Tag

Slider

Browsing

Pesquisa recente da Kantar, consultoria e líder global em dados e insights, revela que duas atitudes são importantes para os brasileiros com relação às marcas diante da pandemia do coronavírus: serem exemplos e liderarem a mudança; e serem práticas e realistas.


O complexo cenário atual, marcado pela pandemia do COVID-19, impacta o mundo nos aspectos econômico, social e até ambiental, fazendo com que muitas pessoas passem a refletir sobre seu comportamento de consumo, suas relações com a tecnologia e, inclusive, sua forma de contribuir e se relacionar com a comunidade.

Neste contexto, as marcas também passam (e devem) refletir sobre que tipo de comunicação utilizar e como devem agir. Afinal, não apenas seus consumidores, mas também colaboradores e demais stakeholders esperam um posicionamento das marcas, empatia e uma real preocupação com o ser humano num momento marcado pela insegurança e pelo medo.

Uma pesquisa da Kantar, realizada com 500 entrevistados de forma online entre os dias 13 e 16 de março, revelou que o coronavírus já preocupava 80% dos brasileiros. E quando questionados com relação ao tipo de publicidade em que as marcas brasileiras deveriam continuar investindo, mais de 80% dos entrevistados concordaram completamente que elas devem comunicar seus esforços para enfrentar a situação e sobre como podem ser úteis nesse novo dia a dia, assim como evitar explorar a situação do coronavírus para promover suas marcas.

O que os entrevistados esperam com relação ao posicionamento das marcas no Brasil?

  • Que sirvam de exemplo e guiem a mudança (25%)
  • Sejam práticas, realistas e ajudem consumidores no dia a dia (21%)
  • Ataquem a crise e demonstrem que ela pode ser derrotada (20%)
  • Usem seu conteúdo para explicar e informar (18%)
  • Reduzam a ansiedade e entendam as necessidades dos consumidores (11%)
  • Sejam otimistas e pensem de formas não convencionais (3%)

Segundo Valkiria Garre, CEO de insights na Kantar Brasil, “Por ser um momento sensível, mensagens podem ser mal interpretadas, conteúdos podem gerar desserviços e peças criativas podem estimular o sentimento errado. Ainda assim, as marcas devem continuar investindo de forma estratégica para conseguir crescimento a longo prazo.”

Quais atitudes os consumidores esperam das empresas como organizações?

Ainda segundo a Kantar, na opinião dos brasileiros o mais fundamental nesse momento é se preocupar com a saúde de seus colaboradores, higienizando os locais de trabalho (67%) e possibilitando os horários flexíveis (18%). Em contrapartida, a minoria dos entrevistados espera que as empresas ofereçam descontos e promoções aos consumidores (1%) e doações para apoiar compra de materiais para hospitais (2%).

“Estamos vivendo um momento delicado da nossa história e devemos prezar primeiramente pela saúde da população. Toda e qualquer outra decisão deve ser pautada no uso de dados e informações para que os resultados sejam os mais benéficos possíveis”, diz Valkiria.


Imagem: Fusion Medical Animation, 2020.

Compartilhe!
error0

Conheça a história de Alessandra Martinelli, dentista apaixonada pela profissão, que a cada atendimento entrega mais do que qualidade e encanta seus pacientes há mais de 25 anos

A Jornada do Branding mostra que gestão de marcas não é algo apenas para grandes empresas ou nichos específicos. Ela pode acontecer independente do porte e segmento de atuação do negócio ou profissional.

Pensar, planejar e colocar em prática estratégias que construam uma marca sólida são características determinantes na trajetória rumo ao sucesso e dependem, sobretudo, da atenção e foco de seu gestor.

De longo prazo, a gestão de uma marca começa junto com a abertura do negócio, quando as primeiras referências sobre ele começam a surgir e perdura durante toda a sua existência, atingindo novos patamares a cada ação implementada.

No caso dos profissionais, a construção de suas marcas começa na escolha da profissão a ser seguida, como é o caso da Dra. Alessandra Martinelli, dentista com mais de 25 anos de experiência, especialista em odontopediatria e ortodontia, com atuação em clínicas particulares e ambiente acadêmico que visitamos para esta Jornada do Branding!

UMA HISTÓRIA DE ENCANTAMENTO 

Alessandra Martinelli vem de uma família de dentistas e, como acontece com muitos profissionais, escolheu sua profissão influenciada por essa realidade. Mas sua atuação e histórico profissional foi marcado por uma abordagem única, pautada na paixão e no carinho, cativando os pacientes e construindo vínculos que transcendem gerações, ou seja, acompanhando mais do que a saúde bucal de seus pacientes, acompanhando suas vidas.

Assim como acontece com muitos profissionais de saúde, Alessandra Martinelli conquistou seus pacientes por indicação, com base no famoso processo de boca-a-boca, que hoje sabemos estar potencializado pelas redes sociais.

Clientes por indicação, além de uma oportunidade, são um verdadeiro desafio. Uma vez que, por terem recebido uma recomendação de um conhecido, chegam ao profissional e/ou sua marca imbuídos de percepções pré-concebidas.

Cabe a essas marcas e profissionais ir além do bom atendimento e criar experiências memoráveis que entreguem mais do que o esperado e causem um impacto tão positivo que transforma cada novo cliente em um advogado da marca, que vai indicá-la e perpetuá-la por sua rede de contatos, dando sequência à jornada do consumidor que, no mundo digital, tem nas recomendações uma etapa fundamental. Para saber mais sobre a Jornada do Consumidor na era digital, acesse este link.

Alessandra sempre se preocupou com a experiência de seu atendimento e, nesses anos de atuação, transformou cada contato com seus pacientes em uma oportunidade de difundir sua marca, reconhecida pelo carinho e paixão profunda pelo que faz.

