Tag

midias sociais

Browsing

Muito se fala e se discute sobre o que o profissional poderia postar nas mídias sociais. O intuito deste artigo não será discutir a ética através dos conselhos profissionais – deixaremos isso para uma outra ocasião. Veremos aqui o bom senso, do que seria uma relação não só social mais também profissional.

Desde que o profissional da saúde se forma, a sociedade espera que ele tenha uma postura condizente com o “que sou” ou “aparento ser” e o que “eu faço” ou “eu entrego”. Mas o que significa isso?  Muitas vezes o cliente antes de optar por um ou outro profissional, dá uma espiadinha no facebook, no instagran, linkedin e por aí afora…tentando não só conhecer suas habilidades técnicas, mas do que ele gosta, seus hobbies …tentando se identificar com  um estilo de vida!

Assim, o cliente também se identificaria com o futuro profissional  não só por ele ser exelente ( seu currículo diz isso), ter uma clínica linda (seu site mostra isso) mas por  ter um estilo de vida que lhe agrada (as mídias sociais mostram isso)!

Numa época em que o acesso à internet está ao alcance de todos,  o profissional da área de saúde é exposto de todas as formas, também em sua vida pessoal.  Vivemos hoje, de tal forma que as informações vem e vão e como profissionais que somos deveríamos tomar cuidado com o “calor do momento”  não nos colocando em situações que poderiam perder o controle ou que nos ridicularizem.

Quais os cuidados que os profissionais poderiam ter ao postar algo nas redes sociais?

  • Ter um bom português, escrever de forma clara;
  • Escrever a verdade sobre sua formação acadêmica;
  • Checar qualquer informação antes de compartilhar a mesma;
  • Tudo que for relativo a seus pacientes deve ser resguardado;
  • Cuidado com os direitos autorais, seja em imagens ou textos. Reporte de quem são.

Acreditar no que faz, ser e viver no que acredita ser é a melhor forma de viver em sociedade. Rede social é uma comunidade. Respeite e seja respeitado.

 


Por Dra. Paula Machado:

Possui graduação em Odontologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1992), especialização em Desordens da ATM e Músculos da Mastigação pela Universidade Federal de São Paulo (2001), especialização em Radiologia pela Universidade Camilo Castelo Branco (1999), mestrado em Morfologia Aplicada à Área da Saúde pela Universidade Federal de São Paulo (2005) e aperfeiçoamento em Odontopediatria pelo Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico da Odontologia (1994). Por dez anos foi preceptora da Universidade Federal de São Paulo, Preceptora do Instituto da Cabeça – Hospital São Paulo e Professora Assistente do Associação Brasileira de Ensino Odontológico. Atuando principalmente nos seguintes temas: Odontologia, Força de mordida, Miopatia Nemalínica, Estética bucal, Disfunções na ATM.

Caso você ainda esteja passeando pelas mídias sociais, batendo papinho com amigos e familiares, postando fotos do seu último lanchinho ou aquela balada que acabou com você ontem… talvez seja hora de repensar pois, com toda certeza, elas (mídias sociais) podem não estar ajudando a fortalecer sua marca e, pior, provavelmente estas postagens não estejam dando credibilidade para um possível contato profissional. Você pode até achar que “não pega nada” publicar essas coisas, mas as empresas e seus recrutadores estão atentos a tudo.

Veja os 10 maiores erros cometidos em redes sociais:

  • 46% publicam fotos improprias e depreciativas;
  • 41% publicam informações sobre consumo de álcool ou drogas;
  • 36% publicam reclamações sobre antigos empregos e ex-chefes;
  • 32% publicam habilidades de comunicação pobres;
  • 28% publicam comentários discriminatórios;
  • 25% publicam mentiras sobre qualificações;
  • 24% publicam/compartilham informações confidenciais;
  • 22% publicam ligações com práticas ilícitas;
  • 21% publicam apelidos não profissionais e
  • 13% publicam mentiras sobre ausências no trabalho.

Fonte: Exame

Cada dia mais e mais empresas estão criando estratégias on-line para fortalecer suas marcas,  aproximá-las de seus clientes e também conquistar novos, isso não é exclusividade das empresas, as pessoas também podem e devem construir suas marcas.

