A organização que não cria meios para que o trabalho flua, não cria bons porta-vozes. Inicio meu texto com esta frase, pois, o colaborador deve ser o primeiro a falar da organização e deveria ele ser o primeiro a falar bem. Afinal, ele também é responsável pelo seu desempenho, em contribuir na concretização da sua missão.

Se eu, como organização tenho um papel a cumprir dentro da sociedade, eu como colaborador também tenho minhas responsabilidades, e isso é refletir a identidade, a marca e os propósitos.

Ter clareza de sua identidade é um passo fundamental para desenvolver sua marca e ainda contribuir com a marca da organização.

Pensando em como “eu”, colaborador, posso ajudar a organização, é preciso refletir qual o meu papel dentro dela. Sem dúvida, sabemos que fomos contratados para desempenhar uma determinada função e que somos remunerados para isso, mas como desempenhar esta função e atender as expectativas do empregador, bem como as nossas?

Penso que atender as nossas expectativas está voltada a diversos fatores como remuneração, bem-estar, princípios éticos, reconhecimento… E para a organização, talvez, no retorno financeiro, na redução de custo e no reconhecimento, que pode gerar admiração pelos seus públicos.

Voltando para “o nosso” papel na empresa, o colaborador deve ter clareza do propósito da organização e entender o porquê dele estar nela. Deixando o que foi citado anteriormente de lado, pois entendo que seja sabido, o papel desempenhado pelo colaborador é fundamental para o andamento da organização. Suas ações e comportamentos dentro dela o guiarão e refletirão nela.

Conhecer seu papel ajudará na tomada de decisão. Contribuirá também em conhecer seus limites dentro da organização. Quando cito limites, quero me referir em respeitar o papel do outro, confiar no outro, saber de suas responsabilidades e apoiar o trabalho colaborativo.

Papéis definidos e respeitados, contando com o outro para alcançar os resultados, pode e deve permitir um ambiente colaborativo. Nada de pensar como muitos já fizeram na graduação “essa não é a minha parte”, pois na organização, seu crescimento, desenvolvimento e reconhecimento é responsabilidade de todos. Assim como é responsabilidade da organização permitir o desenvolvimento de seus colaboradores. Se tenho habilidades e competências preciso de ferramentas para colocá-las em práticas, preciso de meios para desempenhar adequadamente meu papel.

Compartilhe!
error0
Author

Cofundadora e Gestora Executiva de Cursos e Eventos do InfoBranding Cofundadora e Gestora Executiva de Cursos e Eventos do InfoBranding. Administradora formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, com especialização em Gestão de Marcas e Branding pela BSP Business School São Paulo, Gestão de Organizações do 3º setor, pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, Magistério do Ensino Superior pela PUC-SP – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e EaD Elaboração de Material, Tutoria e Ambientes Virtuais pela Universidade Cruzeiro do Sul. Atuou em Consultoria de Marketing e Educação, com desenvolvimento de estudos e pesquisas sobre cultura e identidade organizacional, governança corporativa e estudos de mercado. Atua como professora orientadora de Projetos Finais na BSP Business School São Paulo, professora de Pós-graduação do Centro Educacional Belas Artes e Docente de Ensino Superior dos cursos de Negócios na Faculdade das Américas – FAM.

Write A Comment