Tag

marketing pessoal

Browsing

Essa tem sido uma pergunta constante em minhas aulas, palestras e discussões, e entender essa diferença é importante para a carreira profissional. Branding pessoal é o mesmo que gestão da marca pessoal e tem por objetivo construir uma marca que se destaque no mercado. Já marketing pessoal vai ajudar a construir essa marca, definindo quais são as estratégias ideias para o sucesso profissional e pessoal.

Então já começo com a pergunta: “qual é o seu plano de marketing? Ou melhor, você tem um plano estratégico de marketing para construção da sua marca pessoal?

Marketing é a ciência que estuda as necessidades e desejos de uma determinada demanda no mercado, com o objetivo de oferecer produtos e serviços que os atendam.

As estratégias de marketing focam em otimizar as ofertas para que sejam o mais bem sucedidas possível em determinado mercado. Assim, estratégias de marketing bem planejadas alavancam o sucesso de produtos, serviços, empresas. Quanto mais consistente e alinhado com o mercado, maiores as chances de sucesso de um plano. Não basta apenas que o produto seja bom, ele precisa estar alinhado com as necessidades de mercado para ter sucesso.

Assim como no marketing de qualquer produto ou serviço no mercado, o marketing pessoal também precisa de estratégia. O seu principal produto é você, no entanto, uma grande parte dos profissionais passa a vida sem traçar um planejamento de carreira consciente e consistente buscando alcançar metas pessoais. Mesmo que você tenha um objetivo bem definido para a sua carreira profissional, sem um plano, ele tem poucas chances de se realizar.

O planejamento de marketing pessoal é equivalente a qualquer planejamento de marketing, aplicando-se a mesma metodologia ao produto “você”. Você conhece o seu ambiente? Mercado? Clientes? Concorrentes? Todo produto é composto de conteúdo (produto ou serviço em si), embalagem e marca. Você conhece bem o seu produto? Você tem marca pessoal? Como é a sua “embalagem”? Quais são as suas características principais?

Após analisarmos o ambiente e produto, precisamos avaliar as nossas competências e os cenários possíveis para podermos escolher as melhores estratégias de atuação. O instrumento que nos auxilia a fazer isso nos planos de marketing é a matriz SWOT (forças, fraquezas, ameaças e oportunidades) – ela é essencial para compreendermos o contexto estratégico do seu produto. Você sabe quais são as suas forças pessoais? E fraquezas? Você já fez uma análise de cenários avaliando ameaças e oportunidades? Qual é a sua situação? Como você pode usar as suas forças para aproveitar as oportunidades do mercado e se defender das ameaças? O que você pode fazer para amenizar as suas fraquezas?

Combinando-se o produto com o seu preço, praça e comunicação (promoção)obtemos as estratégias variadas para se alcançar objetivos distintos. Qual a melhor combinação de produto, preço, praça e promoção para você? Como você se apresenta? Qual é o seu conteúdo? Que plataformas você usa para se promover? Você tira proveito do ambiente digital?

Essas são apenas algumas das questões que precisam ser respondidas para traçar um plano de marketing pessoal. Desenvolver esse planejamento e cuidar da marca pessoal são ações essenciais, pois da mesma forma que os produtos e serviços produzidos e oferecidos por empresas podem ser lançados, substituídos ou descontinuados, o mesmo pode acontecer com você!

Lembre que você é o gestor nesse processo, portanto as estratégias de marketing pessoal bem feito fará a diferença na construção de uma marca pessoal diferenciada no mercado.

Compartilhe!
error0

Diferencie-se no mercado competitivo com uma marca pessoal de valor.

Muito do que venho lendo sobre Personal Branding pelos “sites.br” afora e em artigos nacionais, são definições de como comunicar as habilidades e competências, de como comportar-se em público, como ser, como fazer, etc. Erro atrás de erro.

O mercado profissional em que vivemos hoje exige padrões competitivos muito altos, ser um profissional empenhado, com pós-graduação, falando mais de um idioma, já não é aquele diferencial no mercado, muitos e muitos estão no mesmo nível que você. Então você pensa: ok, além disso eu me expresso bem, sou comunicativo, atencioso e educado, ando sempre arrumado, estou atualizado tecnologicamente com equipamentos de última geração (como smartphone), etc. Pois é, isso tudo é bom, mas continua não sendo um diferencial.

Ou então alguns profissionais equivocados acham que pegar uma monte de dicas e macetes do tipo como vestir-se e se comportar em público já seria o suficiente e, ao serem questionados, dizem: ESTOU FAZENDO MEU MARKETING PESSOAL, achando que isso será sinônimo de sucesso.

Nessa busca do “vender-se” melhor que o concorrente, vamos atrás de tudo, desde um bom programa de marketing pessoal, curso de oratória, coaching, etc. Quero deixar bem claro aqui que, de forma alguma estou desmerecendo esses temas, pois são muito significantes, mas no tempo certo.