Guy Kawasaki, conhecido por sua posição de “evangelista-chefe” na Apple e tendo trabalhado lado a lado com Steve Jobs, reforça a importância de fazer os outros acreditarem nas coisas antes mesmo de poderem vê-las. Durante sua atuação na Apple, sua missão era convencer as pessoas a comprar ou investir em algo em que ele acreditava, refletindo a importância de se acreditar para encantar.

Profissionais de saúde, especialmente os que atuam com odontologia, precisam ter a capacidade de envolver seus clientes desde o primeiro contato, passando confiança por meio da sua atuação e fazendo com que seus pacientes acreditem no resultado do tratamento, incentivando-os a colaborar no processo e, sempre de forma ética, apresentando a evolução e os aspectos técnicos envolvidos.

Mas, para isso, é fundamental que os profissionais olhem além do resultado financeiro de sua atuação e o encarem como reflexo de um processo bem articulado e sustentado em um senso de propósito consistente e inspirador, capaz de engajar as pessoas e consolidar uma imagem positiva.

PROPÓSITO E O PODER DA EXPERIÊNCIA 

Alessandra Martinelli contou ao InfoBranding que a inspiração de sua carreira veio desde a sua infância, quando passava férias em Pindorama, interior de São Paulo, na casa de seu tio, que também era dentista.

Ela passava os dias ajudando no dia a dia do consultório, observando cada detalhe e aprendendo o impacto da profissão na vida das pessoas. “Até o cheiro me vem à memória quando lembro daquela época”, diz Alessandra Martinelli mostrando o quanto a memória olfativa é poderosa! “E acredito que as crianças atendidas em meu consultório também terão boas lembranças da clínica”, complementa.

Segundo a Disney Institute, o nariz humano tem cerca de 5 milhões de células receptoras e fica a uma pequena distância do cérebro. Os aromas são armazenados na memória de longo prazo. E isso pode ser utilizado de forma estratégica pelas marcas para promover experiências únicas. No Walt Disney World, por exemplo, os cheiros são utilizados para ajudar a criar memórias mágicas. (Disney Institute, 2011)

Sem dúvidas da carreira que gostaria de seguir, Alessandra mergulhou no universo da odontologia e, além de sua experiência clínica, ainda atuou na área acadêmica em ortodontia por 10 anos para compartilhar e inspirar futuros profissionais.

Seu propósito sempre foi proporcionar qualidade de vida, saúde e bem estar, tanto funcional quanto estético, ajudando as pessoas a serem mais felizes por meio de um sorriso bem cuidado.

E é isso que transborda em seus atendimentos e sustenta a relação que seus pacientes tem com ela e sua clínica. Quem procura a Alessandra, sabe que seu bem-estar estará em primeiro lugar nas mãos de uma profissional qualificada, atualizada e dedicada à profissão.

Hoje, o propósito da Alessandra Martinelli vai além, e permite que ela trace os próximos anos de sua carreira e construa uma marca pessoal alinhada às evoluções tecnológicas e aspirações de uma nova geração de pacientes.

BRANDING PESSOAL

Branding Pessoal nada mais é do que a gestão da marca pessoal. O objetivo principal é criar valor para sua marca pessoal e gerenciar esse valor com competência, fazendo diferença com o seu conteúdo e identificando a sua imagem em todos os seus pontos de contato, ou melhor, em toda a sua rede de relacionamento. A maior parte das decisões de compra se baseia na confiança e no sentimento de conexão, ou das emoções, que as pessoas sentem em relação a determinado produto, serviço ou indivíduo. Gerenciar esse processo exige habilidade do profissional e, por este motivo, o branding é essencial.

A marca pessoal da Alessandra Martinelli é a soma de toda sua história e percepções acerca de sua maneira de atender os clientes e se sustenta em uma abordagem com foco no bem-estar do paciente.

Desde que começou a atuar como dentista sua marca refletiu qualidade, dedicação, paixão, carinho, atualização e foco no resultado, prático e emocional, do tratamento. 

“A função em si me encanta, seja pela estética, o resultado, seja pela gratidão do paciente”, diz Alessandra Martinelli

“Concentre-se no que você faz de melhor. A sua chance está aí”, já dizia Arthur Bender, referência em Personal Branding.

Essa combinação gera percepções que constroem uma imagem única, reconhecida tanto pelos seus pacientes quanto por colegas de profissão e parceiros.

Desde os primeiros anos de atuação, quando trabalhou com seus primos em uma clínica popular, passando pelo mundo acadêmico, até chegar no Centro Odontológico Martinelli & SAAD, consultório particular da família onde atua hoje em dia, Alessandra nunca fez diferença na maneira de atender os pacientes e manteve uma linha de ação coerente ao longo dos anos.

Hoje a dentista vive um momento de foco em sua marca pessoal, com atenção à sua construção e comunicação no cenário digital. Mas, embora como muitos profissionais, tenha a percepção de que está começando do zero, ela já possui o mais importante: os alicerces de sua marca estão consolidados, sua atuação segue um propósito firme e coerente. Ou seja, sua imagem está consolidada e, dia após dia, ela sabe como investir seus recursos para se aprimorar.

Seu próximo passo é organizar uma identidade visual que reflita tudo isso e trabalhar sua presença digital para promover sua imagem nas redes, construindo relacionamento de forma exponencial e conquistando novos clientes com base em estratégias digitais.

O exemplo da Alessandra reforça algo que sempre abordamos nos artigos, eventos, palestras e workshops:

A marca de um negócio é o conjunto das percepções que ele gera nas pessoas, dia após dia, a cada interação em seus diversos pontos de contato. Sua existência não depende apenas de um logotipo, embora a identidade visual seja fundamental para sua identificação e diferenciação diante de outros no mercado. Marca está nas atitudes, expressa visual e verbalmente, a fim de criar essas percepções, construir relacionamento, valorizar e entregar a promessa da marca. Afinal, não adianta ter uma embalagem maravilhosa e não entregar um produto de qualidade.