Construir uma marca pessoal em mídias sociais não acontece da noite para o dia, é um compromisso de longo prazo. Para garantir o sucesso com sua marca pessoal em mídias sociais é essencial ter um bom design, criar e compartilhar conteúdos interessantes e atuais ou que gerem debates de ideias, e construir um bom relacionamento com outros usuários.

O erro mais comum é que as pessoas iniciam suas páginas na adolescência com apelidos “gatinha gostosa”, ”sarado 15” ou “predador”, etc., e é lógico que nessa idade não passa nem de longe a ideia de se trabalhar a marca pessoal. Agora, já imaginou você se cadastrando numa empresa e a área de recrutamento/RH recebendo sua ficha ou currículo e, no item e-mail está preenchido: lindo27sp@hotmail.com!!! Bom, já deu pra perceber por onde devemos começar essa jornada.

Padronizar e/ou organizar os perfis das suas mídias sociais é o próximo passo, isso trará consistência para a apresentação na sua marca, além de profissionalismo. E é aqui que você precisa evidenciar seus diferenciais, suas habilidadese seu propósito de vida.

Outro ponto a se refletir é o compartilhamento de conteúdo. A internet está cheia de bichinhos fofinhos, vídeos engraçados e memes, mas mesmo que você ache isso tudo legal de postar, não compartilhe em suas páginas de mídia social, seja mais objetivo sobre o que você posta pois através destas postagens você está construindo para os outros, ou melhor, deixando que os outros construam a imagem da sua marca. O objetivo deve ser postar e compartilhar conteúdo que seja significativo, opiniões que sejam perspicazes e pensamentos que sejam valiosos. Conteúdo visual é algo muito interessante, pois somos seres visuais, nosso cérebro é capaz de processar mais imagens e vídeos do que grandes massas de texto.

Porém, nada disso que falamos até agora funcionará se você não tiver um bom networking. Crie sua rede de contatos, busque se conectar a pessoas e interagir com elas.

 

Paulo Moreti

Fundador da Element Comunicação, gestor de marcas e especializado em Gestão de Marcas Pessoais, palestrante, autor do livro o Marketing também Veste Branco, professor convidado em diversas instituições de ensino com o curso Personal Branding – step by step, tais como: Faculdades Integradas Rio Branco, MBA “New Branding Innovation”, IED – Istituto Europeu Di Design, curso de pós-graduação “Fashion Marketing” e Branding Experience, Instituto Mauá de Tecnologia no curso de pós-graduação “Creative Design Business”, no SENAC no curso de pós-graduação “Negócios da Moda: Gestão, Marca e Coleção” e na FMU no curso de extensão em Branding. Cofundador da CreAtiveMood, espaço alternativo para colaborar, pesquisar, educar, experimentar e fazer, onde criamos cursos, palestras, workshops, oficinas e laboratórios para qualquer pessoa que acredite no autodesenvolvimento como ferramenta de inserção e sobrevivência no mundo pessoal e profissional. Associado da BrandTeam, projetos de Branding colaborativos.

No mundo contemporâneo, gestão de marcas não se refere apenas às empresas, produtos e serviços, mas também a pessoas. Neste sentido, a importância do desenvolvimento de habilidades, de competências e de engajamento constrói o reconhecimento no mercado.

Como auxílio para o trabalho, objetiva-se com este estudo mostrar a importância das mídias sociais para atingir o maior número de pessoas e mostrar “quem somos” e o “que fazemos”, além de apresentar a opção da rede social Linkedin, que é pouco lembrada e usada pelos internautas, mas que possui papel fundamental no processo de construção de uma marca pessoal sólida e significativa.

É importante destacar que as plataformas digitais de sociabilização não possuem barreiras geográficas. É neste local que as pessoas conseguem expressar pensamentos e crenças na forma de conteúdo, além de ser um ambiente em que as pessoas estão mais propícias à receber informação, de todos os gêneros. Ao pensarmos em rede social, a plataforma do Facebook é top of mind, pois é onde se tem o maior número de amigos e contatos. Na plataforma, publica-se tudo sobre o dia a dia, pessoal e profissional.

