As eleições estão chegando e poucos portais de propaganda, marketing e branding discutem as campanhas políticas, sinto um certo receio dos profissionais em abordarem esse tema. Política é muito importante e devemos sim expor nossas opiniões e analisar as estratégias, até mesmo para despertar o interesse por todo o público, se repararmos, vemos poucos jovens envolvidos na política, a geração Y é desinteressada ou até mesmo avessa ao tema, isso se deve porque essa é uma geração que está resgatando os valores éticos, preocupada com aspectos sociais, ambientais, honestidade, e todos nós sabemos que a política brasileira de ética não tem nada. Entretanto, esses indivíduos viram em Marina Silva valores do qual eles compartilham.

Pois bem, essa semana surgiu uma grande discussão com relação à propaganda do Partido dos Trabalhadores, partido esse que administra o país há 12 anos. A propaganda política da candidata Dilma Rousseff compara Marina Silva com os ex-presidentes Fernando Collor e Janio Quadros, o primeiro sofreu um impeachment, o segundo renunciou. Collor citado na campanha, é um dos aliados do governo de Dilma.

O PT sempre usou de estratégias apelativas e táticas ofensivas para atacar seus opositores ao invés de pontuar seu plano de governo, sua marca foi construída com base num discurso populista, porém todos sabemos que a reputação de uma marca se constrói com entrega e não apenas promessas.

O ex-presidente e “grande homem” do partido, Luiz Inácio Lula da Silva, fez promessas do tipo: erradicar o analfabetismo, mas não conseguiu, para se ter uma ideia, o Brasil é o país com menos graduados entre os emergentes*; investiu bilhões na transposição do Rio São Francisco e a obra não tem nem previsão de término. Além disso, a economia brasileira está “engatinhando”, com previsão de crescimento de menos de 1% nesse ano de 2014, enquanto a China planeja um crescimento de 7,5%.

dilma_lulaFora todas as promessas de campanhas não realizadas pelos candidatos do partido, o governo petista coleciona escândalos de corrupção, como o mensalão. Apoiado na guerra entre classes, seus militantes usam de termos de séculos passados como burguesia, clero e proletariado, ao invés de promover a união e o bom relacionamento entre as pessoas, insistem na política de segregação dizendo apoio às “minorias”. Esse discurso populista barato já não é capaz de persuadir uma população conectada e em rede, por isso a grande rejeição dos jovens para com o partido. Sabemos que somos todos interdependentes e uma sociedade só é saudável quando todos ganham, esse discurso burocrático e hipócrita já não cabe nos dias de hoje.

Por fim, esse artigo serve de reflexão, hoje a principal marca da política brasileira, o PT, não cumpre as promessas ao “consumidor”, tem seus valores questionados, usam de táticas sujas para denegrir a imagem de quem já foi aliado do partido, afinal, a Marina Silva foi ministra do governo Lula e hoje ela não serve mais?

O Brasil é um país com um grande potencial e uma marca muito valiosa, é inadmissível aceitarmos como principal marca da nossa política um partido hipócrita e com uma imagem tão deteriorada. Não se constrói uma marca com mentiras!

“Nenhuma herança é tão rica quanto a honestidade.” William Shakespeare

*fonte: Levantamento feito pelo especialista em análise de dados educacionais Ernesto Faria, a partir de relatório da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Compartilhe!
error0

Write A Comment