UM NOVO OLHAR SOBRE O MARKETING DIGITAL

Como falamos anteriormente, grande parte do trabalho da clínica foi feito exclusivamente por meio de indicações – de amigos, pediatras e até colegas de profissão de outras especialidades.

Agora, o momento é de abraçar o digital para alavancar a prospecção de novos clientes e potencializar o processo de indicação boca a boca por meio da gestão de sua presença digital.

Alessandra até confessa uma resistência inicial com relação ao marketing digital, mas hoje percebe sua importância para divulgar os diferenciais de sua marca. Ela é uma das poucas profissionais da região que possui um consultório com equipamentos de ponta e foco na tecnologia. Além de scanners digitais que substituem a modelagem em gesso das arcadas dentárias, sua clínica possui também equipamentos para modelagem 3D de próteses.

Ao longo dos anos, ela e os demais profissionais da clínica focaram num atendimento e resultados de excelência sem a necessidade ou prioridade da divulgação online. No entanto, a percepção passou a ser: “estamos escondendo toda a tecnologia que temos. As pessoas só ficam sabendo ao visitar a clínica. Hoje acredito que é possível fazer diferença e mostrar o quanto estamos investindo em tecnologia, equipamentos, cursos, e passar para os nossos pacientes ainda mais credibilidade e valorização do tratamento realizado”. Segundo a própria dentista: “É como ter uma Ferrari e deixá-la escondida na garagem”.

Legenda: Da esquerda para a direita – equipamento capaz de escanear a arcada dentária em 3d, de maneira digital e sem o uso de moldes ou gesso; impressora de prótese 3D; microscópio endodôntico e equipamento para colocação de pró-pé e manutenção da higiene do ambiente.

Essa situação é muito mais comum do que se pode imaginar. Segundo o portal Saúde Business (2019), ainda há certa resistência na adoção de táticas mais profundas de marketing digital na área da saúde, pois é um segmento que ainda atua muito por meio de comunicação de massa e indicações boca a boca. 

Outros motivos para inicialmente não trabalhar o marketing digital pontuados pela dentista são a falta de habilidade para administrar estas ferramentas e também a resistência da super-exposição pessoal.

Alguns profissionais nutrem este receio da exposição virtual e falta de privacidade. No entanto, esta é uma realidade que pode facilmente ser solucionada mudando o mindset de exposição pessoal para visibilidade profissional, o foco da marca pessoal. E esta administração tanto das ferramentas quanto da estratégia, quando necessário, pode ser feita por profissionais habilitados que transmitam a devida confiança.

O digital é uma realidade. É fundamental para os profissionais administrarem uma presença digital coerente para si e para seus negócios, buscando estar presente nas redes sociais que seus clientes utilizam de forma a interagir e nutrir relacionamentos que se transformem em oportunidades de negócio.

Além de redes sociais, recomenda-se também que as marcas possuam um website próprio, ambiente no qual podem se apresentar de forma customizada, centralizar contatos e, sobretudo, se fazer relevante nos mecanismos de busca, fator fundamental para um negócio ser encontrado na internet.

RELACIONAMENTO ALÉM DO MARKETING 

Branding e marketing vão além de posts bonitos em redes sociais, eles constroem relacionamentos com base na percepção que as pessoas tem  sobre o uso do produto ou serviço oferecido.

Não só na odontologia, o acompanhamento e o atendimento são feitos por pessoas às pessoas, ao ser humano. No caso da doutora Alessandra Martinelli, o vínculo afetivo construído ao longo da carreira sustentou as indicações boca a boca e foi responsável pela prospecção de novos clientes.

Para construir este vínculo não basta apenas estratégias de marketing, é preciso gerenciar cada ponto de contato da marca para transmitir a atenção, preocupação e o cuidado que é passado ao paciente desde a sua chegada à clínica.

“Principalmente por trabalhar com pediatria, é preciso transmitir segurança e confiança tanto para a criança quanto para os pais. Utilizo de desenhos, joguinhos durante o procedimento, pelúcias para ilustrar e até presente pela criança ter se comportado para que seja uma visita prazerosa.”

Trata-se de um esquema que envolve uma visão global da marca:

Esquema ilustrativo: 

Imagem pessoal:

O exemplo da Marca Alessandra Martinelli reflete a realidade de muitos profissionais e empreendedores, que possuem marcas consolidadas mesmo sem saber e que, por isso, deixam de aproveitar oportunidades que uma visão mais estratégica traria.

O marketing digital, nesse contexto, aparece como agente impulsionador da virada de mindset, uma vez que a necessidade de estar presente nas redes sociais faz com que os profissionais e negócios passem por uma autorreflexão que termina por mostrar que eles precisam, na verdade, “organizar a casa” e embalar seu “produto” para apresentá-lo em uma vitrine acessada por milhões de pessoas todos os dias.

Ao refletir sobre seu histórico profissional, sobre o propósito que os motivou a escolher o caminho que seguiram e em cada decisão ao longo do processo, a Marca Pessoal vem à tona e configura-se como ferramenta essencial para entregar valor e expandir a atuação em um cenário cada vez mais conectado.


Alessandra Martinelli é dentista, especialista em Ortodontia e Odontopediatria, com mais de 25 anos de experiência e paixão pela profissão. Atua em clínica particular Centro Odontológico COM Martinelli & Saad e já passou pelo mundo acadêmico, compartilhando conhecimentos e contribuindo para a formação de colegas tão apaixonados pela odontologia quanto ela. Graduada em Odontologia pela Universidade Paulista (UNIP), pós-graduada em Ortodontia pela Sociedade Paulista de Ortodontia (SPO). Credenciada em Técnicas de Alinhadores (Invisalign Doctor, Irok, Clear Aligner), Imersão em Odontologia do Sono e Invisalign Doctor.

