas equipes a novos patamares de criatividade e desempenho, estimulando o pensamento “fora da caixa”. Catmull salienta a importância de criar um ambiente que encoraje a expressão de ideias, independente da hierarquia na empresa. Em projetos, a inspiração é o combustível que impulsiona equipes a ultrapassarem desafios, buscarem soluções inovadoras e sustentáveis e se adaptarem a mudanças imprevistas para alcançarem resultados com mais resiliência.

A criatividade é, muitas vezes, o elemento que falta em projetos tradicionais. Em “Criatividade S.A.”, os autores argumentam que a resolução de problemas exige uma abordagem que identifique não apenas o que está funcionando, mas também o que não está. No cenário da gestão de projetos, isso significa que as decisões devem ser baseadas em uma compreensão profunda dos desafios e devem provocar novas decisões à medida que o projeto evolui.

Atração de talentos e desenvolvimento

Na gestão de projetos, a visão de Catmull sobre atrair mentes agudas destaca a importância de construir equipes que não apenas possuam habilidades técnicas excepcionais, mas também representem uma diversidade de perspectivas e experiências. A criatividade floresce em ambientes onde a colaboração é fomentada e a expressão individual é valorizada. Nesse contexto, a gestão eficaz não só envolve a alocação de tarefas, mas também o encorajamento para a superação de inseguranças, para que cada membro da equipe contribua plenamente, sem receios.

Aprendizado com fracassos

Aprender com o fracasso se torna um pilar fundamental para o aprimoramento contínuo na gestão de projetos, abordagem amplamente explorada no livro. Cada desafio enfrentado durante a execução de um projeto não é apenas uma inevitabilidade, mas uma oportunidade valiosa de aprendizado. Os autores mostram que as lições mais significativas muitas vezes emergem das falhas, transformando-as em plataformas de conhecimento e melhorias.

Essa perspectiva significa que, para a gestão de projetos, a responsabilidade de identificar e corrigir problemas não deve recair exclusivamente sobre líderes hierárquicos, mas deve ser compartilhada de maneira coletiva por todos os membros da equipe por meio de uma mentalidade colaborativa e orientada para o aprendizado.

Princípios da criatividade nos projetos e nos negócios

O presidente da Pixar Animation traz ainda no livro alguns princípios, como pontos de partida, para gerenciar uma cultura criativa, entre os quais destaco os mais importantes na minha visão:

Dê uma boa ideia a uma equipe medíocre e ela irá estragá-la. Dê uma ideia medíocre a uma grande equipe e ela irá corrigi-la ou oferecer uma coisa melhor. Esta afirmação ressalta a importância de construir equipes excepcionais e a relevância de formar times multifuncionais e diversificados, capazes de colaborarem de maneira eficiente para otimizar ideias e estratégias propostas durante o ciclo de um projeto.

Quando for contratar alguém, além de procurar sempre por pessoas mais inteligentes que você – ainda que seja uma ameaça em potencial – dê a chance de ele crescer mais do que o atual nível de sua qualificação. A promoção de um ambiente que fomente o aprendizado e o desenvolvimento pessoal contribui para o sucesso a longo prazo dos projetos.

As primeiras conclusões que extraímos de nossos sucessos ou fracassos normalmente estão erradas. Medir o resultado sem avaliar o processo é ilusório. A ênfase na revisão constante do processo permite identificar áreas de melhoria, ajustar estratégias e garantir aprendizado contínuo, fundamentais para o aprimoramento da eficiência e eficácia do gerenciamento de projetos.

Não caia na armadilha de que, evitando erros, você não terá nada para corrigir. Na verdade, o custo de evitar erros costuma ser muito maior do que o custo para corrigi-los. Vemos aqui a importância de assumir riscos calculados e a necessidade de uma abordagem equilibrada que promova a aprendizagem por meio da experiência.

Não confunda o processo com a meta. Tornar o produto excelente é a meta. Trabalhar em nossos processos para aprimorá-los é uma atividade indispensável e algo que devemos fazer continuamente.

#Ficaadica

“Criatividade S.A.” não é, portanto, apenas um livro sobre animação; é uma fonte rica de lições para a gestão de projetos. Ao adotar princípios delineados na obra, gestores podem transformar seus projetos em empreendimentos dinâmicos, inovadores e orientados para o sucesso. A jornada para construir uma cultura organizacional criativa não é uma tarefa única, mas sim um compromisso diário que pode levar a resultados esplêndidos. Por tudo isso, talvez, este livro seja considerado pela Forbes como provavelmente o melhor já escrito sobre negócios.

Recomendo fortemente a leitura! Depois me conta o que achou?

Referência

Catmull, E. Criatividade SA: Superando as forças invisíveis que ficam no caminho da verdadeira inspiração. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.

Denis Souza

Licenciatura em Letras pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo com habilitação em Línguas Portuguesa e Inglesa. Pós-Graduação em Gestão de Projetos pela Universidade Anhembi Morumbi. Gerente operacional na Clannad Editora Científica. Experiência em gestão editorial e em gestão de projetos educacionais e eventos no segmento de saúde