fbpx

O futuro phygital: como as live shopping estão revolucionando o varejo

Live Shopping: influenciadores e marcas apostam em modelo de negócios que faz cada vez mais parte da vida do brasileiro

Quem assistiu a televisão nos anos 90, com certeza, se lembra da Shoptime, um canal especializado em demonstrar produtos ao vivo para os telespectadores com a intenção de comercializá-los, que contava com o famoso apresentador Ciro Bottini. Apesar de no momento não ser chamado assim, já lá se dava início ao live shopping no Brasil.

Hoje, o modelo de negócio migrou para os canais mais acessados pela nova geração, que não é tão ligada à TV e sim à internet, mais precisamente, as redes sociais. Tendo ganhado uma proporção muito grande na vida do brasileiro desde o início da pandemia de Covid-19, as lives, se tornaram um excelente meio de comunicação entre influenciadores, marcas, artistas e outros com seu público.

Em 2020, por exemplo, realizamos a primeira live shopping do país via streaming, promovida pela chocolateria Dengo. Devido a quarentena causada pela pandemia, a marca promoveu a live que possibilitou ao cliente interagir com o vendedor ao vivo, visualizar os produtos disponíveis para compra, com informações sobre cada um deles, preço e botão para adicionar ao carrinho, proporcionando uma interação como se o cliente estivesse em um estabelecimento padrão da marca.

Recentemente, por exemplo, a influenciadora digital e empresária Virgínia Fonseca informou que arrecadou mais de R$ 22 milhões na live de sua linha de cosméticos, WePink, que teve duração de 13 horas e rendeu cerca de 194 mil vendas. Um outro fenômeno das lives no país também é o influenciador brasileiro Casimiro, que em novembro de 2022, no seu canal CazéTV, registrou a segunda maior live da história, em que o pico de dispositivos conectados simultaneamente foi de 3,31 milhões.

Com esse crescimento, vimos que as grandes marcas e empresas estão cada vez mais investindo no live commerce, por meio de transmissões via streaming com o intuito de interagir e se aproximar do consumidor. Segundo pesquisa feita pelo Grupo Bittencourt, consultoria especializada no desenvolvimento, gestão e expansão do e-commerce, a taxa de conversão do live commerce é de 16%, enquanto a do e-commerce tradicional é de 2%.
 

Ou seja, é nítido, não só para grandes marcas, mas também para pequenas e médias empresas, que escolher a interação por vídeo com o cliente pode ser uma oportunidade para o aumento de suas vendas. Até porque, mais de 80% dos carrinhos de e-commerce podem ser solucionados com o vendedor interagindo e sanando dúvidas sobre produtos e humanizando o atendimento.

Não é difícil imaginar, que muito em breve, todos os setores de consumo e serviço terão modelos de live commerce para oferecerem seus produtos, muito além das varejistas de roupas, calçados e maquiagem, a tendência deverá estar presente no mercado de construtoras, higiene, hotelaria, e outros. Ainda mais com a crescente necessidade de tornar o relacionamento com o consumidor menos engessado, e permitir uma maior interação, para que ele se sinta ouvido, possa tirar dúvidas, e, ao mesmo tempo, interagir com o influenciador que ele gosta.

Vemos, por exemplo, o Banco Inter que realiza o InterDay, um dia em que o banco promove diversas ofertas inéditas na InterShop. E, com o sucesso, passou a ser realizado anualmente no Super App do Inter.

Atualmente estamos consolidados como a maior empresa do segmento, com mais de 4.000 lives realizadas. E é nesse caminho que venho me dedicando a fazer desse mercado, marcas grandes, mas também pequenas e médias empresas, conhecer essa oportunidade de fazer cada vez mais parte desse novo jeito de fazer negócios, que começou lá na década de 1980 e que hoje se consolida num formato multiplataforma, como digo: estamos a viver a era do streaming anywhere. Nada como pensar em impactar da mesma forma.


Por Marcio Machado: administrador de empresas com formação em tecnologia. Atua há mais de 10 anos produzindo conteúdo, presença digital e ecommerce para grandes marcas. Em 2020, durante a pandemia, lançou a primeira liveshop do país para Dengo Chocolates, que acabou resultando na StreamShop, hoje maior plataforma de soluções de live commerce do Brasil.