 


REFERÊNCIAS

Acreditar para encantar. Portal InfoBranding. Disponível em: <https://www.infobranding.com.br/acreditar-para-encantar/>

BENDER, Arthur. Personal branding: construindo sua marca pessoal. São Paulo: Integrare, 2009. 

DISNEY INSTITUTE. O jeito Disney de encantar os clientes: Do atendimento excepcional ao nunca parar de crescer e acreditar. São Paulo: Saraiva, 2011.

Desmistificando o Marketing Digital para a área da Saúde. Portal Saúde Business, 26 de fevereiro de 2019. Disponível em: <https://saudebusiness.com/mercado/desmistificando-o-markering-digital-para-a-area-da-saude/>.

Compartilhe!
error0

O tradicional bonequinho do grupo de humor Porta dos Fundos, que antes saía pela “porta dos fundos”, agora aparece sentado em casa, com o celular na mão e porta fechada. “A mensagem é clara: fiquem em casa. Precisamos proteger nossa equipe e nossa comunidade de fãs”, afirma o Grupo.

Para contribuir na campanha #ficaemcasa e incentivar o público a seguir as medidas indicadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) devido à Pandemia de Covid-19, o Porta dos Fundos, criou uma nova programação de Quarentena. Além das Esquetes originais, inéditos e exclusivos sempre às segundas, quintas e sábados às 11h, no Youtube, haverá conteúdo de entretenimento em todas as redes sociais do grupo diariamente.

Todo o conteúdo da nova grade de Quarentena está sendo produzido com Home Studio para garantir a qualidade do material.

“Toda nossa equipe está focada em criar ações para estimular o público a ficar em casa, e passar pela quarentena de maneira consciente. E, embora o momento seja difícil, nossa mensagem é para nos cuidarmos, cuidarmos uns dos outros, mas não perdermos o humor”, conta Christian Rôças, CEO do Porta dos Fundos.


Diante da pandemia do coronavírus (COVID-19), muitas marcas têm colaborado com serviços, informações e suporte para que os brasileiros possam enfrentar essa situação. O InfoBranding colabora com o compartilhamento destas ações e apoio das marcas AQUI.

Compartilhe!
error0

Nesta segunda-feira (23/3) acontece o Boma Covid-19 Summit, evento global com mais de 20 horas de informação via streaming sobre a pandemia. Promovido pela rede Boma em parceria com a ferramenta Zoom e o Facebook, mais de 60 especialistas de 20 diferentes países, entre médicos e especialistas em saúde pública, líderes empresariais, psicólogos, economistas, educadores, biohackers e ativistas falarão sobre o impacto do Covid-19 em suas áreas.

A participação é aberta ao púbico, que poderá fazer perguntas ao vivo aos especialistas convidados. Para fazer a inscrição, acesse AQUI e a programação completa pode ser conferida no site do evento.

Serão 11 sessões ao longo do dia, todas realizadas em inglês – exceto a do Brasil, em português, programada para as 19h, e a da França, em francês.

Na sessão do Brasil, às 19h, os convidados serão o economista e ex-Ministro da Fazenda Joaquim Levy, o jornalista Jamil Chade, o médico infectologista Celso Granato, do Grupo Fleury, e a cientista Jaqueline Goes de Jesus, uma das coordenadoras da equipe que realizou, em menos de 48 horas, o sequenciamento do genoma do vírus.

Confira as sessões e seus temas:

Período da manhã (horário de Brasília):

  • 3:00 – Sessão 1: Nova Zelândia – O vírus e como combatê-lo.
  • 5:00 – Sessão 2: Japão – Manejando a epidemia.
  • 6:15 – Sessão 3: Alemanha – Manejando a crise.
  • 7:00 – Sessão 4: China – Resiliência diante do primeiro surto.
  • 9:00 – Sessão 5: Canadá – Decisões inteligentes em tempos turbulentos.
  • 11:00 – Sessão 6: Índia – Um futuro diferente.

Período da tarde (horário de Brasília):

  • 13:00 – Sessão 7 : Polônia – Reinventando nosso mundo.
  • 15:00 – Sessão 8: França (em francês) – Curando a sociedade.
  • 17:00 – Sessão 9: Portugal / Quênia – Empoderando pessoas via tecnologia.
  • 19:00 – Sessão 10: Brasil (em português) – Alerta precoce e rápidas ações.
  • 21:00 – Sessão 11: Estados Unidos – Inovação extrema para uma crise extrema.
Compartilhe!
error0

Diante da necessidade do isolamento para conter a pandemia do coronavírus, muitas marcas têm colaborado com serviços, informações e suporte para que as pessoas continuem evitando a saída de suas casas.

A Centauro, rede multicanal de artigos esportivos, promoverá diariamente treinos gratuitos que serão transmitidos ao vivo, em diferentes horários, em seu canal do Instagram (@centauroesporte). As aulas serão conduzidas por um grupo de profissionais de educação física credenciados com o objetivo de incentivar a prática de atividades físicas, auxiliando as pessoas a se manterem em movimento mesmo sem sair de casa.

Com duração de aproximadamente 30 minutos, os treinos trarão um momento especial de cuidados com a saúde e descompressão, já que o esporte é um grande agente transformador da vida das pessoas, e pode contribuir positivamente no atual cenário.

A agenda do dia seguinte sempre estará disponível no Instagram e no Facebook da marca, com as modalidades que serão oferecidas (entre alongamento, mobilidade e funcional) e o perfil do profissional que conduzirá cada atividade.

Além disso, a marca dará 15% de desconto e frete grátis no site em produtos que ajudam na prática de exercícios em casa, como colchonetes, faixas elásticas e halteres. Mais informações aqui.


Diante da pandemia do coronavírus (COVID-19), muitas marcas têm colaborado com serviços, informações e suporte para que os brasileiros possam enfrentar essa situação. O InfoBranding colabora com o compartilhamento destas ações e apoio das marcas AQUI.