O Marketing Pessoal vem para dar visibilidade às habilidades e competências relevantes, é saber comunicar o que irá gerar reconhecimento por parte dos outros.

Mas você deve estar se perguntando, e onde entra o Personal Branding então?

 

O que fazer? Como fazer? O que muda no processo de “me vender”?

Primeiro queria que você refletisse: Você acha que pode fazer seu Marketing Pessoal sem ter uma Marca Pessoal? Muitos acham que sim!

Respondo: Não, não adianta pular etapas. Marca Pessoal (Personal Branding) é algo que vai muito além do marketing pessoal, principalmente para o profissional de hoje. Não há consistência em comunicar sem se conhecer.

Primeiro precisamos partir do autoconhecimento, pois é fácil apontar para os outros e falar deles, mas na hora que virar o mesmo dedo para o nosso peito e nos expormos falando de nós, uhhhmmmm… aí a coisa muda de figura. Terceirizamos o nosso autoconhecimento aos livros de autoajuda, mapa astral, tarô, horóscopo, etc., mas não fazemos o principal que é buscar em nós essas informações, entendendo quem somos e como somos. Parece terapia, e de início é! Como posso comercializar ou fazer o marketing de algo que não conheço?

Então o primeiro passo é o autoconhecimento, seguido de uma boa pesquisa e um diagnóstico como no branding corporativo, para identificarmos nossas forças, fraquezas, oportunidades e ameaças, através de uma análise SWOT pessoal, além é claro,de conhecer o seu mercado.

Mas não para por aí. É possível, por meio de uma metodologia, criar a sua plataforma de Marca Pessoal, identificando seus valores e capacidades, criando seu posicionamento, missão e visão de futuro bem claras e objetivas. Definir seus diferenciais, desenvolver seu trueline, que gosto de chamar de mantra da Marca Pessoal, bem como seu tagline.

Com a construção de uma plataforma bem definida e embasada da Marca Pessoal, o Marketing Pessoal será eficaz e a “venda” desta marca será bem mais fácil, pois estará transmitindo aquilo que realmente você é, ou seja, a comunicação estará alinhada com seu conteúdo. Existirá a entrega de uma promessa.

O objetivo é construir reputação e ajudar a aumentar a rede de contatos de uma forma que o procurem pelo seu conhecimento e expertise. Uma marca bem feita vale dinheiro para as empresas, prestígio e espaço para quem quer se destacar na carreira.

Invista na sua Marca Pessoal.

 

Paulo Moreti

Formado em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda (Faculdades Integradas Alcântara Machado) e pós-graduado em Branding – Gestão de Marcas (Faculdades Integradas Rio Branco). Proprietário da Element Publicidade, estúdio de criação há 25 anos de mercado. Gestor de Marcas Pessoais (Personal Branding). Professor das Faculdades Integradas Rio Branco (MBA Branding Innovation e módulo Personal Branding em São Paulo e Rio de Janeiro), e FMU (curso de extensão em Branding). Professor convidado do IED – Istituto Europeu di Design (curso de Branding) e do SINESP – Sindicato dos Nutricionistas de São Paulo (curso Rumo Certo), no módulo Estrada 6 – que versa sobre marketing e marketing pessoal. Autor do Livro O Marketing também veste branco.

Compartilhe!
error0

Sonhos e projetos são fatores que nos impulsionam a caminhar e a buscar novas possibilidades de realização pessoal e profissional. Quando estamos entusiasmados com algo buscamos fazer com que essa sensação não acabe, portanto alimentamos esses sonhos e trabalhamos em cima desses projetos  visando a sua realização. No entanto para a realização destes necessitamos nos esforçar, nos dedicar e transpirar.

Em um artigo recente que escrevi eu abordei a questão do “brilho nos olhos”, neste me propus a refletir sobre quando este brilho se apaga e precisamos dizer “Adeus”. Acreditar em algo que tem tudo para dar certo é tão fascinante e estimulador, mas quando tudo isso deixa de encantar, empurramos com a barriga ou simplesmente deixamos de lado… uma obra inacabada.

O que me parece é que a falta de entendimento entre os envolvidos no processo de realização e ainda, a não atenção ao que acontece com o tal projeto bacana, podem contribuir para que se torne secundário, desinteressante e chato. Onde está o brilho nos olhos? E a Paixão? E a empolgação inicial? Tudo se acabou sem antes transpirar e se comprometer?

Há pequenos empreendimentos e projetos que se finalizam logo no seu início por falta de preparo, planejamento e visão de negócio. Outros terminam pelo simples fato de não haver mais ânimo de continuar, pois como nem tudo é perfeito como no início, é preferível deixar para lá.

Imagino se Steve Jobs tivesse deixado tudo para lá…

Casamentos se acabam pois os casais não estão preparados ou dispostos a enfrentar as adversidades que ocorrem ao longo da vida, sejam elas pessoais, profissionais, financeiros… enfim é mais fácil deixar.

Pensar nisto é também pensar em Marketing e Branding!

Marcas que foram deixadas para lá não foram conhecidas e não chegaram ao sucesso.