Postar no Facebook virou situação rotineira, quase como escovar os dentes. Trabalha-se tão fortemente nesta plataforma, com atualizações diárias, publicações pessoais e participações em eventos, palestras e cursos que, muitas vezes, o internauta deixa passar a informação de que além dessa rede, existem outras opções de redes sociais, onde é possível explorar o perfil pessoal e trabalhá-lo com o foco no “Selfie Branding”.

Um exemplo é o Linkedin, uma plataforma criada com foco em network. A rede já atingiu mais de 15 milhões de usuários no Brasil, estando na terceira colocação no mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e Índia. Desde 2003, seu ano de nascimento, busca aperfeiçoamento das ferramentas para aproximar e envolver os contatos. A rede, além de ajudar a realizar conexões, traz espaço para filtros, recomendações, exposição do currículo, além de um termômetro de “skills” que são preenchidos por amigos de rede social. É preciso entender que o LinkedIn é muito mais importate do que entrar em qualquer outra rede, quando o assunto é a gestão da marca pessoal. Existem pontos na plataformas que se utilizados, fazem total diferença no resultado final do processo de construção do “Selfie Branding”.

É importante que o usuário se relacione com extrema veracidade e mostre confiança as suas conexões. Além disso, a rede de contatos está ali não apenas para ser uma “estante”: é essencial cuidar da rede, sempre estabelecendo um posicionamento de acordo com os objetivos profissionais e pessoais. Estudar, pesquisar e entender mais a plataforma é prioridade para quem quer trabalhar a gestão da sua marca pessoal.

A partir dessa metodologia de estudo, que visa o melhor aproveitamento da plataforma do Linkedin, através da análise e do aprendizado de como utilizar as ferramentas que a mídia oferece, é possível visualizar uma grande mudança nas ações para o crescimento da carreira profissional e do trabalho efetivo de gestão de marca pessoal.

O fenômeno das mídias sociais é cada vez mais forte no mundo do marketing e da gestão de marcas. Todas as empresas, não importam se pequenas, médias ou grandes, querem estar lá!

Uma pesquisa realizada pelo Altimer Group e Wetpaint para a revista Business Week (a pesquisa contou com as 100 empresas mais valiosas do mundo), mostrou que as corporações que investem em mídias sociais apresentam melhores resultados e uma receita final maior. Organizações que realizaram o investimento nas plataformas cresceram em média 18% em um ano.

Além do crescimento, é uma super oportunidade para conhecer mais de perto seus clientes, escutá-los e também saber o que estão falando sobre você. Todas querem ter um perfil nas redes sociais, mas antes é preciso entender “o porquê de tudo isso”.

“Algumas tecnologias da inteligência causam impacto profundo e alteram significativamente o modo como produzimos e tratamos as informações e nossas diversas representações no mundo físico e social, este é o caso das mídias sociais”. (André Telles)

É preciso saber o impacto que essa tecnologia causa e se está contemplado na estratégia de comunicação da empresa. Entender o “por que” da presença neste ambiente e saber quais as causas e efeitos que a instituição absorverá disso é fator chave para o sucesso da sua ação.

Mídias Sociais fazem parte de uma grande estratégia para a gestão da sua marca, mas não é a solução para todos os seus problemas, como algumas corporações acreditam. É preciso ter uma estratégia macro e dentro dela, um dos braços será uma plataforma online de relacionamento, em que a empresa tratará de igual pra igual com seus clientes.

Além disso, toda plataforma já vem com seu propósito de marca pré-estabelecido. Nós como empresa, precisamos saber disso e analisarmos se dentro da nossa estratégia, as ações podem ser realizadas sem acontecer nenhum choque de valores. Entender bem sobre a plataforma de mídia social que você quer atuar é essencial para criar potencial e diferencial competitivo.

Não adianta entrar em todas as mídias sociais achando que isso trará retorno. O mais importante é saber se a ferramenta que você utiliza tem potencial suficiente para seus objetivos e metas como marca. Caso ainda não esteja em nenhuma delas, um estudo mais profundo sobre cada uma determinará a escolha mais assertiva.