Compartilhe!
error0

Estamos enfrentando um período de crise global. O Coronavírus (Covid-19) se propaga em grande velocidade, causando sérios problemas de saúde pública – o ponto mais preocupante – além de consequentes impactos negativos aos mercados mundo afora.

Às marcas e negócios, bem como aos profissionais, se impõe o desafio de manter a produtividade e encontrar soluções para minimizar as perdas inevitáveis ao mesmo tempo em que se busca cumprir as recomendações de isolamento da OMS e governos.

Nesse contexto, o home-office vem se destacado como uma das soluções possíveis para produtividade remota.

No entanto, o tema levanta também certa polêmica na medida em que muitas empresas ainda não consideram a alternativa remota como uma opção para os seus negócios, mesmo quando viável (uma vez que nem todos os negócios conseguem adotar o modelo) e tendo a tecnologia como aliada acessível e presente em suas realidades.

O problema?  Seu Mindset – a maneira como essas empresas e seus gestores encaram a realidade e adequam suas atitudes para atuar de forma a conquistar, ou não, seus objetivos.

Quando falamos de Transformação Digital, falamos sobretudo de comportamento. Ou seja, como as pessoas e negócios aplicam a tecnologia ao seu dia a dia com foco nas oportunidades que ela pode trazer.

O Mindeset então passa a ser orientado para o crescimento exponencial e flexibilidade do digital, com reflexo nos processos de planejamento, gestão e desenvolvimentos dos produtos serviços.

O livro Mindset- A nova psicologia do sucesso, de Carol S. Dweck aborda essa questão e ilustra como podemos trabalhar nossas atitudes, percepções e objetivos para alcançar o sucesso ou, como no caso do momento delicado do que vivemos, nos adequar as mudanças.

Que tal aproveitar o tempo em casa para essa leitura estimulante!? Entender como trabalhar seu Mindset é determinante não apenas para se adequar as necessidades que vieram com a pandemia, mas para acompanhar a transformação digital e manter sua marca relevante em um cenário cada vez mais conectado.

Compartilhe!
error0

Entregas atrasadas, devolução de mercadorias… o que faço com a logística da minha empresa? Se você se identificou em algum destes cenários, não se preocupe, você não é o único e esses são apenas dois dos grandes desafios de logística nas empresas.

É muito comum ouvirmos falar sobre mudança de comportamento do consumidor e transformação digital, eu mesmo já fiz artigos específicos tratando sobre o assunto. A verdade é que nós, consumidores, estamos mais exigentes e temos dezenas de opções de compra do mesmo produto nas nossas mãos. Avaliações, comentários ou vídeos de consumidores sobre experiências negativas de compra podem destruir em minutos a reputação que empresas levaram décadas para construir. Quer mais? Além de todos esses pontos, sim, nós temos pressa! Muita pressa!

Mas onde entra a logística nessa história?

A logística, para determinados segmentos, é peça chave para uma excelente experiência de compra, como é o caso dos segmentos de varejo e e-commerce. Quantas vezes você pensou e repensou uma compra após ver o prazo de entrega, preço do frete ou por ler um comentário de uma avaliação ruim?

A verdade é que as empresas seduzem seus clientes através de estratégias inteligentes de marketing e promoções, e conduzem o cliente até o ato da compra. Até então nada de errado, faz parte do jogo e é isso mesmo. Mas o processo não acaba aí, este foi só o primeiro passo de um trabalho infinito – a experiência de compra, o pós-compra, o relacionamento, etc.

Diante desta realidade – que nem podemos mais chamar de nova – ter um cliente que comprou e não ter estoque disponível para atender é uma grande bola fora, mais do que isso, é desperdiçar todo investimento realizado no marketing. Bom, para evitar que a ruptura no inventário do estoque faça sua equipe e o seu negócio desperdiçarem estratégias e, principalmente, dinheiro, é fundamental rever o processo logístico.

Neste momento a minha orientação é que sua empresa faça um inventário do seu estoque começando pela curva ABC de vendas, cobrindo primeiramente os produtos que têm maior giro. O segundo momento é trabalhar os produtos de menor giro e, quando esses dois primeiros estiverem finalizados, é hora de implementar estratégias de inventário cíclico para manter seus estoques com o máximo de acuracidade, até você não precisar mais fazer inventário de estoques. Nesta fase a tecnologia pode ajudar de forma significativa, sendo um diferencial do processo, inclusive.

A ruptura de estoques foi apenas um exemplo para despertar o olhar das empresas para a sua operação logística, sem dúvida muitas estão perdendo ou deixando de ganhar dinheiro e mercado por não fazerem os investimentos necessários nessa área.

A gestão de estoques em centros de distribuição pode ser melhorada com a implantação de um sistema de WMS – Warehouse Management System. A implantação pode levar de 3 a 6 meses de acordo com o tamanho e complexidade de sua operação. Os custos também são variáveis, mas os ganhos são contínuos e escaláveis à medida que sua operação amadurece e evolui com o uso do sistema.

Se ainda não estiver convencido da necessidade de investimento da logística, minha sugestão é avaliar o custo de aquisição de um cliente versus o investimento em logística para melhorar a sua experiência de compra e aumentar a taxa de fidelização do mesmo.


 Anderson Benetti é Head de Produto WMS na Senior. Possui mais de 15 anos de experiência na área de TI, atuando diretamente nos segmentos de Transporte e Armazenagem. É graduado em Gestão da Tecnologia da Informação, Pós-Graduado em Gerenciamento de Projetos pela Universidade do Sul de Santa Catariana (UNISUL) e com MBA em Logística e Supply Chain pelo Instituto Brasileiro de Supply Chain (INBRASC). Atualmente é Gerente de Produto das soluções de Gestão de Armazenagem e Transportes da Senior Sistemas.