Buscando histórias de sucesso, vem aos montes na minha cabeça, lembro de empreendedores entusiasmados e dedicados. Transpiravam seus valores, respiravam seus negócios e disseminavam seu propósito.

Luiza Helena, Romero Rodrigues, Alexandre Costa, Samuel Klein, Comandante Rolin… Dentre tantos outros que fizeram histórias e outros que farão… mas isso só acontecerá se não for deixado para lá.

Não quero dizer Adeus! Não quero desistir deste sonho… devo caminhar e persistir!

Dificuldades são diversas e elas surgirão, sem dúvida, mas para se fazer história é necessário coragem e persistência. Não desistir!

Como disse Steve Jobs: “Cada sonho que você deixa pra trás, é um pedaço do seu futuro que deixa de existir”.

Um novo projeto, um novo ano, um novo emprego e novas perspectivas… a dedicação e transpiração são necessárias, as dificuldades também! Então… tenha PERSEVERANÇA e busque aquele projeto que ficou parado, mas ainda há carinho por ele e faça acontecer.

Conheça um pouco das histórias de empreendedores que fazem, fizeram ou farão história…você não quer fazer parte deste grupo?

 

Consultas:

http://exame.abril.com.br/pme/noticias/7-historias-de-empreendedores-brasileiros-de-sucesso

http://revistapegn.globo.com/Noticias/noticia/2014/06/8-adolescentes-que-ja-sao-empreendedores-de-sucesso.html

Compartilhe!
error0

Essa tem sido uma pergunta constante em minhas aulas, palestras e discussões, e entender essa diferença é importante para a carreira profissional. Branding Pessoal é o mesmo que gestão da marca pessoal e tem por objetivo construir uma marca que se destaque no mercado. Já marketing pessoal vai ajudar a construir essa marca, definindo quais são as estratégias ideias para o sucesso profissional e pessoal.

Então já começo com a pergunta: “qual é o seu plano de marketing?”  Ou melhor, você tem um plano estratégico de marketing para construção da sua marca pessoal?

Marketing é a ciência que estuda as necessidades e desejos de uma determinada demanda no mercado, com o objetivo de oferecer produtos e serviços que os atendam.

As estratégias de marketing focam em otimizar as ofertas para que sejam o mais bem sucedidas possível em determinado mercado. Assim, estratégias de marketing bem planejadas alavancam o sucesso de produtos, serviços, empresas. Quanto mais consistente e alinhado com o mercado, maiores as chances de sucesso de um plano. Não basta apenas que o produto seja bom, ele precisa estar alinhado com as necessidades de mercado para ter sucesso.

Assim como no marketing de qualquer produto ou serviço no mercado, o marketing pessoal também precisa de estratégia.  O seu principal produto é você, no entanto, uma grande parte dos profissionais passa a vida sem  traçar um planejamento de carreira consciente e consistente buscando alcançar metas pessoais. Mesmo que você tenha um objetivo bem definido para a sua carreira profissional, sem um plano, ele tem poucas chances de se realizar.

O planejamento de marketing pessoal é equivalente a qualquer planejamento de marketing, aplicando-se a mesma metodologia ao produto “você”. Você conhece o seu ambiente? Mercado? Clientes? Concorrentes? Todo produto é composto de conteúdo (produto ou serviço em si), embalagem e marca. Você conhece bem o seu produto? Você tem marca pessoal? Como é a sua “embalagem”? Quais são as suas características principais?

Após analisarmos o ambiente e produto, precisamos avaliar as nossas competências e os cenários possíveis para podermos escolher as melhores estratégias de atuação. O instrumento que nos auxilia a fazer isso nos planos de marketing é a matriz SWOT (forças, fraquezas, ameaças e oportunidades) – ela é essencial para compreendermos o contexto estratégico do seu produto. Você sabe quais são as suas forças pessoais? E fraquezas? Você já fez uma análise de cenários avaliando ameaças e oportunidades? Qual é a sua situação? Como você pode usar as suas forças para aproveitar as oportunidades do mercado e se defender das ameaças? O que você pode fazer para amenizar as suas fraquezas?

Combinando-se o produto com o seu preço, praça e comunicação (promoção) obtemos as estratégias variadas para se alcançar objetivos distintos. Qual a melhor combinação de produto, preço, praça e promoção para você? Como você se apresenta? Qual é o seu conteúdo? Que plataformas você usa para se promover? Você tira proveito do ambiente digital?

Essas são apenas algumas das questões que precisam ser respondidas para traçar um plano de marketing pessoal. Desenvolver esse planejamento e cuidar da marca pessoal são ações essenciais, pois da mesma forma que os produtos e serviços produzidos e oferecidos por empresas podem ser lançados, substituídos ou descontinuados, o mesmo pode acontecer com você!

Lembre que você é o gestor nesse processo, portanto as estratégias de  marketing pessoal bem feito fará a diferença na construção de uma marca pessoal diferenciada no mercado.

Compartilhe!
error0