Compartilhe!
error0

Se por um lado existe a tecnologia como ferramenta de facilidade para uma melhor e mais rápida conexão com o consumidor que, como tendência, ganhará em importância e destaque no mercado; por outro lado, de nada valem essas novas facilidades se a comunicação entre marca e consumidor não for íntegra e coerente do começo ao fim.

É neste momento que se confirma a importância do branding como um agregador de valor à marca e de experiências ao consumidor. Com ele, o propósito é desenhado e incorporado de forma diferenciada, com valores mais perceptíveis e, como consequência, se torna a promessa daquela marca ao cliente.

Ainda que essa promessa seja bem comunicada e conquiste, num primeiro momento, a atenção do consumidor, é a sua entrega que garantirá a fidelização necessária. Por este motivo, a função do branding no processo de estratégia como um todo, desde a concepção da marca, definição de propósito, e ao longo do relacionamento com o cliente, se torna um processo de longo prazo, além de essencial.

Sendo assim, o propósito se torna a ponte entre a marca e seus consumidores, uma vez que direciona intenções, ações e visões transformadoras para um futuro em que pessoas que compartilham dos mesmos valores também querem participar e, por isso, se tornam mais abertas ao diálogo e relacionamento, dando preferência àquela marca em meio a tantas opções disponíveis.

Para tanto, a promessa precisa ser comunicada e os profissionais da área precisam entender que, diferente do que muitos pensam, comunicação não é o que se transmite, mas sim o que é entendido e absorvido.

Visando que as ações de comunicação podem reduzir, ao máximo, a margem de erro do entendimento do consumidor, branding e propósito de marca tornam-se mais uma vez imprescindíveis no alinhamento das ações online e offline.

São essas ações as responsáveis pela conexão com o público-alvo e serão elas, ora elogiadas e compartilhadas; ora criticadas e, infelizmente, também compartilhadas.

É no compartilhamento, na divulgação de experiências de seus clientes com a marca que se pode identificar se o propósito está sendo praticado e percebido de maneira assertiva ou se as ações estão sendo trabalhadas e compreendidas de forma negativa. Neste momento, o acompanhamento das reações de seus consumidores e a resposta rápida, alinhada e sincera, como um exemplo de aproximação com o cliente, faz a diferença e pode garantir que o cliente, mesmo tendo alguma experiência negativa, se torne um embaixador da marca.

A humanização das mesmas cria um vínculo com esse consumidor que permite (e exige) que ela assuma seus erros e os comunique, mas que também se redima e ganhe melhor aceitação do cliente por tratá-lo de forma mais humana e com proximidade.

O propósito da marca deve, portanto, ser criado e implementado de dentro para fora, mas sempre com o foco no mercado. O branding deve fundamentar toda e qualquer estratégia da marca que, junto com o marketing de conteúdo permitirá a diferenciação da mesma na multidão de marcas existentes no mercado, conseguindo destaque diante dos olhos exigentes do consumidor.

Por fim, como dito anteriormente, permitirá a fidelização desse relacionamento com o consumidor e poderá transformá-lo em embaixador da marca se for bem comunicada e trabalhada a longo prazo.

Para criar um valor de marca forte, é preciso ter um posicionamento claro e coerente, bem como um conjunto autêntico de diferenciação que apoie esse posicionamento.

Ou seja, a importância da aplicação do branding nas marcas com um propósito bem delineado pode gerar conteúdo e ofertar ao mercado promessas condizentes com a organização, criando laços a longo prazo com o consumidor e permitindo, não só a fidelização já citada, mas também a propagação na rede de contatos onde o seu consumidor convive.


Case Reserva

Uma marca com propósito claro e que vem fazendo diferença no mercado brasileiro é a marca Reserva, que foi considerada pela Revista Fast Company como uma das marcas mais inovadoras do mundo.

O propósito da marca está presente em todas as lojas, onde encontra-se um painel que define bem o que é ser uma marca preocupada com as pessoas e que tem como propósito cuidar, emocionar e surpreender as pessoas todos os dias.

Sempre acreditamos que por trás de grandes marcas sempre temos grandes líderes. É o caso do Rony Meisler, fundador da grife Reserva. Sua gestão é divertida, inovadora e criou um estilo de liderança que combina essas práticas divertidas e de gestão com a crença de que fazer o que se ama é fundamental para os negócios.

Meisler mudou o nome da área de gestão de pessoas para “fontes humanas” e o marketing interno foi batizado departamento de “felicidade”, cuja função é criar um ambiente de trabalho mais divertido e feliz. Uma das invenções mais queridas é um programa que estimula os funcionários a indicar uns aos outros pelo bom trabalho. No fim de cada mês, um comitê escolhe os melhores e os vencedores têm um sonho realizado — ao entrar na empresa, cada funcionário precisa dizer ao RH três sonhos (possíveis) de ser cumpridos.

Quanto o propósito, é claro, a empresa gira em torno de pessoas e a missão de Meisler é orientar a cultura da empresa. Com isso o resultado não poderia ser outro se não resultados positivos para a imagem da marca, engajamento da equipe e retorno financeiro.

Compartilhe!
error0

No mundo contemporâneo, a sociedade enfrenta um período de mudanças com rápidas transições em todos os âmbitos. O fluxo de informações intercambiáveis e de tecnologias envolvendo sua troca têm permitido que, cada vez mais, pessoas tenham acesso a volumes maiores de conteúdo. Em contrapartida, vive-se um momento de saturação, no qual o usuário tem tantas fontes para consumir este conteúdo que torna desafiador para quem fornece informação competir não só pela atenção do público, mas por algo ainda mais importante: sua fidelidade.

A análise da humanização das marcas se faz relevante considerando a tendência percebida atualmente como tentativa de engajar novos e antigos clientes, em especial aqueles pertencentes à nova geração de consumidores, cujo perfil de compra é diretamente influenciado pela era digital, pela liquidez da modernidade, pelas relações sociais e desejos internos de agora “ser”, em detrimento de “ter”.

É importante lembrar que não basta estabelecer que uma marca se refere a determinado produto: é preciso validar esse reconhecimento orientando o consumidor sobre sua identidade, ao que ele se propõe e o porquê aquele, dentre tantos outros produtos semelhantes, é o ideal.

Antes com suas forças centradas em oferecer ao consumidor valores humanos muito além de simples serviços, culturas ou produtos, o marketing não somente compreendeu a consciência do usuário como também o seu poder ao percebê-lo dotado de acesso às tecnologias.

O modelo de consumir evoluiu gradativamente à medida que o foco mudava. Num primeiro momento, de produto para consumidor e, posteriormente, deste consumidor para o ser humano que ele é: dotado de personalidade, ideais e senso de individualidade.Ao passo que, quando os clientes tomaram consciência do seu poder no meio, a comunidade global passou a se adequar aos modelos “impostos”, centrando seus esforços em acompanhar a jornada desse consumidor emergente, conectado e inquieto, numa tentativa de engajá-los.

Em meio a essa abordagem, convém citar o termo “cibridismo”, que representa a atualidade e nada mais é do que a ponte que conecta o online e o offline. A abordagem se faz pertinente já que, numa discussão sobre a era digital e o cenário do marketing, é preciso esclarecer que o marketing digital não tem a pretensão de substituir o marketing tradicional. A coexistência é imprescindível para que ambos se alicercem na conquista do consumidor.

Não há dúvidas de que o cenário atual é desafiador, especialmente quando potenciais clientes são constantemente expostos a uma carga excessiva de tudo: tanto online, através da publicidade na internet, quanto offline, por meio das opiniões emitidas por aqueles que compõem seu círculo social. De fato, não há fórmula exata para tornar uma marca relevante, mas é fundamental observar que o “caminho do consumidor” pode ser um grande passo na compreensão do perfil para o qual apontar. Desse modo, o foco se configura como uma das chaves principais na distinção e, consequentemente, do valor atribuído à marca.

Já faz algum tempo que o branding tem sido incorporado e trabalhado como elemento do cotidiano das empresas. O seu papel se tornou decisivo nesse cenário globalizado e, no que tange à boa gestão de uma marca, a diferenciação é o fator responsável por tornar a concorrência mais tolerante.

Do ponto de vista do marketing, o consumidor detém o poder decisivo no cenário atual e, apesar de parecer dicotômico, nesse momento ele tem manifestado muito mais seu lado humano. O desafio agora é, então, tornar as marcas mais humanas: criar um fator de identificação com esse público que é constituído por um sem fim de personalidades que não tem nada em comum além de vulnerabilidade.

As marcas vivem um momento em que não deve poupar esforços na aproximação com seu público e, assim, criar laços de amizade.

Ao abordar ansiedades e desejos que tocam o coração do público consumidor, as marcas passam a centrar seus esforços na autorrealização ao passo que elas próprias se tornam também humanas.

É possível interpretar desse contexto que existe uma necessidade de constante reinvenção por parte das marcas para sobreviver no “mercado do momento”. Produto, preço, praça e promoção já não são mais os únicos motores que levam uma pessoa a consumir algo.

As necessidades funcionais ainda estão presentes e sempre estarão, mas as pessoas têm buscado algo mais, às vezes algo quem nem mesmo elas sabem exatamente o quê. E éaí que mora a oportunidade de transformar um cliente em fã: conhecê-lo a ponto de saber o que oferecer para ele em determinado momento – e sabendo quem ele é.

Na atual configuração da era digital da informação,identifica-se a força de um cenário que já não se pode mais deixar de pertencer. A cultura da internet que hoje fomenta a criação e disseminação de conteúdo, de forma massiva e num tempo outrora inimaginável, é a mesma responsável pelo afastamento espacial dos seus usuários.

Considerando esse cenário, percebe-se que o meio digital vive em dicotomia e revela-se como um grande desafio para o mercado atual: o de conciliar, falar muito e conseguir, também, fazer muito. O alinhamento das expectativas externas ao propósito de marca tem se mostrado a melhor aposta das empresas na conquista de visibilidade e engajamento.

A valorização da transparência em uma comunicação sem ruídos e sem rodeios tem oferecido às pessoas um relacionamento que elas estimam ao ponto de desejarem repetir. O valor de discursos que promovem vantagem competitiva norteia o surgimento, desenvolvimento ou reposicionamento de uma marca rumo ao sucesso.

A Nubank, startup brasileira do segmento financeiro, é uma fintech que nasceu em 2013 e vem com esta proposta íntima com seus clientes, atuando como operadora de cartões de crédito e oferecendo como produto o seu próprio cartão no mercado.

Com o objetivo de acabar com a complexidade e burocracia inerentes aos modelos vigentes, aos quais os usuários estão exaustivamente acostumados, a Nubank pretende devolver aos seus clientes o controle do que é deles por direito, propondo resoluções através de sua tecnologia de ponta e esmero com o design.

Apesar de jovem, a Nubank já é um grande case de sucesso de companhia que se utiliza da humanização, desde a sua fundação, para se comunicar com os usuários. Ela estabelece um diálogo objetivo e direto com cada cliente – tratando-os como indivíduos – valorizando opiniões e recebendo em troca a sua merecida confiança, valendo-se dessa troca, que é fruto desse processo de colaboração para obter resultados satisfatórios.

O que comprova que investir na elaboração de um trabalho de branding, com ênfase na humanização, é o cerne da prática orientada para o desdobramento do propósito de uma marca.

Compartilhe!
error0

Branding digital, também conhecido como Digital Branding, diz respeito à gestão da marca no ambiente online, enquanto Branding é o nome usado globalmente para definir o relacionamento entre marcas e consumidores nos ambientes online e offline.

Em um mundo cada vez mais conectado, as marcas precisam se reinventar para se tornar relevantes diante de consumidores tão exigentes. Acompanhar as dinâmicas do mercado é acompanhar a evolução da sociedade e estar presente na vida das pessoas, significa estar aonde elas estão.

A contemporaneidade pode ser definida como a era da conectividade e, cada vez mais, vemos os consumidores alternando os ambientes off e online.

A criação e popularização da internet é provavelmente uma das maiores revoluções na história da humanidade. A forma como nos comunicamos, nos comportamos e trabalhamos foi totalmente transformada após a chegada dessas tecnologias.

Grande parte de nossos ambientes de trabalho tornaram-se digitalmente dependentes, assim como nós, que checamos as notificações de nossas redes sociais a cada minuto. Podemos até dizer que, nos dias de hoje, estar socialmente incluso sem estar conectado digitalmente é quase impossível.

Todos nós, inevitavelmente, estamos cercados por marcas.

A internet transformou o comportamento do consumidor diante das diversas marcas presentes no mercado, já que o cliente se tornou mais crítico e mais informado. Hoje, é possível pesquisar, comparar, ver críticas e avaliações sobre marcas e produtos com um simples clique. É o consumidor com muito mais poder de escolha e decisão.

É importante entender como o branding digital pode agregar valor à marca da sua empresa para que ela esteja sempre presente no pensamento do consumidor, saindo na frente da concorrência.

Afinal, o que é Branding Digital?

Nada mais é do que a gestão de uma marca na internet. Com a internet e as ferramentas digitais, a ação de comprar um produto ganhou várias opções. Se antes um comprador tinha que ir de loja em loja para encontrar e comparar os produtos, hoje ele consegue fazer isso por meio do seu celular, na palma da sua mão.

Isso é bom tanto para os consumidores quanto para os empreendedores, que passaram a oferecer seus produtos para um público bem maior. No entanto, com a quebra das barreiras físicas, o mercado se tornou mais competitivo e a necessidade de se diferenciar cresceu. E é nesse ponto que aparece o conceito de branding digital!

O branding se refere à construção de uma marca frente à percepção do cliente. E no caso do digital, é a gestão de uma marca na internet, desde a criação, manutenção e posicionamento da sua identidade no ambiente online.

O branding digital fortalece a gestão dos negócios para agregar valor à marca e aumenta a fidelização do cliente. É um trabalho que leva tempo e muita dedicação, mas fundamental nos dias atuais para o sucesso do negócio, abrangendo diversos processos, sejam eles de pesquisa, lançamento de novos produtos, reposicionamento ou conversão de possíveis clientes em consumidores. A comunicação da empresa com o cliente é uma das formas de apresentar seu posicionamento e seus valores.

Não há uma receita pronta para o sucesso. O objetivo principal do branding é fazer com que a marca seja referência em seu segmento, destacando-se da concorrência. Além disso, um branding fortalecido atrai clientes em potencial, transformando-os em consumidores fidelizados e aumentando o lucro do seu negócio.

Case de sucesso Magalu

Atualmente o consumidor conhece o produto na loja física, compra no aplicativo, recebe em casa e interage com a loja pelas redes sociais, e esse relacionamento é natural para ele. Então o grande desafio das marcas atuais é entregar essa experiência para o seu consumidor – processo também conhecido como Omnichanel.

Omnichannel é uma estratégia de mercado relacionada à integração. A ideia é integrar todos os canais de uma marca que, trabalhando de maneira uniforme, proporcionam uma experiência de compra mais agradável ao cliente.

Esta estratégia é muito usada em lojas de varejo e entrega ao cliente uma experiência de compra em 360 graus, permitindo um engajamento maior nos canais da marca.

O Magalu criou uma estratégia omnichannel antes da palavra ser inventada, graças ao CEO Frederico Trajano, que foi um visionário e enxergou a grandeza do digital muito antes de outras empresas.

O que mais tem chamado a atenção do mercado é a maneira como eles conseguem integrar a tecnologia ao calor humano no negócio, mais definido pelo CEO como high tech, high touch.

A marca traz muitas novidades tecnológicas para o consumidor: um app que acompanha as entregas por meio do WhatsApp, sistemas em loja que permitiram reduzir a execução de uma compra de 45 minutos para dois minutos, entregas de pedidos feitas no mesmo dia ou em até 48 horas, entre outras coisas. Por outro lado, há muito calor humano nas interações que a marca estabelece com os clientes. A marca possui uma influenciadora digital, a Lu, que fala em primeira pessoa com eles nas redes sociais, no WhatsApp. Ela não é um robô, não tem voz de robô e não escreve como um robô. É uma amiga que traz pessoalidade para a relação digital, e isso permeia todas as ações digitais da marca.

Como coloca Frederico Trajano, o Magalu também abraça várias bandeiras relacionadas ao universo feminino e isso tem colocado a marca sob holofotes. A Lu fala sobre o combate à violência contra a mulher e o assédio. Também já se ausentou um dia das redes sociais para ir fazer um exame de mama e trazer à tona o câncer e a importância da prevenção, ou seja, o high tech e high touch juntos, passando a essência da marca.

Uma marca que se preocupa tanto com a percepção do cliente quanto com a sua imagem, tem maior facilidade de fidelizá-lo. É importante estar presente nas redes sociais e acompanhar o engajamento das pessoas com a organização e seus produtos.

Com o mercado online, a concorrência se acirrou bastante. A praticidade de compra aumentou as opções para o consumidor e para o mercado em geral. Portanto, é preciso investir na imagem da marca e diferenciá-la dos concorrentes, assim como tem feito com excelência a Magazine Luiza, com a Lu do Magalu.

Por meio de um trabalho diário, o branding digital faz com que a sua marca tenha mais confiabilidade e agregue valor aos olhos do seu público. E tudo isso se reflete no valor da marca!

Compartilhe!
error0